ANÁLISE DO IMPACTO DA PRODUÇÃO FLORESTAL NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AMBIENTAL DE MATO GROSSO DO SUL

Alexander Bruno Pegorare, Dany Rafael Fonseca Mendes, Paula Martin de Moraes, Reginaldo Brito da Costa, Michel Constantino

Resumo


O Brasil é o maior exportador de celulose do mundo, e a maior expansão do setor florestal brasileiro ocorreu em Mato Grosso do Sul, especialmente com relação à produção de celulose e papel. O desenvolvimento gerado pelo setor madeireiro, de florestas nativas e plantadas, pode ser visto como uma combinação de fatores internos e externos, com aplicação na cadeia produtiva. Nesse contexto, a presente pesquisa teve por objetivo avaliar o impacto da produção de produtos madeireiros de florestas nativas e plantadas no desenvolvimento econômico e ambiental do Estado de Mato Grosso do Sul, região Centro-Oeste do Brasil, entre 2000 e 2014. O procedimento metodológico consistiu em pesquisa exploratória sobre a atividade setorial, com o uso de
banco de dados secundários disponíveis nos sites do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para extração das variáveis econômicas e ambientais, aplicando-se modelos econométricos de regressão múltipla
com dados longitudinais. Os resultados mostraram externalidades positivas geradas pela produção de madeira plantada para o desenvolvimento econômico e, ainda, para o meio ambiente. A produção madeireira de florestas
nativas não apresentou impacto econômico, influenciando negativamente o meio ambiente. O impacto gerado pela liberdade econômica também foi analisado, ou seja, o grau de abertura comercial no setor, resultando choque positivo da política de atração de investimentos para o setor agroflorestal. As evidências empíricas e os modelos econométricos apresentados podem ser utilizados para auxiliar os policy-makers e produtores na tomada de decisões mais coerentes e sistêmicas, contribuindo para o setor no qual o Brasil é maior exportador
mundial. A pesquisa ainda contribui para uma lacuna na literatura, com estudos aplicados para as atividades produtivas da região Centro-Oeste do Brasil.


Palavras-chave


bioeconomia, econometria, florestas nativas e plantadas, modelagem, setor agroflorestal

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. C.; ROMEIRO, A. R. Degradação Ambiental e Teoria Econômica: Algumas Reflexões sobre a “Economia dos Ecossistemas”. Brasília: RevistaEconomia, v. 12, n. 1, p. 3-26, jan/abr de 2011.

BORHAN, H.; AHMED, E. M.; HITAM, M.The impact of CO2 on economic growth in ASEAN 8.Procedia-Social andBehavioralSciences, v. 35, p. 389-397, 2012.

DALCHIAVON, E. C.; DE MELLO, G. R. Produção do setor rural e o desenvolvimento socioeconômico: um estudo nos municípios paranaenses. Revista da FAE, v. 18, n. 1, p. 86-99, 2015.

DA SILVA COLUSSO, M. V.; PARRÉ, J. L.; ALMEIDA, E. S. Degradação Ambiental e Crescimento Econômico: A Curva De Kuznets Ambiental para o Cerrado. Revista de Economia e Agronegócio–REA, v. 10, n. 3, 2015.

DOS SANTOS, R. P.; RIBEIRO, A. R.; DE MENDONCA, K. V. Crescimento Econômico e Degradação da Qualidade do Ar: O Caso Brasileiro. Encontros Universitários da UFC, v. 1, p. 2680, 2017.

FÁVERO, L. P. et al. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FAO/IPCC. Expert meeting on land use, climate change and food security, Rome, Italy, 23-25 January 2017. Disponível em: http://www.ipcc.ch/pdf/supporting-material/EM_FAO_IPCC_report.pdf. Acesso em: abril de 2017.

FLORES, R. J. G. Teste da hipótese da curva de Kuznets ambiental para os países do BRICS. 2017. 143 f. Dissertação (Mestrado em Economia).Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2017.

GROSSMAN, G. M.; KRUEGER, A. B. Environmental Impacts of a North American Free TradeAgreement. USA: National Bureau of Economic Research, NBER Working Paper nº 3914, nov. 1991.

HERRERA, G. P.; LOURIVAL, R.; COSTA, R. B.; MENDES, D. R. F.; MOREIRA, T. B. S.; ABREU, U. G. P.; CONSTANTINO, M. Econometric analysis of income, productivity and diversification among smallholders in Brazil, Land Use Policy, Volume 76, 2018. Pages 455-459, https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2018.02.025.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: www.ibge.gov.br/sidra. Acesso em: abril de 2017.

IEA. Instituto de Economia Agrícola. Banco de dados. São Paulo: IEA. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/floresta/mercados2.php. Acesso em: abril de 2017.

IMASUL. Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul. Disponível em: Resoluções. http://www.imasul.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/74/2015/06/Manual-2015.pdf. Acesso em: abril de 2017.

KUDLAVICZ, M. Dinâmica agrária e a territorialização do complexo celulose/papel na microrregião de Três Lagoas/MS. 2011.177 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2011.

LELIS, L. R. M.; AVELINO JÚNIOR, F. J.Territorialização do Complexo Eucalipto-Celulose-Papel e Resistência Camponesa Em Três Lagoas-Ms. Caminhos de Geografia, v. 17, n. 58, p. 81-102, 2016.

LOPES, C. R.; MIRANDA, N. Desenvolvimento econômico de Três Lagoas/MS, desertos verdes e os cativeiros de papel. Revista de Estudos Jurídicos UNESP, Franca, ano19, n.30, p.1-18, ago-dez, 2015.

MARTINS, S. R. O. Trabalho escravo: sujeição ou escravidão? Multitemas, n. 3, 2016.

MDIC. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Balança Comercial: Unidades da Federação. Disponível em: http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-unidades-da-federacao. Acesso em: abril de 2017.

MOREL, B. L. G.; TRIACA, L. M.; DE SOUZA, O. T. Desenvolvimento econômico e a disposição de resíduos sólidos no Brasil: um teste da hipótese da Curva Ambiental de Kuznets (CKA) para os municípios brasileiros. Revista ESPACIOS,v. 37, n. 17, p. 22, 2016.

ORTIGOZA, F. S. S.; SENNA, R. J. Caracterização do segmento de florestas plantadas de eucalipto em Mato Grosso do Sul. Revista de Política Agrícola, v. 25, n. 2, p. 74-89, 2016.

PEREIRA, A. Precarização e (des) estruturação do trabalho nas carvoarias. Revista Pegada, v. 8, n. 2, 2012.

PERPETUA, G.M. A mobilidade espacial do capital e da força de trabalho na produção de celulose e papel: um estudo a partir de Três Lagoas (MS). 251p. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2012.

RAFTERY, A. E.; ZIMMER, A.; FRIERSON, D. M. W.; STARTZ, R.; LIU, P. Lessthan 2 ◦C warmingby 2100 unlikely. NATURE CLIMATE CHANGE, Springer Nature, 2017. https://www.nature.com/articles/nclimate3352

SEEG. Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Observatório do Clima. Disponível em: http://plataforma.seeg.eco.br/sectors/agropecuaria. Acesso em: abril de 2017.

SEMADE. Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico. Contas Regionais. Disponível em: http://www.semade.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/20/2016/12/PIB-Municipal-2010-2014-1.pdf. Acesso em: abril de 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN Online 2236-9724, ISSN Impresso 2317-5818, ISSN Cd rom 2178-5317