ACESSIBILIDADE LINGUÍSTICA PARA UM ESTUDANTE SURDO NA DISCIPLINA DE QUÍMICA FUNDAMENTAL DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

Autores

Resumo

O presente trabalho analisa a acessibilidade linguística de um estudante surdo no curso de Licenciatura em Química da Universidade Federal de Viçosa e os desafios colocados diante dele, da professora e dos Tradutores e Intérpretes de Língua de Sinais e Português (TILSP). Abordam-se aqui algumas dificuldades no processo de tradução/interpretação dos conceitos específicos da Química (termos técnicos) e as escolhas lexicais na interpretação simultânea, podendo comprometer a acessibilidade linguística. Além disso, discute-se a barreira comunicacional entre estudante surdo/professora e estudante surdo/estudantes ouvintes, o que dificultou a interação social entre as partes, entendida aqui como algo fundamental para favorecer o desenvolvimento inter/intrapessoal e profissional do estudante surdo. Conclui-se que há a necessidade de incentivar a interação entre os pares e entre o professor e os TILSPs no planejamento didático das aulas, para que todos contribuam com o processo formativo do estudante surdo, minimizando assim dificuldades inerentes à construção conceitual nas aulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Catão de Assis Souza, Professor Adjunto no Departamento de Química da Universidade Federal de Viçosa.

Graduado em Química (Licenciatura), pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), especialista em Educação Inclusiva, pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (2007), mestre em Educação (Ensino de Ciências), pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e doutor em Educação pela mesma instituição (2014). Professor Adjunto no Departamento de Química da Universidade Federal de Viçosa. Possui experiência profissional com temas relacionados ao Ensino de Ciências, Espaços não formais de educação, Formação Docente e Diversidade na Escola, tendo feito trabalhos voltadas à Educação Socioambiental, Educação e Cidadania, Metodologias de Ensino e de Pesquisa, História da Ciência aplicada ao ensino, Alfabetização Científica e Educação Inclusiva (Surdos). Atualmente está a frente da Diretoria de Programas Especiais, órgão vinculado à Pró-Reitoria de Ensino da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A. J. Relevância e aplicabilidade da pesquisa em educação. Cadernos

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, K. S. Investigação qualitativa em Educação. Portugal: Porto Ed., 1994.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/ legin/fed/lei/2000/lei-10098-19-dezembro-2000-377651-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em junho de 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CES 1.303/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/130301Quimica.pdf. Acesso em junho de 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/ lei10436.pdf>. Acesso em junho de 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em junho de 2019.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em: junho de 2018.

BRASIL. Lei n° 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/L13409.htm. Acesso em junho de 2019.

CHAIBUE, K.; AGUIAR, T. C. Dificuldades na Interpretação de Libras para Português. Revista Virtual de Cultura Surda e Diversidade, n. 17, p. 1-21, fevereiro, 2016.

GODOY, A. S. Pesquisa Qualitativa Tipos Fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, Mai./Jun. 1995.

MARCUSCHI, L. A. Análise da conversação. São Paulo: Ática, Série Princípios, 1986.

PEREIRA, L. L. S; BENITE, C. R. M.; BENITE, A. M. C. Aula de Química e Surdez: sobre Interações Pedagógicas Mediadas pela Visão. Química Nova na Escola, v.33, n.1, p.47-56, 2011.

QUADROS, R. M. O Tradutor e Intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. 2. ed. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

RODRIGUES, C. H.; SILVÉRIO, C. C. P. Interpretando na Educação: quais conhecimentos e habilidades o intérprete educacional deve possuir? Espaço, n. 35, p. 42-50, jan./jun., 2011.

RODRIGUES, S. S.; MEIRELES, R. M. P. L. Por que ensinar Libras para alunos ouvintes na escola regular inclusiva? In: Anais de Evento: I Jornada Científica e Tecnológica de Língua Brasileira de Sinais: Produzindo conhecimento e integrando saberes. UFF, Rio de Janeiro, Julho, 2017.

SACKS, O. Vendo Vozes: Uma viagem ao Mundo dos Surdos. Editora Companhia de Letras, 1998.

SOUZA, S. F.; SILVEIRA, H. S. Terminologias Químicas em Libras: A utilização de sinais na aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, v. 33, n. 1, p. 37-46, 2011.

STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2.ed. Florianópolis: UFSC, 2009.

VYGOTSKY, L.S. The genesis of higher mental functions. In: WERTSCH, J. V. (Org.) The concept of activity in Soviet Psychology. Nova Iorque: M.E. Sharpe, 1981 [original de 1931].

Downloads

Publicado

2019-10-07

Como Citar

Souza, V. C. de A., & Pereira, K. L. (2019). ACESSIBILIDADE LINGUÍSTICA PARA UM ESTUDANTE SURDO NA DISCIPLINA DE QUÍMICA FUNDAMENTAL DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Revista De Ciências Humanas, 18(2). Recuperado de https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/8702