A resolução de problemas e a experimentação investigativa nas orientações curriculares para o ensino fundamental e médio no Brasil

Palavras-chave: Orientações curriculares, Experimentação e resolução de problemas, Ensino de ciências-biologia

Resumo

Neste artigo, objetivamos discutir os princípios gerais propostos pelo Ministério da Educação do Brasil, com relação à experimentação e à resolução de problemas que constam nas Orientações Curriculares para o Ensino Fundamental e Médio nos domínios das Ciências/Biologia (BRASIL, 1997a; 1997b; 2002; 2006). Nesse contexto, definimos nossa pesquisa como estudo de caso, pois realizamos pesquisa documental a partir de diplomas oficiais. A partir das análises das ideias presentes nos documentos, acreditamos que as práticas pedagógicas possivelmente se manterão longe das Orientações Curriculares, pois os docentes não são meros executores de políticas educacionais, mas reinterpretam-nas, adaptando-as de acordo com as suas vivências, interesses e valores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Manoel da Silva Malheiro, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Educação para a Ciência (UNESP), Pós-Doutorado em Ciências da Educação (Universidade do Porto) e Pós-Doutorado em Educação para a Ciência (UNESP). Professor Associado I da Universidade Federal do Pará. 

Odete Pacubi Baierl Teixeira, Universidade Estadual Paulista

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo. Livre docente em Didática pela Universidade Estadual Paulista. Professora Adjunta aposentada do Departamento de Física e Química do campus de Guaratinguetá e credenciada no Programa de Pós Graduação em Educação para a Ciência, campus de Bauru da Universidade Estadual Paulista.

Referências

ALMEIDA, Willa Nayana Corrêa. A argumentação e a experimentação investigativa no ensino de matemática: o problema das formas em um clube de ciências. 2017. 109 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação em Ciências e Matemáticas) - Universidade Federal do Pará, Belém, PA, 2017.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997a.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Parte III: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC/SEMT, 1997b.

BRASIL, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. v. 2. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

CARVALHO, Ana Maria Pessoa de et al. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione, 2009.

CARVALHO, Ana Maria Pessoa de. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, Ana Maria Pessoa de (org.) Ensino de Ciências por Investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 1-20.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2 ed. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2006.

DUSCHL, Richard A.; OSBORNE, Jonathan. Supporting and promoting argumentation discourse in science education. Studies in Science Education, v. 38, n. 1, p. 39-72, 2002.

FAGUNDES, Suzana Margarete Kurzmann. Experimentação nas aulas de ciências: um meio para a formação da autonomia? In: GALIAZZI, Maria do Carmo et al (org.). Construção curricular em rede na educação em ciências: uma aposta de pesquisa na sala de aula. 1 ed. Ijuí: Unijuí, 2007, p. 317-336.

FRANCISCO JÚNIOR, Wilmo E.; FERREIRA; Luiz Henrique; HARTWIG, Dácio Rodney. Experimentação problematizadora: fundamentos teóricos e práticos para a aplicação em sala de aula de ciências. Química nova na escola. São Paulo, n. 30, p. 34-41, nov. 2008.

GASPAR, Alberto. Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental. São Paulo: Ática, 2009.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de Ensino de Biologia. 4. ed. São Paulo: Editora USP, 2008.

LEITÃO, Selma. Processos de construção do conhecimento: a argumentação em foco. Pro-Posições. Campinas, v. 18, n. 3, p. 75-92, set./dez. 2007.

LOPES, José Bernardino. A resolução de problemas em física e química: modelo para estratégias de ensino-aprendizagem. Lisboa: Texto Editora, 1994.

LORENZATO, Sergio. Para aprender matemática. 3. ed. Campinas/SP: Autores associados, 2010.

MALHEIRO, João Manoel da Silva. A resolução de problemas por intermédio de atividades experimentais investigativas relacionadas à biologia: uma análise das ações vivenciadas em um curso de férias em Oriximiná (PA). 2009. 314 f. Tese (Doutorado em Educação para Ciência) - Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP, 2009.

MALHEIRO, João Manoel da Silva. Atividades experimentais no ensino de ciências: limites e possibilidades. Actio: Docência em Ciências. Curitiba, v. 1, n. 1, p. 108-127, jul./dez. 2016.

MARANDINO, Martha; SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Marcia Serra. Ensino de Biologia: histórias e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MERRIAM, Sharan B. Qualitative Research and Case Study Applications in Education. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1998.

PRAIA, João; CACHAPUZ, António; GIL-PÉREZ, Daniel. A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação. Bauru, v. 8, n. 2, p. 253-262, 2002.

RICARDO, Elio Carlos; ZYLBERSZTAJN, Arden. As ciências no ensino médio e os parâmetros curriculares nacionais: da proposta à prática. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v. 10, n. 35, p. 141-160, abr./jun. 2002.

RICARDO, Elio Carlos; ZYLBERSZTAJN, Arden. Os Parâmetros Curriculares Nacionais na formação inicial de professores das ciências da natureza e matemática do ensino médio. Investigações em ensino de ciências. Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 339-355, 2007.

ROSITO, Berenice Alvares. O ensino de ciências e a experimentação. In: MORAES, Roque (org.). Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. 3 ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 195-208.

SERRANO, Gloria Pérez. Investigación cualitativa. Retos e interrogantes – I. Métodos. Madrid: Ed. La Muralla, 2004.

SILVA, Deolinda Rosa Camarinha. Políticas e práticas curriculares na biologia e geologia: um estudo situado numa escola secundária. 2010. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) - Universidade do Porto, 2010.

SILVA, Roberto Ribeiro da; MACHADO, Patrícia Fernandes Lootens; TUNES, Elizabeth. Experimentar sem medo de errar. In: SANTOS, Wildson Luiz P. dos; MALDANER, Otavio Aloisio (org.). Ensino de Química em foco. 1 ed. Ijuí: Unijuí, 2010. p. 231-261.

SILVA, Leonice Heloísa; ZANON, Lenir Basso. Experimentação no ensino de ciências. In: SCHNETZER, Roseli Pacheco; ARAGÃO, Rosália Maria Ribeiro (org.) Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. 1 ed. Campinas: R Vieira Gráfica e Editora Ltda, 2000. p. 120-153.

VALLES, Miguel S. Técnicas Cualitativas de Investigación Social. Reflexión metodológica y práctica profesional. Madrid: Editorial SÍNTESIS, S.A., 1997.

ZULIANI, Silvia Regina Quijadas Aro et al. O experimento investigativo e as representações de alunos de ensino médio como recurso didático para o levantamento e análise de obstáculos epistemológicos. In: V Encontro Regional Sul de Ensino de Biologia (EREBIOSUL). Londrina: UEL, 2011.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
Malheiro, J. M. da S., & Teixeira, O. P. B. (2019). A resolução de problemas e a experimentação investigativa nas orientações curriculares para o ensino fundamental e médio no Brasil. Educação Em Perspectiva, 10, e019027. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i0.7091