O USO DO DICIONÁRIO ONLINE BILÍNGUE POR TRADUTORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA-LIBRAS NO ENSINO SUPERIOR. DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

Resumo

A entrada do profissional Tradutor e Intérprete de Libras e Língua Portuguesa (TILSP) no contexto educacional reflexo da guinada teórico metodológica que demanda a priorização da Libras na educação de Surdos (QUADROS, 2005). Nesta perspectiva, este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa sobre acessibilidade e inclusão no ensino superior, realizada com dois profissionais TILSP que atuam em uma Instituição de Ensino Superior (IES) da Zona da Mata Mineira. Os dados foram coletados a partir de análise da Interação Humano Computador (IHC), envolvendo os TILSP e suas experiências de usabilidade do Dicionário online bilíngue de Libras/Português. O contato com os colaboradores apoiou o desenvolvimento da pesquisa e trouxe discussões sobre a atuação dos TILSP usufruindo do Dicionário como ferramenta para o trabalho de tradução e interpretação. Os resultados e análise dos dados demonstraram a viabilidade do uso do Dicionário pelos profissionais especificamente, após o acréscimo de sinais de áreas científicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cíntia Kelly Inês Freitas, Universidade Federal de Viçosa

Departamento de Letras

Mestranda em Linguística Aplicada

Ana Luisa Borba Gediel, Universidade Federal de Viçosa

Departamento de Letras

Professora da Graduação e Pós-Graduação em Letras

Referências

AUTOR. 2010.

AUTOR. 2010.

AUTOR. 2015.

CÁCERES, G.H. Políticas linguísticas em uma escola pública de ensino médio e tecnológico: a oferta de línguas estrangeiras. Trab. Ling. Aplic. [online], Campinas, v. 53, n. 1, p. 103-129, jan./jun. 2014. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/tla/v53n1/v53n1a06.pdf> Acesso em: 10 out. 2018

CAPOVILLA, F. C. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilingüismo. In: Revista brasileira de educação especial, In: revista@abpee.net , São Paulo, v. 6, p. 99-113, , 2000.

CARNEIRO, R.F; PASSOS, C L. B. A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas aulas de Matemática: Limites e possibilidades. Carneiro RF, Passos CLB. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 2, p. 101-119, 2014.

OLIVEIRA, R. C de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia (USP), vol. 39, nº 1, São Paulo, 1996, p.13-37.

CASTILHO, E. W. V. D. (2006). O papel da escola para a educação inclusiva. Justiça, Cidadania e Democracia. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 97-106.

CARVALHO, A. G. (Org.). Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB,2011. Disponívelem:http://books.scielo.org/id/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247-04.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2018.

DINIZ, BARBOSA & SANTOS. Deficiência, direitos humanos e justiça. Revista Internacional de Direitos Humanos – SUR, v. 6, n. 11, p. 65-77, dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sur/v6n11/04.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2018.

DINIZ, Debora. MODELO SOCIAL DA DEFICIÊNCIA: A CRÍTICA FEMINISTA. Letras Livres. Série Anis 28, Brasília, 1-8, julho, 2003

DINIZ, D. O Que É Deficiência? São Paulo: Brasiliense, 2007.

FÁVERO, E. A. G. O direito das pessoas com deficiência à educação. Disponível em: <http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/15675-15676-1-PB.pdf>. Acesso em: 09 nov. 2017 2.

FLEURI, R. M. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Educ. Soc., Campinas, v.27, n.95, maio/ago. 2006. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>.Acesso em: 11 Abril de 2017.

FREITAS, A.L P de.; MACHADO, Z. F. Noções fundamentais: A organização da tomada de turnos na fala-em-interação. In: LODER, L.L. JUNG, N.M. (Orgs). Fala-em-interação social: Introdução à análise da conversa etnometodológica. São Paulo: Mercado de Letras, 2008. P,59-93.

GARCIA, J.C.D; FILHO, T.A.G. Pesquisa Nacional de Tecnologia Assistiva. São Paulo: ITS BRASIL/MCTI-SECIS, 2012. 68 p. 2013.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro Editora, 2005.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo : Parábola Editorial, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991, p. 121-125.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa - Tipos Fundamentais. 1995, Revista de Administração de Empresas/EAESP/FG, v.35, n.3, mai./jun., 1995, p. 20-29.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

ITS BRASIL (Instituto de Tecnologia Social ). Pesquisa Nacional de Tecnologia Assistiva. São Paulo: ITS BRASIL/MCTI-SECIS, 2012, p. 68.

JERÓNIMO, P. Direito das minorias. Coimbra Editora. 2007.

KARNOPP, L. Fonética e Fonologia. Florianópolis: UFSC, 2006. [Educação a Distância]. Disponível em: <http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoBasica/foneticaEFonologia/assets/359/FoneticaFonologia_TextoBase.pdf> Acesso em: 18 de jul. de 2018.

LACERDA, C. B. F.; CAPORALI, S. A.; LODI, A. C. Questões preliminares sobre o ensino de língua de sinais a ouvintes: reflexões sobre a prática. Distúrbios da Comunicação, v. 16(1), p. 53-63, abril. 2004.

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

LIVIANU, R. Justiça, cidadania e democracia [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social. 2009.

MAGNANI, J.G.C. “Vai ter música? ”: para uma antropologia das festas juninas de Surdos na cidade de São Paulo. Revista Ponto Urbe, São Paulo, n.1, p.1-24, 2007.

MIZRAHI, S.E; CICERO, J.R. A tecnologia assistiva para promoção da aprendizagem e inclusão social do aluno com deficiência. Revista Benjamin Constant, edição especial,p.54-70, 2016. Disponível em: <http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2016/edicao-especial-05-novembro/bc-ed-especial2016.pdf.> Acesso em: 12 de abril de 2018.

MOLAR, J. de O. Alteridade: uma noção em construção. Revista NUPEM, Curitiba, v. 3, n.5,p.61-72,2011.Disponível em: http://www.fecilcam.br/revista/index.php/nupem/article/viewFile/59/42. Acesso em: 12 de abril de 2018.

MORAN, J. A integração das tecnologias na educação. In: MORAN, José. A Educação ‘que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5a Ed. Campinas: Papirus, 2013.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro:

Vozes, 2001.

MORAN, J. A integração das tecnologias na educação. In: MORAN, J. A Educação ‘que

desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5a Ed. Campinas: Papirus, 2013.

MOROSOV, K. Tecnologias da Informação e Comunicação e formação de professor: sobre rede e escolas. Educ. Soc., Campinas, vol. 29, n. 104 - Especial, p. 747-768, out. 2008.

MONTEIRO, M.S. História dos movimentos dos Surdos e o reconhecimento da Libras no Brasil. In: ETD-Educação Temática Digital 7 (2006), 2, pp. 295-305. Disponível em: <https://www.ssoar.info/ssoar/bitstream/handle/document/10178/ssoar-etd-2006-2-monteiro-historia_dos_movimentos_dos_Surdos.pdf?sequence=1> Acesso em: 10 mai. de 2018.

NIELSEN, Jakob. Usability engineering. Boston, MA: Academic Press, 1993. 362p

OBREGON, R. de F. A. et al. AVA Inclusivo: recomendações para design instrucional na perspectiva da alteridade. São Paulo: Pimenta Cultural, 2015. 236 p.

PAIVA, F. A. S.; DE MARTINO, J. M.; BARBOSA, P. A.; BENETTI, Â.; SILVA, I. R.. Um Sistema De Transcrição Para Língua De Sinais Brasileira: O Caso De Um Avatar. Revista do GEL, v. 13, p. 12- 48, 2016

PEREIRA, F. Avaliação de usabilidade em bibliotecas digitais : um estudo de caso. 2011. 122f. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. 2011.

PRATES, R.O; BARBOSA, S.D.J. Introdução à Teoria e Prática da Interação Humano-Computador fundamentada na Engenharia Semiótica. In: KOWALTOWSKI, T. & BREITMAN, K. (orgs.) Jornadas de Atualização em Informática, JAI 2007, p. 263-326

QUADROS, R. M. de. O bi do bilinguismo na educação de Surdos. In: ___. Surdez e bilingüismo. 1 ed. Porto Alegre: Editora Mediação, , v.1, p. 26-36. 2005.

QUADROS, R. M. de. O tradutor e intérprete de língua de sinais e língua portuguesa. Secretaria de Educação de Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

QUADROS, Ronice Muller de. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

RAJAGOPLAN, K. Política linguística: do que se trata, afinal? In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K.A.; TILIO, R.; ROCHA, C.H. (Orgs). Política e Políticas linguísticas. Campinas: Pontes/ALAB, p. 19-42, 2013.

RAMOS, S. Tecnologias de Informação e Comunicação. (2008). Disponível em: <http://livre.fornece.info/media/download_gallery/recursos/conceitos_basicos/TICConceitos_Ba sicos_SR_Out_2008.pdf >Acesso em: 11 dez. 2016.

ROCHA, H.V. da; BARANAUSKAS, M.C.C. Design e Avaliação de Interfaces Humano-Computador. São Paulo: Editora Unicamp, [Capítulo 1: O que é interação/interface humano-computador”, p.1-45 e Capítulo 3: “Paradigmas da comunicação humano-computador e design de interfaces”, p.101-157]. 2003.

SANTOS, N. de. A. A utilização da técnica de prototipação no desenvolvimento de sistemas de informações contábeis. ResearchGate. 2004.

SANTOS, S.A dos. Cad. A implementação do Serviço de Tradução e Interpretação de Libras-Português nas Universidades Federais. Cadernos de Tradução. Florianópolis, v. 35, nº especial 2, p. 113-148,out. 2015.

SANTOS, E.O. Articulação de saberes na EAD on-line: por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimentos em ambientes virtuais de aprendizagem. In: SILVA, Marco (Org.). Educação on-line. São Paulo: Edições Loyola, 2003. p. 217-230.

SANTOS, L. P.; PEQUENO, R. Novas tecnologias e pessoas com deficiências: a informática na construção da sociedade inclusiva. In. SOUSA, R. P; MOITA, F. M. C S. C; CARVALHO, A. G. (Org.). Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011. Disponível em: http://books.scielo.org/id/6pdyn/pdf/sousa-9788578791247-04.pdf. Acesso em: 12 de abril de 2018.

SCHLÜNZEN, K.J; SCHLÜNZEN, E. T. M.; SANTOS.,D.A.N; MALHEIRO, C.A.L. Tecnologia assistiva e educação híbrida: possibilidades de inclusão. Benjamin Constant, ano 22, edição especial, setembro 2016, p.40-54.

SEVERO, C.G.Política(s) linguística s) e questões de poder. ALFA: Revista de Linguística 57, no. 2.2013.

SILVA, G.M. A inclusão do aluno Surdo no ensino regular. Universidade Estadual do Piauí – UESPI, 2010.

SILVA, J.I da. O debate sobre direitos linguísticos e o lugar do linguista na luta dos sujeitos falantes de línguas minorizadas: quem são os protagonistas? RBLA, Belo Horizonte, v. 17, n. 4, p. 663-690, 2017

SKLIAR, C. (org.). A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 2005.

SOARES, W.S.L; RIBEIRO, C.A.L. A inclusão das TICs na educação brasileira: problemas e desafios. Magis. Revista Internacional de Investigación en Educación, v. 5, n. 10, 2012.

THOMA, A. da. S;KLEIN,M. Experiências educacionais, movimentos e lutas surdas como condições de possibilidade para uma educação de Surdos no Brasil. 2010.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
Freitas, C. K. I., & Gediel, A. L. B. (2019). O USO DO DICIONÁRIO ONLINE BILÍNGUE POR TRADUTORES E INTÉRPRETES DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA-LIBRAS NO ENSINO SUPERIOR. DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Revista De Ciências Humanas, 18(2). Recuperado de https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/8694