Experiência em dança na formação de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22294/eduperppgeufv.v12i01.12309

Palavras-chave:

Dança, Formação de Professores , Educação estética

Resumo

O trabalho se insere no campo da formação continuada docente, com foco na experiência estética, e tem como objeto de estudo as contribuições da experiência em dança na formação de professores. Partindo de indagações sobre seu percurso formativo, a pesquisadora-dançarina troca cartas com colegas de profissão que também tiveram sua trajetória marcada pela dança. A pesquisa tem como objetivo compreender as contribuições da prática da dança para a formação docente e refletir sobre a experiência estética como produtora de sentidos do ser professora. As cartas trocadas foram analisadas com base no paradigma indiciário, buscando suporte no referencial teórico da teoria Histórico-Cultural. Como eixos de análise, destacam-se a dança como: forma de expressão; processo de criação; percepção de si e do outro. A pesquisa aponta para a urgência de se pensar em práticas formativas pautadas na arte, que valorizem os contextos, as trajetórias de vida e os saberes produzidos coletivamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFFONSO, B. F. A dimensão estética da experiência: aprendizados da professora. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Unicamp, Campinas, 2019.

AGUIAR, T. B.; FERREIRA, L. H. Paradigma Indiciário: abordagem narrativa de investigação no contexto da formação docente. Educar em Revista, Curitiba, v. 37, e74451, 2021.

BRAGA, P. Performances do professar: todo professor tem um pouco de ator. 2019. 206 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da USP, São Paulo, 2019.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa Narrativa – Experiência e História em Pesquisa Qualitativa. Uberlândia: EDUFU, 2011.

CUNHA, R. C. O. B. Narrativas pedagógicas e efeitos de leitura entre estudantes de Pedagogia. In: COSTA, A. A. F.; CUNHA, R. C. O. B; PRADO, G. V. T.; EVANGELISTA, F. (org.). Narrativas, formação de professores e subjetividades democráticas. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2020, p.19-45.

DELARI JUNIOR, A. Consciência e linguagem em Vigotski: aproximações ao diálogo sobre subjetividade. 2000. 226 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2000.

DUARTE JUNIOR. J. F. Entrevista com João-Francisco Duarte Jr. In: LINS, C. M. A. A arte e a Educação. Juazeiro: Fonte Viva, 2011.

DUARTE JUNIOR, J. F. O sentido dos sentidos: a Educação (do) sensível. Curitiba: Criar, 2001.

FERREIRA, L. H. Dos seixos e das conchas. In FERREIRA, L. H. (org.) Arte de olhar: percursos em Educação. Campinas: Ílion Editora, 2011.

FERREIRA, L. H; CUNHA, R. O. B.; PRADO, G. V. T. Memórias da docência futura: a escrita de pipocas pedagógicas. In: PRADO, G. V. T. et al. (org.). Narrativas de formação, na escola e na universidade. São Carlos: Pedro e João, 2021.

FERREIRA, M. D.; GUEDES, A. O. Formação sem fôrma: a singularidade do processo de ser professor da Educação Infantil. Educação, Porto Alegre, v. 43, n.1, jan.-abr. 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2020.1.29757. Acesso em: 2 jul. 2020.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. (publicação original em 1983).

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A.; ALMEIDA, P. C. Al. Professores do Brasil: novos cenários de formação Brasília: UNESCO, 2019.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

IBERNON, F.; FORTUNATO, I.; SHIGUNOV NETO, A. (org.) Formação permanente de professores: experiências ibero-americanas. São Paulo: Edições Hipótese, 2019.

MAGIOLINO, L. S. Afetividade, imaginação e dramatização na escola: apontamentos para uma educação (est)ética. In: SILVA, D. N. H.; ABREU, F. S. D. (org.). Vamos brincar de quê? Cuidado e educação no desenvolvimento infantil. São Paulo: Summus, 2015, p. 133-154.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

PESAVENTO, S. J. Sensibilidades no tempo, tempo das sensibilidades. Tempos Acadêmicos, Criciúma, SC, n. 3, p. 127-134, 2005.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: análise das traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Repercussões no campo educacional. 2010, 295f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da UNB, Brasília, 2010.

SCHMIDLIN, E.; LAMPERT, J. Educação Estética: [entre] paisagens artísticas e pedagógicas. Palíndromo, Florianópolis, v.11, n. 25, set. 2019.

TOASSA, G.; SOUZA, M. P. R. As vivências: questões de tradução, sentidos e fontes epistemológicas no legado de Vigotski. Revista de Psicologia da USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 757-779, 2010.

VAZ, A. Arte, sensibilidades e educação estética: conceitos, possibilidades teóricas e narrativas. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 18, n. 54, 2021.

VIGOTSKI, L. S. Obras Escogidas: Tomo III. Madrid: Visor, 1995 (texto original de 1928).

VIGOTSKI, L. S. Psicologia da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2001 (texto original de 1924).

VIGOTSKI, L. S. A questão do meio na pedologia. Revista de Psicologia da USP, v. 21, n. 4, 2010. (texto original de 1931).

Publicado

2023-11-22

Como Citar

FERREIRA, L. H.; TAKAHACHI, V. R. Experiência em dança na formação de professores. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 12, p. e021008, 2023. DOI: 10.22294/eduperppgeufv.v12i01.12309. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/12309. Acesso em: 22 fev. 2024.