Os sentidos de currículo e a configuração da prática pedagógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i2.926

Palavras-chave:

Currículo escolar. Avaliações externas. Professor mediador.

Resumo

Este estudo tem como foco os sentidos que professoras atribuem ao currículo escolar e o papel docente em seu desenvolvimento. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, realizada com quatro docentes em uma escola pública de Vitória da Conquista, Bahia. A entrevista semiestruturada foi o meio para produção dos dados, os quais foram analisados por meio da Análise de Conteúdo. Os resultados mostram que o currículo é compreendido como um instrumento de grande relevância no trabalho docente e na formação discente e objetiva educar para a vida, preparar para as avaliações externas e para o trabalho. Desse modo, o docente é visto como mediador entre o currículo e os alunos e principal agente em seu desenvolvimento na escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Narleide Oliveira Castro, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, lotada na Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação da UESB, campus de Vitórria da Conquista, Bahia, Brasil.

Edinaldo Medeiros Carmo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutor em Educação, Professor Adjunto do Departamento de Ciências Naturais da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, campus Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Referências

ACOSTA, Javier Marrero. O currículo interpretado: o que as escolas, os professores e as professoras ensinam? In: SACRISTÁN, José Gimeno (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. P. 188-207.

ALBINO, Ângela Cristina, PEREIRA, Maria Zuleide da Costa, LIMA, Idelsuite de Sousa. Currículo: (re)construindo sentidos de educação e ensino. Espaço do Currículo, v. 7, n. 1, p. 5-12, jan./abr. 2014. Disponível em: <http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/19419/0>. Acesso em: 04 maio 2018.

APPLE, Michael Whitman. Ideologia e Currículo. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BARG, Gilmar. O currículo da rede municipal de ensino de Blumenau/SC no período de 1997 a 2004: uma abordagem baseada nos estudos pós-coloniais. 2012. 181f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Regional de Blumenau – FURB, Blumenau, 2012.

CARMO, Edinaldo Medeiros; SELLES, Sandra Escovedo; ESTEVES, Maria Manuela. Concepções de professores de Biologia sobre a profissão docente. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, PT, v. 44, p. 87-106, 2015. Disponível em: <http://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC44_Medeiros.pdf>. Acesso em: 08 set. 2016.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

CUNHA, Érika Virgílio Rodrigues da. A prática de planejamento curricular de professoras do 1º ciclo do ensino fundamental no contexto da implantação de ciclos na rede pública municipal de Rondonópolis/MT. 2005. 221f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2005.

CUNHA, Isabela Bilecki. A relação entre o currículo e as avaliações externas: Um estudo sobre a rede municipal de São Paulo. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 17, n. 47, p. 43-58, out./dez. 2016. Disponível em:
<http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/25900>. Acesso em: 06 jan. 2017.

FLORES, Maria Assunção; FLORES, Manuel. O professor: agente de inovação curricular. In: Colóquio sobre Questões Curriculares, 3. 1998, Braga. Actas do III Colóquio sobre Questões Curriculares. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia da Universidade do Minho, p. 79-99, 1998. Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/657/1/MariaAFlores.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2016.

GOODSON, Ivor. Currículo, Teoria e História. Petrópolis: Vozes, 2013.

HORTA NETO, João Luiz. Avaliação Externa de Escolas e Sistemas: Questões presentes no debate sobre o Tema. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, p. 84-104, 2010. Disponível em: <http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/604>. Acesso em: 04 jan. 2017.

MALTA, Shirley Cristina Lacerda. Uma abordagem sobre currículo e teorias afins visando à compreensão e mudança. Espaço do Currículo, Paraíba, v. 6, n. 2, p. 340-354. maio/ago. 2013. Disponível em: <periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/download/3732/9757>. Acesso em: 06 nov. 2016.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Currículo: políticas e práticas. 13. ed. Campinas: Papirus, 2013. P. 165-183.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Currículo e conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Caderno de Pesquisa, São Paulo. v. 42, n. 147, p. 716-737, 2012. Disponível em:
<www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742012000300004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 15 maio 2018.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

MUÑOZ, Francisco Imbernón. A formação dos professores e o desenvolvimento do currículo. In: SACRISTÁN, José Gimeno (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. P. 494-507.

SACRISTÁN, José Gimeno. O que significa o currículo? In: SACRISTÁN, José Gimeno (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. P. 16-35.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SACRISTÁN, José Gimeno. Plano do currículo, plano do ensino: o papel dos/as professores/as. In: SACRISTÁN, José Gimeno; PÉREZ GÓMEZ, Ángel I. (Org.). Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998a. P. 197-223.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: os conteúdos do ensino ou uma análise pratica? In: SACRISTÁN, José Gimeno; PÉREZ GÓMEZ, Angel I. (Org.). Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998b. P. 119-148.

SACRISTÁN, José Gimeno. A Avaliação no ensino. In: SACRISTÁN, José Gimeno; PÉREZ GÓMEZ, Angel I. (Org.). Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998c. P. 295-351.

SAKAY, Lady. Ensino e aprendizagem do número racional positivo na forma decimal: análise de uma experiência de inversão curricular. 2012. 329f. Brasília, Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

THIESEN, Juarez da Silva. O que há no “entre” teoria curricular, políticas de currículo e escola? Educação, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 129-136, jan./abr. 2012. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/fo/ojs/index.php/faced/article/view/7407/7548>. Acesso em: 22 dez. 2014.

VASCONCELOS, Celso dos Santos. Para onde vai o professor? Resgate do professor como sujeito de transformação. 12. ed. São Paulo: Libertad, 2007.

Downloads

Publicado

2018-11-20

Como Citar

OLIVEIRA CASTRO, M. N.; MEDEIROS CARMO, E. Os sentidos de currículo e a configuração da prática pedagógica. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 9, n. 2, p. 259–274, 2018. DOI: 10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i2.926. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/7004. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos