DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE PROGÊNIES DE MILHO NA REGIÃO CENTRO-SUL DO ESTADO DO TOCANTINS

  • Marilene Alves Ramos Dias Fundação Universidade Federal do Tocantins
  • Aurélio Vaz de Melo Fundação Universidade Federal do Tocantins
  • Valdere Martins dos Santos Fundação Universidade Federal do Tocantins
  • Diogo Pereira da Silva Santos Fundação Universidade Federal do Tocantins
  • Helber Veras Nunes Instituto Federal do Tocantins
Palavras-chave: Meio-Irmãos, melhoramento genético, variabilidade

Resumo

Na maioria das áreas cultivadas com milho, a ocorrência de seca ou períodos de estresse hídrico são fatores abióticos causadores de substanciais reduções na produtividade e mesmo em anos regulares de precipitação pluvial observam-se, normalmente, perdas na produção em virtude de períodos de estiagem denominados veranicos. Assim, objetivou-se com o presente trabalho quantificar a variabilidade genética de progênies de meio-irmãos de milho; promover o agrupamento das progênies em função da dissimilaridade genética; identificar as combinações promissoras à recombinação e/ou seleção de progênies e/ou extrações de linhagens promissoras ao melhoramento genético de milho nas condições edafoclimáticas do Tocantins. Foram consideradas as características altura de plantas; altura de espiga; plantas quebradas; plantas acamadas; peso de espiga sem palha; peso de espiga com palha; comprimento de espiga; diâmetro de espiga; número de fileiras; número de grãos por fileira e produtividade. Os resultados indicaram a presença de variabilidade genética em todas as características, bem como alta correlação entre as mesmas. A produtividade de grãos é a característica que mais contribui na dissimilaridade genética entre as 132 progênies.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-19
Como Citar
Dias, M. A. R., Melo, A. V. de, Santos, V. M. dos, Santos, D. P. da S., & Nunes, H. V. (2018). DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE PROGÊNIES DE MILHO NA REGIÃO CENTRO-SUL DO ESTADO DO TOCANTINS. REVISTA ENGENHARIA NA AGRICULTURA - REVENG, 26(6), 483-496. https://doi.org/10.13083/reveng.v26i6.726
Seção
Armazenamento e Processamento de Produtos Agrícolas