PROPAGAÇÃO DE GABIROBEIRAS VIA ESTAQUIA ASSOCIADA AO ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Laísse Danielle Pereira, Maraíza Lima Costa, Jefferson Fernando Naves Pinto, Hildeu Ferreira da Assunção, Edésio Fialho dos Reis, Danielle Fabíola Pereira da Silva

Resumo


Uma das ameaças ao cerrado é a exploração de certas espécies nativas, que tem sido feita de forma extrativista e muitas vezes predatória, tornando-se imprescindíveis ações no sentido de se fazer o cultivo
e domesticação destas espécies. Dentre as inúmeras frutíferas nativas que possuem alto potencial para exploração comercial, destaca-se a gabirobeira, que se encontra sob forte pressão devido ao impacto causado pela fragmentação das suas populações, seja pelo extrativismo inadequado, ou pela expansão das fronteiras agrícolas. O objetivo
deste trabalho foi avaliar o uso de ácido indolbutírico na sobrevivência, brotação e enraizamento de estacas de gabirobeira. Foram coletadas estacas lenhosas de gabirobeiras da coleção do banco de germoplasma de Campomanesia spp. da UFG-Regional Jataí. Utilizaram-se estacas das espécies Campomanesia adamantium e Campomanesia
pubescens segmentadas em ramos de 15 cm de comprimento contendo um par de folhas na parte apical e selecionadas as estacas que apresentavam diâmetro médio de 2,8 6 ± 1,29 cm. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado para cada espécie em estudo com 5 tratamentos e 4 repetições com 8 estacas/parcela. Os tratamentos foram compostos por 0, 800, 1600, 2400 e 3200 mg/L de Ácido indolbutírico (AIB). As estacas foram tratadas nas doses de Ácido indolbutírico (AIB), com 15 segundos de imersão. Após tratamento com AIB as estacas foram plantadas em bandejas de isopor com as bases perfuradas contendo como substrato areia lavada. Durante todo o período experimental foi utilizado o sistema de nebulização intermitente.
Sessenta dias após a instalação do experimento as estacas foram avaliadas, quanto a Brotação, sobrevivência das estacas, porcentagem de enraizamento e porcentagem de calejamento. O uso de AIB em estacas de gabirobeiras proporcionou maior percentagem de brotação bem como maior sobrevivência das estacas, porém não proveu
enraizamento.


Palavras-chave


Campomanesia adamantium, Campomanesia pubescens, fruteira nativa, cerrado, propagação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21206/rbas.v7i1.372

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN Online 2236-9724, ISSN Impresso 2317-5818, ISSN Cd rom 2178-5317