Manejo para a recuperação de forrageiras perenes estivais a danos por geada

Palavras-chave: ambiente controlado, frio, intensidade, tolerância, resiliência

Resumo

Na região sul do Brasil, é frequente a ocorrência de geadas no inverno. Este evento climático pode provocar a morte das plantas, ou de suas partes. Portanto, o objetivo com este trabalho foi avaliar os danos por geada em cinco espécies/cultivares de forrageiras perenes estivais (Capim Áries, Convert HD364, Capim Tangola, Jiggs e Missioneira-gigante), bem como a recuperação das plantas na estação subsequente após a remoção ou não da massa de forragem previamente a ocorrência das geadas. O trabalho foi conduzido na Universidade do Oeste de Santa Catarina. No experimento de campo, ocorreram duas geadas, a primeira com moderada intensidade (-2°C) e a segunda com baixa intensidade (-0,5°C). Plantas em vasos foram submetidas a geadas artificiais em câmara BOD, com intensidade de -2°C e -4°C. Previamente ao período de ocorrência de baixas temperaturas, perfilhos de cada cultivar foram marcados. Os danos nas folhas de cada perfilho foram avaliados sete dias após cada geada. O percentual de dano foi composto pelo dano médio das folhas de cada perfilho, avaliado de forma visual, sempre pelo mesmo avaliador. A espécie missioneira-gigante tem alta tolerância a geadas. Cultivares do gênero Brachiaria (Urochloa) apresentam reduzida tolerância a danos por geadas. Dentre as cultivares com boa tolerância a geadas estão a Jiggs e Áries, com ressalva a cultivares com hábito de crescimento cespitoso ereto, que podem apresentar dificuldades na cobertura de solo após a morte de plantas posterior a geadas severas. O manejo de remoção ou não da massa previamente a geada não impactou na população de perfilhos na estação subsequente. Mais trabalhos devem ser realizados em locais com maior frequência e intensidade de geadas para validar esta informação. A avaliação de danos por geadas em plantas forrageiras em ambiente controlado apresenta-se como alternativa viável para a definição de níveis de tolerância a este evento climático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, D.; MENDONÇA, M. Climatologia das geadas em Santa Catarina. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE DESASTRES NATURAIS, 2004. Anais... Florianópolis: GEDN/UFSC, 2004. (CD-ROM).

BATISTA, L.A.R.; GODOY, R. Caracterização Preliminar e Seleção de Germoplasma do Gênero Paspalum para Produção de Forragem. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 29, n.1, p.23-32, 2000.

CLEMENTS, B.; AYRES, L.; LANGFORD, C. et al. The Graziers Guide to Pastures, NSW Department of Primary Industries, Orange. 2003. In: Https://www.dpi.nsw.gov.au/__data/assets/pdf_file/0006/87270/graziers-guide-pastures-full-version.pdf (acessado em 15 de janeiro de 2019).

COIMBRA, C.H.G. Métodos de preparo de solo e semeadura de Panicum maximum cv. áries e o consórcio com forrageiras hibernais. Tese (Doutorado em ciências). Curitiba, PR: UFPR, 2016. 83p.

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO. Manual de calagem e adubação para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 11. ed. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, Núcleo Regional Sul, Comissão de Química e Fertilidade do Solo - RS/SC, 2016. 376p.

CORRIHER, V. A; REDMON, L. A. Bermudagrass Varieties, Hybrids, and Blends for Texas. 2011. In: Https://agrilifecdn.tamu.edu/overton/files/2012/08/Bermudagrass.pdf (acessado em 05 de Fevereiro de 2019).

DALMAGO, G.A.; CUNHA, G.R.; SANTI, A. et al. Aclimatação ao frio e dano por geada em canola. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.45, n.9, p.933-943, 2010.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999. 412p.

HANISCH, A.L.; DALGALLO, D. ALMEIDA, E.X. et al. Desempenho e composição química de missioneira-gigante cultivada em sistema silvipastoril tradicional em duas alturas de pastejo. Revista de Ciências Agrárias, v.59, n.4, p.345-351, 2016.

JOCHIMS, F. SILVA, A.W.L.; PORTES, V.M. Espécies forrageiras mais utilizadas em pastagens na Região Oeste de Santa Catarina. Agropecuária Catarinense, v.30, n.3, p.15-18, 2017.

MELO-ABREU, J.P.; RIBEIRO, A.C. Os danos de geada: conceitos, mecanismos e modelos de simulação. In: FIGUEIREDO, T.; RIBEIRO, L.F.; RIBEIRO, A.C.; FERNANDES, L.F. Clima e Recursos Naturais. Bragança: Instituto Politécnico, 2010. p.141-166.

PEREIRA, A R., ANGELOCCI, L.R., SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba: Livraria e Editora Agropecuária, 2002. 478p.

RIBEIRO, T.B.; LIMA, W.M.; RIBEIRO, F.M. et al. Características forrageiras de algumas gramíneas do gênero Brachiaria - Revisão de literatura. Nutritime Revista Eletrônica, v.13, n.4, p.4773-4780, 2016.

RICCE, W.S.; MASSIGNAM, A.M.; PANDOLFO, C. et al. Análise climática de julho de 2015 a junho de 2016 para o Estado de Santa Catarina. In: EPAGRI/CEPA. Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina 2015 - 2016. Florianópolis: CEPA, 2016. p.167-173.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão. Xanxerê: Caracterização regional. 2003. In: http://docweb.epagri.sc.gov.br/website_cepa/publicacoes/diagnostico/XANXERE.pdf. (acessado em 17 de janeiro de 2019).

SCHEEREN, P.L. Danos de geada em trigo: avaliação preliminar de cultivares. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.17, n.6, p.853-858, 1982.

SENTELHAS, P.C.; ORTOLANI, A.A.; PEZZOPANE, J.R.M. Estimativa da temperatura mínima de relva e da diferença de temperatura entre o abrigo e a relva em noites de geada. Bracatinga, v.54, n.2, p.437-445, 1995.

SILVA, E.P. CUNHA, G.R.; PIRES, J.L.F. et al. Fatores abióticos envolvidos na tolerância de trigo à geada. Pesquisa agropecuária brasileira, v.43, n.10, p.1257-1265, 2008.

SILVA, J.G.; SENTELHAS, P.C. Diferença de temperatura mínima do ar medida no abrigo e na relva e probabilidade de sua ocorrência em eventos de geada no Estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v.9, n.1, p.9-15, 2001.

SILVEIRA, M.C.T.; PERES, N.B. Informações sobre plantas forrageiras C4 para cultivo em condições de deficiência de drenagem e tolerância a frio. Embrapa Pecuária Sul: Bagé, 2014. 36p. (Documentos / Embrapa Pecuária Sul, ISSN 1982-5390; 128).

SNYDER, R.L.; MELO-ABREU, J.P. Frost protection: fundamentals, practive and economics. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2005. 240p.

VIEIRA JUNIOR, N.A.; CARAMORI, P.H.; SILVA, M.A.A. et al. Minimum temperature differences between the meteorological screen and grass in radiative frost nights. Semina: Ciências Agrárias, v.39, n.6, p.2337-2350, 2018.

VILELA, D.; ALVIM, M. J. Produção de leite em pastagem de Cynodon dactylon. In: WORKSHOP SOBRE O POTENCIAL FORRAGEIRO DO GÊNERO CYNODON, 1996, Juiz de Fora. Anais... Juiz de Fora: Embrapa-CNPGL, 1996. p.77-91.

WENDT, W.; ROSA, O.S. Avaliação preliminar do efeito da geada sobre a fertilidade de espiga em trigo (Triticum aestivum L.), sob condições controladas. In: MOTA, F.S. da. (Ed.) Agrometeorologia do trigo no Brasil. Campinas: Sociedade Brasileira de Agrometeorologia, 1989. p.87-94.

Publicado
2019-11-24
Como Citar
Krahl, G., & Marocco, D. H. (2019). Manejo para a recuperação de forrageiras perenes estivais a danos por geada. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 9(3). https://doi.org/10.21206/rbas.v9i3.8144
Seção
Artigos