Formação docente

sentidos e discursos de professoras de educação infantil como portadoras de vez e voz

Palavras-chave: Professoras, Formação em serviço, Comunidades de sentido

Resumo

O presente texto tem como foco de discussão a formação continuada em serviço de professoras de Educação Infantil. Tendo como unidade de análise os modos de ser, sentir, agir e pensar de oito professoras, tem como objetivo analisar as comunidades de sentido construídas em rede interacional. Utilizando metodologicamente o trabalho com grupo focal e explorando categorias sociológicas como habitus e interdependência (ELIAS, 1994), tradição seletiva (WILLIAMS, 2000), identifica-se em notas de diário de campo, que as professoras pesquisadas manifestam modos de ser, sentir, agir e pensar, manifestos em quatro dimensões, estruturantes das comunidades de sentido: a contextual, a estrutural, a formativa e a afetivo-emocional. Essas comunidades de sentido são construídas e reproduzidas em redes de interdependência, compreendidas como associação de sujeitos que criam certo grau de coesão interna grupal, formada por memórias coletivas em torno de regras comuns, as quais, criando sentimentos de pertença a valores tratados como tradicionais, típicos, orientam suas ações no cotidiano, moldando dessa forma suas mentalidades e formando sistemas de significados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julice Dias, Universidade do Estado de Santa Catarina
Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Itajaí. Professora do Departamento de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina.     
Rosa Elisabete Militz Wypyczynski Martins, Universidade do Estado de Santa Catarina
Doutora em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo. Professora do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina.
Luiz Martins Junior, Universidade do Estado de Santa Catarina

Graduado em Pedagogia pela UNINTER e Geografia pela Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE, Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC e Doutorando em Educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Referências

AMBROSETTI, Neusa Banhara; ALMEIDA, Patrícia Albieri de. A constituição da profissionalidade de professoras de educação infantil. In: CORDEIRO, Aliciene Fusca Machado; HOBOLD, Márcia de Souza; AGUIAR, Maria Aparecida Lapa de (org.) Trabalho docente: formação, práticas e pesquisa. 1 ed. Joinville, SC: Editora Univille, 2010. p. 187-205.

BARBOUR, Rosaline. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2009a.

BRASIL. Lei n° 13.005, de 25 de junho 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE 2014-2024 e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília: DF, 2014.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, 1990.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF; MEC, 2009.

CASTRO, Joselma Salazar de; SCHLINDWEIN, Luciane Maria; DIAS, Julice. Escuta e dialogismo: contribuições da Filosofia de Mikhail Bakhtin. RELAdEI, Revista Latino Americana de Educación Infantil. Santiago de Compostela, v. 8, n. 1, p. 121-129, ago. 2019.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

DIAS, Julice. (Pré)-escola, cidade e famílias: produção de comunidades de sentido em cadeias ritualísticas de interação (1980-1999). 2009. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 1 ed. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

KRAMER, Sonia. Formação de profissionais de educação infantil: questões e tensões. In: MACHADO, Maria Lucia de A. (org.) Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez Editora, 2002. p. 117-132.

NÓVOA, António (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de; FERREIRA, Marisa Vasconcelos; BARROS, Joseane Aparecida Bomfim de. Formação continuada em educação infantil: a construção de uma agenda de possibilidades. In: GUIMARÃES, Célia Maria; REIS, Pedro Guilherme Rocha dos (org.). Professores e infâncias: estudos e experiências. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2011. p. 13-28.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 1998.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

Publicado
2020-06-09
Como Citar
Dias, J., Martins, R. E. M. W., & Martins Junior, L. (2020). Formação docente: sentidos e discursos de professoras de educação infantil como portadoras de vez e voz. Educação Em Perspectiva, 11, e020005. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v11i.8647