Relações entre direito e tecnologia no século XXI

Palavras-chave: Direito e tecnologia, Inteligência Artificial, Poder e sociabilidade

Resumo

Situado no campo da Ciência, Tecnologia e Sociedade e do Direito, o objetivo geral do texto é aventar um novo índice de poder, na base material tecnológica desenvolvida com o incremento da Inteligência Artificial (IA). O texto propicia a discussão sobre Direito e tecnologia enquanto imbricados e a necessidade de funções emancipatórias no manejo da Inteligência Artificial (IA), sob pena de tornar-se em atualização do totalitarismo. Pelo método hipotético dedutivo são trabalhadas conjunturas e pelo levantamento bibliográfico é possível concluir que o distanciamento dos aspectos humanistas pode levar ao manejo da tecnologia com fins deletérios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinício Carrilho Martinez, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
Pós-Doutor em Direito e em Ciência Política. Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/CECH.
Vinícius Alves Scherch, Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP
Mestre em Ciência Jurídica pela Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALARCÓN, Pietro de Jesús. Ciência política, Estado e direito público: uma introdução ao direito público da contemporaneidade. São Paulo: Verbatim, 2014.

ARISTÓTELES. A política. Tradução de Nestor Silveira Chaves. Coleção fundamentos da filosofia. São Paulo: Ícone, 2007.

ASIMOV, Isaac. O homem bicentenário. Porto Alegre: L&PM, 1997.

ASIMOV, Isaac. Eu Robô. São Paulo: Ediouro, 2004.

BACON, Francis. Novum Organum & Nova Atlântida. São Paulo: Nova Cultural, 2005.

BAUDRILLARD, J. A transparência do mal: ensaio sobre os fenômenos extremos. Campinas-SP: Papirus, 1990.

BAUMAN, Zygmunt. Vigilância Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas – Magia e Técnica, Arte e Política. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BLACK, Edwin. IBM e o holocausto. 3 ed. São Paulo: Campus, 2006.

BONAPARTE, Napoleão. Manual do Líder. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2010.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Constituição dirigente e vinculação do legislador. Coimbra: Coimbra ed., 1994.

DANTE ALIGUIERI. A Divina Comédia – Inferno. São Paulo: Editora 34, 1998.

DELEUZE, Gilles. Conversações, 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1995.

DELEUZE, Gilles. Conversações, 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DELEUZE, Gilles. O atual e o virtual. IN: ALLIEZ, Eric. Deleuze filosofia virtual. São Paulo Editora 34, 1996.

ECO, Umberto. Não contem com o fim do livro. Rio de Janeiro: Record, 2010.

ÉSQUILO. Prometeu Agrilhoado. Lisboa: Edições 70, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de direito constitucional. 9. ed. Salvador: JusPODIVM, 2017.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GELI, Carles. Byung-Chul Han: “Hoje o indivíduo se explora e acredita que isso é realização”. EL PAÍS, 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/07/cultura/1517989873_086219.html. Acesso em: 08 ago. 2018.

GIBSON, W. Neuromancer. São Paulo: Aleph, 2003.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1991.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto Zero. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 2001.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. 5ª Ed. Rio de Janeiro Record, 2003.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do império. São Paulo: Record, 2005.

HESSE, Konrad. A força normativa da constituição. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1991.

KAFKA, Franz. O Processo. 9ª Reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

KAFKA, Franz. A metamorfose. 18ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

KAFKA, Franz. Um artista da fome - A Construção. 2ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

LA BOETIE, E. Discurso sobre a servidão voluntária. Lisboa-Portugal: Edições Antígona, 1986.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.

MARX, Karl. A origem do capital: a acumulação primitiva. 2ª. Edição. São Paulo: Global Editora, 1977.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Abril Cultural. 1978.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Boitempo Editorial; Editora da UNICAMP: São Paulo: Campinas, 2002.

PINTO, Álvaro Vieira. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008

PISIER, Evelyne. História das Idéias Políticas. Barueri: São Paulo, 2004.

RAMONET, Ignacio. El Imperio de la Vigilancia. Madrid: Clave Intelectual, 2016.

Publicado
2020-04-01
Como Citar
Martinez, V. C., & Scherch, V. A. (2020). Relações entre direito e tecnologia no século XXI. Revista De Direito, 12(01), 01-23. https://doi.org/10.32361/202012019047
Seção
Artigos