O exercício da docência entre incentivos e regulações: o processo de adoecimento do professorado da educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i2.959

Palavras-chave:

Professor. Mecanismos de controle. Perda de autonomia. Adoecimento. Síndrome de Burnout.

Resumo

O objetivo desse artigo é, por meio de uma revisão bibliográfica, refletir sobre ações que podem ser vistas como reguladoras da prática docente, detectando mecanismos de controle que conferem menor autonomia ao trabalho do professor e, consequentemente, a sua desvalorização, levando-o ao sofrimento, desgaste e desânimo e podendo resultar na Síndrome de Burnout. A reflexão sobre ações reguladoras associada à valorização do professor é uma questão emergencial, de saúde do profissional, a nível emocional e mental. Portanto, é imprescindível estabelecer medidas que busquem a prevenção do adoecimento docente e a promoção de sua saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Campos Schmitt, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Priscila Reis Vieira, Universidade Federal de Juiz de Fora

Especialista em Negócios e Empreendimentos pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), graduada em Turismo pela Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora e graduanda em Pedagogia na UFJF.

Elita Betânia de Andrade Martins, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), doutora e mestre em educação pela UFJF. 

Referências

AMARAL, Nelson Cardoso. Com a PEC 241/55 (EC 95) haverá prioridade para cumprir as metas do PNE (2014-2024)? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 71, p. 1-25, out./dez. 2017.

APPLE, Michael; TEITELBAUN, Kenneth. Está o professorado perdendo o controle de suas qualificações e do currículo? Teoria e Educação, Porto Alegre, v. 1, n. 4, p. 62-73, 1991.

BARBOSA, Andreza. Os salários dos professores brasileiros: implicações para o trabalho docente. 208 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Faculdade de Ciências e Letras. Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

BASSO, Itacy Salgado. As condições subjetivas e objetivas do trabalho docente: um estudo a partir do ensino de História. 141 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

BENEVIDES-PEREIRA, Ana Maria Teresa. Burnout: uma tão conhecida desconhecida síndrome. In: LEVY, Gisele Cristine Tenório de Machado; SOBRINHO, Francisco de Paula Nunes (Orgs.). A Síndrome de Burnout em professores do ensino regular: pesquisa, reflexões e enfrentamento. Rio de Janeiro: Editora Cognitiva, 2010. P. 9-28.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior, 2016. Disponível em: <http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior>. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 7.109 de 13 de outubro de 1977. Contém o Estatuto do pessoal do magistério público do Estado de Minas Gerais, e dá outras providências. Disponível em: <https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa-nova-min.html?tipo=LEI&num=7109&ano=1977>. Acesso em: 13 jan. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 20 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 13.415 de 13 de fevereiro de 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm>. Acesso em: 05 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde: caderno de legislação em saúde do trabalhador. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/legislacao_saude_saude_trabalhador.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso em: 20 out. 2017.

CAÇÃO, Maria Izaura. Jornada de Trabalho Docente: delineamento histórico da organização do trabalho do magistério público paulista. 218 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

CARLOTTO, Mary Sandra. A Síndrome de Burnout e o trabalho docente. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 1, p. 21-29, 2002.

CONTRERAS, José Domingo. La autonomia del profesorado. Madrid: Morata, 1997.

DUARTE, Adriana Maria Cansella. O trabalho docente na educação básica: novas configurações e formulações teórico conceituais. In: VII Seminario de la Red de Estudios sobre trabajo docente, 2008, Buenos Aires. Anais (Seminário da Redestrado). Buenos Aires: UBA-CLACSO/REDESTRADO, p. 1-21, 2008.

ENGUITA, Mariano Fernández. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Revista Teoria e Educação, Porto Alegre, v. 1, n. 4, p. 41-61, jan. 1991.

ESTEVES-FERREIRA, Alberto Abrantes; SANTOS, Douglas Elias; RIGOLON, Rafael Gustavo. Avaliação comparativa dos sintomas da Síndrome de Burnout em professores de escolas públicas e privadas. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 59, p. 987-1002, out./dez. 2014.

FERNANDES, Roseane Reis. O Mundo do Trabalho e suas Implicações no currículo da formação continuada de professores. Revista Margens Interdisciplinar, Baixo Tocantins: UFPA, v. 9, n. 12, p. 57-71, jun. 2015.

GATTI, Bernardete Angelina. Análise das políticas públicas para a formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 57-70, jan./abr. 2008.

GATTI, Bernardete Angelina. Reconhecimento social e as Políticas de Carreira Docente na Educação Básica. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p. 88-111, jan./abr. 2012.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001846/184682por.pdf>. Acesso em: 20 out. 2017.

GATTI, Bernardete Angelina et al. A atratividade da carreira docente no Brasil. Estudos & Pesquisas Educacionais, São Paulo, v. 1, n. 1, maio 2010.

GUGLIELMI, Sergio; TATROW, Kristin. Occupational stress, Burnout, and health in teachers: a methodological and theoretical analysis. Review of Educational Research, v. 68, n. 1, p. 61-69, 1998.

GUTIERRES, Dalva Valente Guimarães et al. Planos de carreira de professores da educação básica em estados e municípios brasileiros no contexto da política de fundos: configurações, tendências e perspectivas. Relatório sobre planos de cargos, carreira e remuneração do magistério da pesquisa “Remuneração de professores de escolas públicas de educação básica: configurações, impasses, impactos e perspectivas”, 2013. Disponível em: <https://docs.google.com/file/d/0B-t48J3csJ5Ub19leUlQUHlHcjA/edit?pli=1>. Acesso em: 10 jan. 2018.

HYPOLITO, Álvaro Moreira. Trabalho Docente na Educação Básica no Brasil: as condições de trabalho. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; VIEIRA, Lívia Fraga (Orgs.). Trabalho na Educação Básica: a condição docente em sete estados brasileiros. 1. ed. Belo Horizonte: Fino traço, v. 23, 2012. P. 211-229.

JACOMINI, Márcia Aparecida; PENNA, Marieta Gouvêa de Oliveira. Carreira docente e valorização do magistério: condições de trabalho e desenvolvimento profissional. Pro-Posições, Campinas, v. 27, n. 2, p. 177-202, maio/ago. 2016.

LAPO, Flavinês Rebolo; BUENO, Belmira Oliveira. Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 1, n. 118, p. 65-88, mar. 2003.

LEMOS, José Carlos Galvão. Do encanto ao desencanto, da permanência ao abandono: o trabalho docente e a construção da identidade profissional. 315f. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

LEVY, Gisele Cristine Tenório de Machado. Avaliar o índice de Burnout em professores da rede pública de ensino localizada na região Sudeste. 85f. Dissertação (Mestrado em Educação). Instituto de Educação. Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

LUDKE, Menga; BOING, Luiz Alberto. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, set./dez. 2004.

MACIENTE, Aguinaldo Nogueira; NASCIMENTO, Paulo Augusto Meyer Mattos; ASSIS, Lucas Rocha Soares de. As Ocupações de Nível Superior com Maiores Ganhos Salariais entre 2009 e 2012. Radar: Tecnologia, Produção e Comércio Exterior - Ipea, Brasília, v. 1, n. 27, p. 55-68, jul. 2013.

MARIN, Alda Junqueira. O trabalho docente: núcleo de perspectiva globalizadora de estudos sobre ensino. In: MARIN, Alda Junqueira (Org.). Didática e trabalho docente. Araraquara: JM Editora, 1996. P. 23-43.

MARTINS, Elita Betânia de Andrade. Formação: Qual o papel dos professores neste processo? In: CALDERANO, Maria da Assunção; MARQUES, Gláucia Fabri Carneiro; MARTINS, Elita Betânia de Andrade (Orgs.). Formação Continuada e pesquisa Colaborativa: Tecendo relações entre universidade e escola. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013a. P. 103-117.

MARTINS, Elita Betânia de Andrade. Responsabilidade Profissional, Cobranças Externas e Processo de Culpabilização Docente. In: CALDERANO, Maria da Assunção; BARBACOVI, Lecir Jacinto; PEREIRA, Margareth Conceição (Orgs.). O que o Ideb conta? Processos e resultados alcançados pela Escola Básica. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013b. P. 145-166.

MARX, Karl. Processo de trabalho e processo de valorização. In: ANTUNES, Ricardo(Org.). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004. P. 29-56.

MASLACH, Christina; SCHAUFELI, Wilmar B.; LEITER, Michael P. Job Burnout. Annual Review of Psychology, v. 52, p. 397-422, fev. 2001.

MASSON, Gisele. Requisitos essenciais para a atratividade e a permanência na carreira docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 140, p. 849-864, jul./set. 2017.

MAUSNER-DORSCH, Hilde, EATON, William W. Psychosocial work environment and depression: Epidemiologic assessment of the demand-control model. American Journal of Public Health, v. 90, n. 11, p. 1765-1770, nov. 2000.

MIRANDA, Márcia Bastos. Saúde emocional de professores das escolas estaduais de Juiz de Fora-MG: Depressão e Burnout. 89f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Faculdade de Psicologia. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127- 1144, dez. 2004.

OLIVEIRA, Dalila Andrade; VIEIRA, Livia Fraga. Trabalho na educação básica: a condição docente em sete estados brasileiros. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

OLIVEIRA, Eloiza da Silva Gomes de. O “mal-estar docente” como fenômeno da modernidade: os professores no país das maravilhas. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 27- 41, mar. 2006.

OLIVEIRA, Julvan Moreira de. Trajetos de Formação e de Atuação Docente. In: CALDERANO, Maria da Assunção; MARQUES, Gláucia Fabri Carneiro; MARTINS, Elita Betânia de Andrade (Orgs.). Formação Continuada e Pesquisa Colaborativa: Tecendo relações entre Universidade e Escola. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013. P. 55-74.

PEREIRA, Margareth Conceição; CALDERANO, Maria da Assunção; MARQUES, Gláucia Fabri Carneiro. Algumas implicações das avaliações externas no trabalho docente. In: CALDERANO, Maria da Assunção; BARBACOVI, Lecir Jacinto; PEREIRA, Margareth Conceição (Orgs.). O que o Ideb conta? Processos e resultados alcançados pela Escola Básica. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2013. P. 31-49.

PETRY, Cleriston. O novo “espírito do capitalismo” na reforma curricular do ensino médio da rede pública estadual do RS. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 22, n. 1, p. 2-39, jan./abr. 2017.

SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira; MARIN, Alda Junqueira. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1203-1225, set./dez. 2004.

SILVA, Nilson Rogério da et al. O Trabalho do professor, indicadores de Burnout, práticas educativas e comportamento dos alunos: correlação e predicação. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 21, n. 3, p. 363-376, jul./set. 2015.

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político pedagógico - elementos pedagógicos para elaboração e realização. São Paulo: Libertad, 2000.

VIEIRA, Isabela. Conceito(s) de Burnout: questões atuais da pesquisa e a contribuição da clínica. Rev. Bras. Saúde Ocup., São Paulo, v. 35, n. 122, p. 269-276, jul./dez. 2010.

VIEIRA, Jarbas Santos. Política educacional, currículo e controle disciplinar (implicações sobre o trabalho docente e a identidade do professorado). Currículo sem Fronteiras, v. 2, n. 2, p. 111-136, jul./dez. 2002.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2018-11-20

Como Citar

SCHMITT, J. C.; VIEIRA, P. R.; MARTINS, E. B. de A. O exercício da docência entre incentivos e regulações: o processo de adoecimento do professorado da educação básica. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 9, n. 2, p. 275–291, 2018. DOI: 10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i2.959. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/7035. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos