A RELEVÂNCIA DO SETOR AGROPECUÁRIO PARA A DINÂMICA DA INFLAÇÃO: UMA ANÁLISE PARA O CENÁRIO ECONÔMICO ATUAL

Resumo

O período recente foi marcado pelo desempenho expressivo do setor agropecuário e por uma tendência de queda dos níveis de inflação, sendo que ambos os movimentos se intensificaram no ano de 2017. O objetivo deste estudo é fazer uma avaliação inicial, a respeito do quanto o setor agropecuário pode ter contribuído para a redução do nível da inflação verificada recentemente. Para tanto, será construída e estimada uma curva de Phillips, nos moldes da formulação Novo Keynesiana, utilizada pelo Banco Central do Brasil. O método de estimação empregado será o de Autorregressão Vetorial com Correção de Erro (VEC) na sua versão estrutural. Os resultados obtidos mostram que em alguma medida o bom desempenho recente do setor agropecuário está contribuindo para refrear os níveis de preço da economia no período recente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, L. R. A.; BACCHI, M. R. P. Oferta de exportação de açúcar do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v.42, n.1. p. 10-33. 2004.

AREOSA, W. D.; MEDEIROS, M. Inflation dynamics in Brazil: The case of a small open economy. Brazilian Review of Econometrics,v. 27, n.1, p.131-166. 2007.

ARRUDA, E. F., FERREIRA, R. T.; CASTELAR, I. Modelos lineares e não lineares da curva de Phillips para previsão da taxa de inflação no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.65, n.3. p. 237- 252. 2011.

BARROS, G. S. C. Agronegócio e a queda da inflação. Opinião Cepea, Piracicaba, 2017. Disponível em:< http://www.cepea.esalq.usp.br/br/opiniao-cepea/agronegocio-e-a-queda-da-inflacao.aspx>. Acesso em: 12 jul. 2017.

BACCHI, M. R. P. Formação de preços no setor sucroalccoleiro da região centro-sul do Brasil: relação com o mercado de combustível fóssil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 33., 2005, Natal. Anais... Natal: ANPEC, 2005.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Histórico de metas. 2017a.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Relatório de Inflação. v.19,n.2, p.1-64, Brasília, Junho de 2017.2017b.

BANCO CENTRAL DO BRASIL- BACEN. Sistema gerenciador de séries temporais. 2017 Disponível em:< https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do? method=prepararTelaLocalizarSeries>. Acesso em: 01 jun. 2017.
.
BARROS, G.S. C. Medindo o crescimento do agronegócio: bonança externa e preços relativos. In: Vieira Fo., J.E.R., J.G. Gasques (org.) Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade. Brasília, Ipea. p. 220-249. 2016.

BARROS, G. S. C.; CASTRO, N. R. Produto interno bruto do agronegócio e a crise brasileira. Revista de Economia e Agronegócio. v.15, n.2. 2017.

BERNANKE, B.S. ; MISHKIN, F.S. Inflation targent: A new framework for monetary policy? Working paper 5893. National Bureau of Economic Research. Cambridge. Janeiro de 1997. Disponível em: < http://www.nber.org/papers/w5893>. Acesso em: 02 jun. 2017.

BLANCHARD, O.; GALI, J. Real Wage Rigidities and the New
Keynesian Model. NBER Working Paper n. 11806, Cambridge. Set. 2005. Disponível em:< http://www.nber.org/papers/w11806.pdf>. Acesso em: 28 de maio 2017.

BOGDANSKI, J.; TOMBINI, A. A.; WERLANG, S. R. C. Implementing inflation targenting in Brazil.Working paper series. julho de 2000.

BRUGNARO, R.; BACHA, C. J. C. Análise da participação da agropecuária no PIB do Brasil de 1986 a 2004. Estudos Econômicos, São Paulo, v.39, n.1. p.127-159, 2009.

CARRARA, A. F.; BARROS, G. S. C. A influência do preço dos hortifrutícolas no IPCA: uma análise por meio da curva de Phillips. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 54, n.4, p.751-770, 2017.

DICKEY, D. FULLER, W. Likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica, Oxford, v.49, n.4, p.1057-1072, 1981.

ELLIOT, G.; ROTHENBERG, T.J.; STOCK, J. H. Efficient test for an autoregressive unit root. Econometrica, Oxford, v.64, n.4, p.813-836, jul. 1996.

ENDERS, W. Applied Econometric time series. 460p. 2ed. 2004.

FRAGA NETO, A. Dez anos de metas para a inflação. 2009. In:Banco Central do Brasil.2011. In: Banco Central do Brasil: Dez anos de metas para inflação 1999-2009. Brasília: Banco Central do Brasil, 2011, 456p.

FREITAS, R. E. A agropecuária na balança comercial brasileira. Política agrícola, n.2, 2014.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL. Prices & Forecasts. Disponível em:< http://www.imf.org/external/np/res/commod/index.aspx>. Acesso em: 02 jul. 2017.

FURTUOSO, M. C. O. e GUILHOTO, J. J. M. Estimativa e mensuração do produto interno bruto do agronegócio da economia brasileira, 1994 a 2000. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 41, n. 4, p. 803-8027. 2003.

GASQUES, J. G.; REZENDE, G. C.; VILLA VERDE, C. M.; SALERNO, M. S.; CONCEIÇÃO, J. C. P. R.; CARVALHO, J. C. S. Desempenho e crescimento do agronegócio no Brasil. Texto para discussão n.1009, Brasilia, IPEA 2004.

GOODFRIED, M. ; KING, R.G. The new neoclassical synthesis and the role of monetary policy.1997. In: BERNANKE, B. S. ; ROTEMBERG, J. NBER Macroeconomics Annual 1997. MIT Press v. 12, Jan. 1997. p.231-296.

HATANAKA, M. Time Series Based Econometrics: Unit Roots and Co-Integrations. New York: Oxford University Press, 1996. 306p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA – IBGE. Agropecuária. 2018. Disponível em:< https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/default.shtm> Acesso em 20 fev. 2018.

______ Contas Nacionais Trimestrais: Indicadores de Volume e Valores Correntes - Indicadores IBGE - out./dez. 2016, 2016.

______ Contas Nacionais Trimestrais: Indicadores de Volume e Valores Correntes - Indicadores IBGE – jan./mar.2017, 2017a.

______ Contas Nacionais Trimestrais: Indicadores de Volume e Valores Correntes - Indicadores IBGE – out./dez.2017, 2017b.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA-IPEADATA. 2018.

JOHANSEN, S. Statistical analysis of cointegration vestors. Journal of Economic Dynamics and Control, v.12, p.231-254. North-Holland. 1988.

KWIATKOWSKI, D. ; PHILLIPS, P.C.B. ; SCHMIDT, P. ; SHIN, Y. Testing the null hypothesis of stationary against the alternative of a unit root. Journal of Econometrics, North-Holland v.54, p.159-178, 1992.

LIMA, E. J. A. ; ARAUJO,F.; SILVA, J. R. da C. Previsão e modelos macroeconômicos no Banco Central do Brasil. In:Banco Central do Brasil.2011. In: Banco Central do Brasil: Dez anos de metas para inflação 1999-2009. Brasília: Banco Central do Brasil, 2011, 456p.

MADDALA, G. S.; KIM, I. M. Units Roots, Cointegration and Structural Change. Cambridge: MacGraw – Hill, 1998. 505 p.

MANKIW, N. G. Price dynamics: Three open questions. Comments presented at Federal Reserve Conference. Harvard University. Set. 2005. Disponível em:< http://www.jstor.org/stable/4123062>. Acesso em: 20 de maio 2017.

MAZALI, A. A.; DIVINO, J. A. Real wage rigidity and the New Phillips curve: The Brazilian case. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v.654, n.3, p.291-306, 2010.

MEIRELLES, H. C. Pronunciamento no encerramento do XI Seminário Anual de Metas para a inflação. 2009. In: Banco Central do Brasil. Dez anos de metas para inflação 1999-2009. Brasília: Banco Central do Brasil, 2011, 456p.

MENDONÇA, M. J. C.; SACHSIDA, A. MEDRANO, L. A. T. Inflação versus desemprego: novas evidências para o Brasil. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v.16, n.3, p. 475-500. 2012.

ONO, G. S. Analise do impacto dos preços das commodities sobre a inflação no Brasil. 2014.46 p. (Dissertação em economia). Fundação Getúlio Vargas. Escola de Economia de São Paulo. São Paulo. 2014.

OSTERWALD - LENUM, M. A note with quantiles of the asymptotic distribution of the maximum likehood cointegration rank test statistics. Oxford Bulletin of Economics and Statistics. v.54, n.3. p. 461-472. Ago. 1992.

OLIVEIRA, L.; FEIJÓ, F. T. Curva de Phillips com mudança de regime markoviano: Uma análise da economia brasileira para o período 1995-2014.XLIII Encontro Nacional de Economia, Florianópolis, 8 a11 de dezembro de 2015.

SCHWARTZMAN, F. F. Estimativa de curva de Phillips para o Brasil com preços desagregados. Economia Aplicada. v.10, n.1, p.137-155, 2006.

SILVA, C. J. C.; VIANA, A. P. C.; TERRA, F. H. B. Uma leitura Pós - Keynesiana da dinâmica de preços e da política monetária do Brasil Pós - Metas de inflação: Uma análise por Vetores Autoregressivos. Revista Economia Ensaios, Uberlândia, n.29, p.135-160.
Publicado
2020-07-21
Como Citar
Carrara, A. F., & Barros, G. S. de C. (2020). A RELEVÂNCIA DO SETOR AGROPECUÁRIO PARA A DINÂMICA DA INFLAÇÃO: UMA ANÁLISE PARA O CENÁRIO ECONÔMICO ATUAL. Revista De Economia E Agronegócio, 18(1), 1-25. https://doi.org/10.25070/rea.v18i1.7933
Seção
Artigos