Identificação e alteridade na identidade organizacional de uma organização pública

Autores

  • José Osmar Gomes
  • Letícia Dias Fantinel PPGAdm/UFES
  • Márcia Prezotti Palassi
  • Alfredo Rodrigues Leite da Silva

DOI:

https://doi.org/10.21118/apgs.v8i4.5088

Palavras-chave:

identidade organizacional, mudança organizacional, organizações públicas

Resumo

Este artigo tem por objetivo compreender a relação entre transformações contextuais vividas por uma autarquia estadual capixaba e as configurações identitárias manifestadas por gestores da organização. Buscou-se descrever os processos identitários da organização por um olhar interpretativista, pelo entendimento das relações simbólicas que permeiam essa organização, observados em discursos dos sujeitos. Utilizou-se pesquisa documental e entrevistas semiestruturadas individuais, material tratado a partir da técnica de análise de conteúdo. Como resultados, os achados da pesquisa apontam para duas configurações identitárias centrais que remetem à identificação do Idaf com outras organizações, e da distintividade do Idaf perante outros órgãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albert, S., & Whetten, D. A. (1985). Organizational identity. Research in Organizational Behavior , 7, 263-295.
Berger, P. L., & Luckmann, T. (1985). A construção social da realidade. (26ª ed.). Petrópolis: Vozes.
Beyda, T. T., & Macedo-Soares, T. D. (2010). Identidade organizacional: análise crítica da produção acadêmica brasileira de 2004 a 2009. Revista de Administração da USP , 4 (45), 400-414.
Borges, J. F., & Medeiros, C. R. (2011). "Aprecie com Moderação": A identidade da Organização como Drama e Atos de Performance. Revista de Administração de Empresas , 51 (2), 132-142.
Bresser-Pereira, L. C. (1996). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público , 47 (1), 7-40.
Bresser-Pereira, L. C. (2001). Do Estado Patrimonial ao Gerencial. In P. S. Pinheiro, J. Wilheim, & I. Sachs, Brasil: Um Século de Transformações (1ª ed., Vol. 1, pp. 222-259). São Paulo: Companhia das Letras.
Caldas, M. P., & Wood Júnior, T. (1997). Identidade Organizacional. Revista de Administração de Empresas , 37 (1), 6-17.
Carrieri, A., Souza, M., & Almeida, G. (2008). Feirante ou barraqueiro? Identidades e estratégias na feira do jubileu. Revista Economia & Gestão , 8 (17), 70-87.
Chu, R. A., & Wood Júnior, T. (2008). Cultura organizacional brasileira pós-globalização: global ou local? Revista de Administração Pública , 42 (5), 969-991.
Cornelissen, J. P., Haslam, S. A., & Balmer, J. M. (2007). Social Identity, Organizational Identity and Corporate Identity: Towards an Integrated Understanding of Processes, Patternings and Products. British Journal of Management , 18, pp. s1-s16.
Dutton, J. E., & Dukerich, J. M. (2008). Keeping An Eye on the Mirror: Image and Identity In Organizational Adaptation. Aus: Academy of management journal , 34 (3), 236-273.
Freitas, A. B. (2009). Traços brasileiros para uma análise organizacional. In F. C. Motta, & M. P. Caldas, Cultura Organizacional e Cultura Brasileira (pp. 38-54). São Paulo: Atlas.
Gaskel, G. (2013). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer, & G. Gaskel, Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (11ª ed., pp. 64-89). Petrópolis, RJ: Vozes.
Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4ª ed.). São Paulo: Atlas.
Gioia, D. A., Schultz, M., & Corley, K. G. (2000). Organizational Identity, Image, and Adaptive Instability. Academy of Management , 25, 63-81.
Governo do Estado do Espírito Santo. (1996). Lei Complementar 81. Vitória.
Hatch, M. J., & Schultz, M. (1997). Relation between organizational culture, identity and image. European Journal of Marketing , 37, pp. 356-365.
Helal, D. H., & Diegues, G. C. (2009). Do patrimonialismo ao paradigma gerencial: paradoxos da administração pública de Caeté - MG. Administração Pública e Gestão Social , 1 (1), 23-45.
Junquilho, G. S. (2004). Nem “burocrata” nem “novo gerente”: o “caboclo” e os desafios do Plano Diretor de Reforma doEstado no Brasil do real. Revista de Administração Pública , 38 (1), 137-157.
Krippendorff, K. (1990). Metodologia de análisis de contenido: teoria e práctica. Barcelona: Ediciones Paidós.
Lakatos, E. M., & Marconi, M. d. (2010). Fundamentos de metodologia científica (7ª ed.). São Paulo: Atlas.
Lima Júnior, O. B. (1998). As reformas administrativas no Brasil: modelos, sucessos e fracassos. Revista do Serviço Público , 49 (2), 5-32.
Machado, H. V. (2003). A Identidade e o Contexto Organizacional: Perspectivas de Análise. Revista de Administração Contemporânea , 7, pp. 51-73.
Machado, H. V. (2005). Identidade organizacional: um estudo de caso no contexto da cultura brasileira. Revista de Administração de Empresas , 4 (1).
Machado-da-Silva, C., & Nogueira, E. (2001). Identidade organizacional: um caso de manutenção, outro de mudança. Revista de Administração Contemporânea , 5, spe.
Mara, A. V., Fonseca, J. A., & Marques, A. L. (2014). O processo de identificação organizacional ante a reforma administrativa: um estudo exploratório. Revista de Aministração do Makenzie , 15 (1), 49-72.
Martins, F. R. (2013). Identidade e Estudos Organizacionais: em Direção a um Novo Paradigma? Revista Eletrônica de Gestão Organizacional , 11 (1), 62-82.
Mead, G. H. (1967). Mind, Self, and Society (Vol. 1). (C. W. Morris, Ed.) London: Chicago Press.
Merton, R. K. (1970). Sociologia: Teoria e Estrutura. (M. Maillet, Trans.) São Paulo: Mestre Jou.
Motta, F. C. (1996). Cultura e organizações no Brasil. Escola de Administração de Empresas de São Paulo - FGV (15).
Motta, F. C., & Bresser-Pereira, L. C. (1980). Introdução à Organização Burocrática (2ª ed.). São Paulo: Thomson.
Motta, P. R. (2007). A modernização da administração pública brasileira nos últimos 40 ano. Revista de Administração Pública - Edição Especial Comemorativa 1967-2007 , 87-96.
Neto, L. H. (2008). A formação do Estado brasileiro: patrimonialismo, burocracia e corrupção. Revista do Mestrado em Direito da Universidade Católica de Brasília , 204-230.
Pahins, S. L. (2012). Reputação em Organizações Públicas Brasileiras. Coimbra: Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.
Pimentel, T., & Carrieri, A. (2011). A espacialidade na construção da identidade. Cadernos EBAPE.BR , 9 (1), 1-21.
Pires, J. C., & Macedo, K. B. (2006). Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública , 40 (1), 81-104.
Pratt, M. G. (2000). The good, the bad and the ambivalent: managing identification among Amway Distributors. Administrative Science Quarterly , 45 (3), 456-498.
Pratt, M., & Foreman, P. (2000). Classifying managerial responses to multiple organizational identities. The Academy of Management Review , pp. 18-42.
Rindova, V. P., Pollock, T. G., & Hayard, M. L. (2006). Celebrity firms: the social construction of market popularity. Academy of Management Review , 31 (1), 50-71.
Saraiva, L. A. (2002). Cultura Organizacional em Ambiente Burocrático. Revista de Administração Pública , 6 (1), 187-207.
Secchi, L. (2009, Mar/Abr). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública .
Souza, M. M., Carrieri, A. d., & Faria, A. A. (2008, jul./set). The construction of organizational identity: Discourses on the Brazilian private railroad. The construction of organizational identity: Discourses on the Brazilian private railroad , 177-192.
Triviños, A. N. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.
Vasconcelos, I. F., & Vasconcelos, F. (2003). Identidade, legitimação social e teoria organizacional: contribuições de uma análise sociológica da política de gestão de pessoas da Natura. Organizações & Sociedade , pp. 41-59.
Vergara, S. C. (2007). Relatórios de pesquisa em administração (8ª ed.). São Paulo: Atlas.
Weber, M. (1999). Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva (2ª ed.). (R. Barbosa, & K. E. Barbosa, Trans.) DF: Editora daUNB.

Downloads

Publicado

2016-11-18

Como Citar

Gomes, J. O., Fantinel, L. D., Palassi, M. P., & Leite da Silva, A. R. (2016). Identificação e alteridade na identidade organizacional de uma organização pública. Administração Pública E Gestão Social, 8(4), 257-269. https://doi.org/10.21118/apgs.v8i4.5088

Edição

Seção

Artigos