Sobre ser grande e não ser vista

a mulher que há em preciosa

Palavras-chave: Gênero. Feminismo. Gordofobia.

Resumo

Este texto é parte de um investimento teórico e de pesquisa que nos movimenta em direção à problematização das  relações entre os artefatos culturais, discursos e modos de subjetivação. Trata-se de uma reflexão acerca da poética das imagens do filme “Preciosa”, que retrata uma mulher obesa de um bairro pobre de Nova Iorque. Adotamos como procedimentos metodológicos a análise fílmica em conjunto com as proposições de Michel Foucault acerca da problematização, ou seja, colocar sob suspeita as formas que nos levam a pensar e entender o mundo como entendemos. Assim, escolhemos discutir e problematizar a questão do feminino em relação à obesidade, que, em conjunto com o feminismo e artefatos culturais, são nossos argumentos centrais neste texto. Construímos nossas discussões considerando o aporte teórico de Michel Foucault, Guacira Lopes Louro, Alfredo Veiga-Neto, Rosa Maria B. Fischer, entre outros e outras autoras. Na escola, Preciosa é grande demais para sua mesa; no restaurante, deduzem que sua porção será sempre a maior; em casa, é humilhada, violentada e desrespeitada, tudo parece sugerir um caos pessoal absoluto e indissolúvel. As condições humanas e suas armadilhas nos convidam a voltar nosso olhar para os padrões estéticos considerados aceitáveis e que tornam a vida e a existência de Claireece um lugar de solidão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathalye Nallon Machado, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda em Educação, Mestrado em Educação, Graduada em Pedagogia, todos pela UFJF. Participou como Bolsista Capes do Programa Doutorado Sanduíche no Exterior, na Universidade de Barcelona. Atualmente é Coordenadora Pedagógica e Professora da Rede Municipal de Juiz de Fora.

Anderson Ferrari, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestrado em Educação pela UFJF e doutorado em Educação pela UNICAMP. Pós-doutorado pela Universidade de Barcelona, trabalhando com a relação entre Cultura Visual, Educação e Homossexualidades. Atualmente é professor adjunto de Ensino de História da Faculdade de Educação da UFJF. 

Referências

ALMEIDA, Rogério José. Obesidade nos corpos das mulheres e os olhares sobre os discursos medicalizantes. Tese de doutorado em Sociologia no Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, 2013.

CÉSAR, Maria Rita de Assis. (Des)educando corpos: volumes, comidas, desejos e a nova pedagogia alimentar. In: RAGO, Margareth & VEIGA-NETO, Alfredo (org.). Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

ELLSWORTH, Elizabeth. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Nunca fomos humanos – nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 07-76.

ERNEST-PEREIRA, Aracy. A construção do corpo através do discurso. Escatologias no espaço escolar. Universidade Católica de Pelotas, 2005.

FERRARI, Anderson & CASTRO, Roney Polato de. Política e Poética das imagens como processo educativo. Juiz de Fora: Editora da UFJF, 2012.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. O dispositivo pedagógico das mídias: modos de educar na (e pela) TV. Revista Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 28, n. 1, 2002.

FOUCAULT, Michel. Verdade e poder. In. FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

_______. A ordem do discurso – aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

_______. A História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GOELLNER. Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira Lopes et ali. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 2003.

HERNÁNDEZ, Fernando. Catadores da Cultura Visual – proposta para uma nova narrativa educacional. Porto Alegre: Editora Mediação, 2007.

HILST, Hilda. Do desejo (trechos). Disponível em http://www.releituras.com/hildahilst_desejo.asp. Acesso em; 28 mai. 2017.

________. Alcóolicas (trechos).Disponível em http://www.releituras.com/hildahilst_alcoolicas.asp. Acesso em; 28 mai. 2017.

KLEAIM, Luiz Claudio. Prefácio. In: RODRIGUES, Alexsandro; MONZETI, Gustavo Artur; FERREIRA, Sérgio Rodrigues da S. A política no corpo gênero e sexualidades em disputa. Vitória: EDUFES, 2016.

LOURO, Guacira Lopes. Conhecer, pesquisar, escrever... Revista Educação, Sociedade & Culturas. Porto Alegre, n. 25, 2007.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina- o sexismo na escola. Campinas, São Paulo: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1999.

PRECIOSA: uma história de esperança. Direção Lee Daniels. EUA: PlayArt, 2009. DVD.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

XAVIER, Ismail. Um Cinema que “Educa” é um Cinema que (nos) faz Pensar. Revista Educação & Realidade, v. 33, n. 1. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

Publicado
2019-12-29
Como Citar
Machado, N. N., & Ferrari, A. (2019). Sobre ser grande e não ser vista: a mulher que há em preciosa . Educação Em Perspectiva, 10, e019043. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i.8022