Para Além da Reforma do Estado

  • Claudio Roberto Marques Gurgel Universidade Federal Fluminense UFF
Palavras-chave: Crises, Estado, Mercado, Sociedade

Resumo

A reforma do Estado no Brasil teve como ponto de partida o diagnóstico de que, nos anos 1970/1980, se instalou uma crise fiscal, proveniente do excesso de gastos públicos. Mas as crises não se explicam exclusivamente pela superestrutura. Por isso, o objetivo deste trabalho é analisar a reforma dos anos 1990 a partir de um olhar mais amplo, incluindo os papéis desempenhados pelo mercado, após o abalo da base técnica fordista, e pela sociedade, marcada pelo individualismo. Após vinte anos de experiência da reforma, configura-se a necessidade de retomar a perspectiva perdida, com mudanças que contemplem os frequentemente excluídos e que avance para além da reforma do Estado, em seu conceito liberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio Roberto Marques Gurgel, Universidade Federal Fluminense UFF
Professor da Universidade Federal Fluminense, mestre em administração pública, mestre em ciência política e doutor em educação.

Referências

Arrighi, G. (1996). O longo século XX. Rio de Janeiro: Contraponto.
Arrighi, G., Silver, B. (2001). Caos e governabilidade no moderno sistema mundial. Rio de Janeiro: Contraponto e Editora da UFRJ.
BNDES. Privatização no Brasil: 1990-1994/1995-2002. www.bndes.gov.br › ... › Consulta Expressa › Privatização Acesso em 12 de janeiro de 2016.
Bobbio, N. (1986). O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Bresser-Pereira, L. C. (1996). Crise econômica e reforma do Estado no Brasil. São Paulo: Editora 34.
______________________. (1997). Reforma do Estado dos anos 90: Lógica e mecanismos de controle. Brasília: MARE.
______________________.(2003). Gestão do setor público: estratégia e estrutura para um novo Estado, In: Bresser-Pereira, L.C. e Spink, P. Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. Rio de Janeiro: Editora FGV.
______________________. (2004). Instituições, bom estado e Reforma da Gestão Pública, in: Arvate, P., Biderman, C. (Orgs.), Economia do Setor Público. Rio de Janeiro: Elsevier.
Dos Santos, T. (2011). Imperialismo y dependência. Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho.
Durkheim, E. (1978). O suicídio. São Paulo: Abril Cultura.
Gramsci, A. (1968). Maquiavel, a política e o Estado Moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
____________________.(2000). Cadernos do Cárcere. V. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Harvey, D. (1994). Condição pós-moderna. Rio de Janeiro: Loyola.
Hayeck, F. (1987). O caminho da servidão. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura/Instituto Liberal.
Hobsbawn, E. (2009). A era das revoluções. São Paulo: Editora Paz e Terra.
Kalecki, M. (1978). Teoria da dinâmica econômica. São Paulo: Abril Cultural.
Kettl, D. (2003). A revolução global: reforma da administração do setor público, In: Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Keynes, J. M. (1964). Teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura.
Lênin, V. (1970). Con motivo del cuarto aniversario de la revolución de octubre. Moscou: Progreso.
Lustosa da Costa, F. (2008). Brasil: 200 anos de Estado; 200 anos de administração pública; 200 anos de reformas, Revista de Administração Pública. 42(5), setembro/outubro.
Marx, K. (1983). Contribuição à crítica da economia política, Prefácio à primeira edição. São Paulo: Martins Fontes.
___________. (2001). Grundrisse. Rio de Janeiro: Boitempo.
___________e Engels, Fredric. (2009). A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular.
Myrdal, G. (1997). Aspectos Políticos da Teoria Econômica. São Paulo: Editora Nova Cultural
Nogueira Batista, P. (2001). O Consenso de Washington: a visão neoliberal dos problemas latino-americanos. São Paulo: Consulta Popular.
Nunes, E. e outros. (2007). Agências reguladoras e reforma do Estado no Brasil – inovação e continuidade no sistema político-institucional. Rio de Janeiro: Garamond.
Olson, M. (1999). A lógica da ação coletiva. São Paulo: Edusp.
Peters, B. G. e Pierre, J. (1998). Governance without Government? Rethinking public administration, Journal of Public Administration Research and Theory. 8(2).
Sappington, D. e Stiglitz, J. E. (1987). Privatization, information and incentives, Journal of Policy Analysis and Management, 6(4).
Schimitt, C. (1996). A crise da democracia parlamentar. São Paulo: Scritta.
Schumpeter, J. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril.
Toffler, A. (1985). A empresa flexível. Rio de Janeiro: Record.
Wallerstein, I. (1985). O capitalismo histórico. São Paulo: Brasiliense.
Weber, M. (2009). Economia e Sociedade. Brasília: Editora UNB.
Williamson, J., Kuczynski, P-P. (2003). Depois do Consenso de Washington: crescimento e reforma na América Latina. São Paulo: Editora Saraiva.
Publicado
2017-07-03
Como Citar
Gurgel, C. R. M. (2017). Para Além da Reforma do Estado. Administração Pública E Gestão Social, 1(3), 159-170. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5137
Seção
Artigos