MODELAGEM MATEMÁTICA DAS CURVAS DE SECAGEM DE SEMENTES DE DUAS ESPÉCIES DE ANDIROBA

  • Andreza Pereira Mendonça Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia, Campus Ji-Paraná
  • Luzia Marcia de Melo Silva Instituto Federal de Alagoas - Campus Murici
  • Francinalva Cordeiro de Sousa INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS, Campus Murici
  • Jeyciane Rosa da Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia, Instituto Federal de Rondônia - Campus Ji-Paraná
  • Jhonatas Cortes Rosa Universidade Federal de Rondônia
Palavras-chave: Transferência de calor e massa, Óleo vegetal, Secagem, Pós-colheita, Carapa sp.

Resumo

A quantidade de óleo extraível das sementes de andiroba é diretamente influenciada pelo seu teor de água. Dessa forma, conhecer a cinética de secagem de sementes de andiroba é de suma importância no processo de otimização de sua prensagem e na qualidade físico-química do óleo produzido. Nesse aspecto, o objetivo deste trabalho foi descrever a cinética de secagem das sementes de duas espécies de andiroba (Carapa surinamensis e Carapa guianensis) usando estufa de ventilação forçada de ar a 40, 50 e 60 oC, ajustando os dados experimentais a seis modelos matemáticos. Os resultados mostraram que o teor de água de equilíbrio variou entre 5,32 a 2,70% b.u. e 5,35 a 2,84% b.u. para as sementes de C. surinamensis e C. guianensis, respectivamente. O teor de água e o tempo de secagem das sementes da C. surinamensis foram menores comparados à C. guianensis, nas três temperaturas avaliadas. O modelo Logarítmico foi o que representou de forma eficiente as curvas de secagem para as diferentes temperaturas, além de ser de fácil aplicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreza Pereira Mendonça, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia, Campus Ji-Paraná
Possui graduação em Engenharia Florestal pelo Instituto de Tecnologia da Amazônia(2002), mestrado em Desenvolvimento Regional pela Universidade Federal do Amazonas(2004) e doutorado em Ciências de Florestas Tropicais pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia(2015). Atualmente é Professora do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia e da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal. Atuando principalmente nos seguintes temas:sementes oleaginosas, modelos matemáticos, qualidade do óleo vegetal, extração por prensa.
Luzia Marcia de Melo Silva, Instituto Federal de Alagoas - Campus Murici
Doutora em Engenharia Agrícola na área de Processamento e Armazenamento de Produtos Agrícolas - Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - PB; Pós-Graduada do Curso de Especialização em Ensino de Química pela Universidade Regional do Cariri - URCA; Graduada em Tecnologia de Alimentos pelo Instituto Centro de Ensino Tecnológico - Centec Cariri e Pedagogia pela Universidade Regional do Cariri - URCA. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Ciência de Alimentos, atuando principalmente nos seguintes temas: Controle de Qualidade, Química de Alimentos e Processamento de Alimentos de Origem Animal e Vegetal.
Francinalva Cordeiro de Sousa, INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS, Campus Murici
Doutora e Mestre em Engenharia Agrícola na Área de Armazenamento e Processamento de Produtos Agrícolas- UFCG. Especialista em Ensino de Química pela Universidade Regional do Cariri- URCA.Graduada em Tecnologia de Alimentos, pelo Instituto Centro de Ensino Tecnológico Centec - Fatec - Cariri, com Registro no Conselho Regional de Química - CRQ
Jeyciane Rosa da Silva, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia, Instituto Federal de Rondônia - Campus Ji-Paraná
Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química, atuando principalmente no seguinte tema: Química dos Produtos Naturais, Bioquímica e Ensino de Química
Jhonatas Cortes Rosa, Universidade Federal de Rondônia
Mestrando em Ciências Ambientais pela Universidade Federal de Rondônia, Engenheiro Agronomo pela Universidade Luterana do Brasil campus Ji-Paraná - RO. Atuando na áreade produtos não madeireiros e produção de mudas florestais no Instituto Federal de Rondônia, campus de Ji-Paraná
Publicado
2019-07-25
Como Citar
Mendonça, A. P., Silva, L. M. de M., Sousa, F. C. de, Silva, J. R. da, & Rosa, J. C. (2019). MODELAGEM MATEMÁTICA DAS CURVAS DE SECAGEM DE SEMENTES DE DUAS ESPÉCIES DE ANDIROBA. REVISTA ENGENHARIA NA AGRICULTURA - REVENG, 27(4), 293-303. https://doi.org/10.13083/reveng.v27i4.888
Seção
Armazenamento e Processamento de Produtos Agrícolas