O plano educacional individualizado: proposta de um método de pesquisa na formação docente

Palavras-chave: Formação docente. Metodologia. Plano educacional Individualizado.

Resumo

O objetivo deste estudo é propor um metódo de pesquisa para a elaboração do Plano Educacional Individualizado (PEI) no âmbito das escolas públicas brasileiras. O procedimento metodológico classifica-se quanto à finalidade, em pesquisa básica; com relação ao problema de pesquisa, tem abordagem qualitativa; quanto aos objetivos, a pesquisa é exploratória e descritiva. Os resultados revelam que há uma incipiência na literatura relacionada à produção de conhecimento sobre o PEI e, que a partir da metodologia de pesquisa-ação colaborativa entre o pesquisador acadêmico, os professores regulares e a equipe do Atendimento Educacional Especializado nas escolas públicas, o PEI seja um instrumento efetivo ao introduzir práticas pedagógicas auxiliadoras na rotina de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Aparecida Alves de Lima, Exército Brasileiro. Colégio Militar de Curitiba
Oficial do Magistério Militar na área de Língua Portuguesa. Especialista em Educação Especial. Professora, Assessora Pedagógica e Membro da Seção de Atendimento Educacional Especializado no Colégio Militar de Curitiba.
Ana Eliza Gonçalves Ferreira, Exército Brasileiro. Colégio Militar de Curitiba
Doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Matemática pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Licenciada em Matemática. Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico no Colégio Militar de Curitiba.
Marcus Vinicius Gonçalves da Silva, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Doutorando em Gestão Urbana pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial. MEC. SEESP, 2001. 79p.

BRASIL. Decreto nº 186, de 2008. Congresso Nacional. Aprova o texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova Iorque, em 30 de março de 2007, Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial (SEESP). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC, 2008b.

BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Brasília: MEC/CNE/CEB. 2009.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. 2011. Disponível em: Acesso em: 07 set. 2017.

BRAUN, Patricia. Análise quase-experimental do efeito de um programa instrucional sobre autocontrole para professores da educação infantil e do ensino fundamental. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2004.

CORREIA, Luís Miranda. Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Coleção Educação Especial. Porto: Porto Editora, 1997.

CRUZ, Mara Lúcia Reis Monteiro; et al. Plano de Desenvolvimento Psicoeducacional Individualizado: percurso inicial para elaboração e aplicação. In: Anais do Seminário Internacional – as Redes educativas e as tecnologias: práticas/teorias sociais na contemporaneidade. FE/UERJ, Rio de Janeiro, 6-9 jun. 2011.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. 1994. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

GALLAHUE, David; DONNELLY, Frances Cleland. Educação Física desenvolvimentista para todas as crianças. 4. ed. São Paulo: Phorte, 2008.

GLAT, Rosana; et al. Plano educacional individualizado: uma estratégia a ser construída no processo de formação docente. Ciências Humanas e Sociais em Revista, v. 34, n. 1, p. 79-100, 2012.

GLAT, Rosana; PLETSCH, Márcia Denise. Plano Educacional Individualizado (PEI): um diálogo entre práticas curriculares e processos de avaliação escolar. In: GLAT, Rosana; PLETSCH, Márcia Denise (Orgs.). Estratégias educacionais diferenciadas para alunos com necessidades especiais. 1. ed. Rio de Janeiro/RJ: EDUERJ, v. 1, p. 17-32, 2013.

JESUS, Denise Meyrelles de. Inclusão Escolar, Formação Continuada e Pesquisa-ação Colaborativa. In: BAPTISTA, Cláudio Roberto (Org.). Inclusão e escolarização: Múltiplas perspectivas. Porto Alegre: Mediação, p. 95-106, 2006.

KEMPINSKI, Igor Vinícius.; et al. Plano Educacional Individualizado: uma proposta de Intervenção. Revista da Sobama, Marília, v. 16, n. 1, p. 23-32, jan./jun. 2015.

LOVISOLO, Hugo. Educação Física: a arte da mediação. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.

MARTÍN, Elena; SOLÉ, Isabel. Orientación educativa. Modelos y estratégias de intervención. Barcelona: GRAÓ, 2011.

MARTINI, Maiara Calomeno. Repensando a avaliação Psicopedagógica. In: MÄDER, Bruno Jardini (Org.). Psicologia escolar/educacional: ações e debates em psicologia escolar/educacional. Curitiba, CRP-PR, p. 51-57, 2016.

MAZZOTTA, Marcos José Silveira. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Editora Cortez, 2005.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Breve histórico da Educação Especial no Brasil. Revista Educación y Pedagogía, v. 22, n. 57, mayo/ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2017.

MUNSTER, Mey de Abreu van; et al. Plano de Ensino Individualizado Aplicado à Educação Física: Validação de Inventário na Versão em Português. Revista da Sobama, Marília, v. 15, n. 1, p. 43-54, 2014.

NASCIMENTO, Hérica Aguiar do. O plano educacional individualizado e o currículo funcional natural como estratégias para favorecer o aprendizado de alunos com deficiência intelectual. Monografia (Graduação em Pedagogia). Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

PACHECO, José Francisco; et al. Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Porto Alegre: ARTMED, 2007.

PLETSCH, Márcia Denise. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Editoras NAU & EDUR, Rio de Janeiro, 2010.

PLETSCH, Márcia Denise; GLAT, Rosana. Pesquisa-ação: estratégia de formação continuada para favorecer a inclusão escolar. Revista Espaço do INES, n. 33, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2017.

PLETSCH, Márcia Denise; GLAT, Rosana. A escolarização de alunos com deficiência intelectual: uma análise da aplicação do Plano de Desenvolvimento Educacional Individualizado. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 18, n. 35, p. 193-208, 2012.

PORTUGAL. Reorientação das escolas especiais em centros de recursos: documento estratégico. Ministério da Educação: Portugal, 2006.

PORTUGAL. Decreto-lei nº 3, de 11 de janeiro de 2008. Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público, particular e cooperativo. Ministério da Educação. Diário da República, 1ª série, n. 4, 7 de janeiro, 2008. Disponível em: Acesso em: 04 set. 2017.

SMITH, Débora Deustch. Introdução à Educação Especial: ensinar em tempos de inclusão. 5. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2008.

SOUZA, Calixto Júnior de. Entre o adaptar e o incluir: uma abordagem interdisciplinar da disciplina de educação física adaptada. Revista da Sobama, Marília, v. 15, n. 1, p. 31-34, 2014.

TARTUCI, Dulcéria; et al. Avaliação e o Atendimento Educacional Especializado. Poíesis Pedagógica, Catalão - GO, v. 12, n. 1, p. 67-93, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

THERRIEN, Jacques. O saber social da prática docente. Educação e sociedade, n. 46, p. 408-418, dez. 1993.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1988.

VIANNA, Márcia Marin; et al. Plano Educacional Individualizado - Que ferramenta é esta? Trabalho apresentado no VII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial, UEL, Londrina, 2011.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Obras Escogidas: Fundamentos de la Defectologia, T. 5. Visor DIS. S.A.: Madrid, 1997.

YOUNG, Michael. Teoria do currículo: o que é e porque é importante? Cadernos de Pesquisa, v. 44, n. 151, p. 190-202, mar. 2014.

ZEICHNER, Kenneth M. O professor como prático reflexivo. In: ZEICHNER, Kenneth M. (Org.). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, p. 13-28, 1993.
Publicado
2018-03-27
Como Citar
Lima, L. A. A. de, Ferreira, A. E. G., & Silva, M. V. G. da. (2018). O plano educacional individualizado: proposta de um método de pesquisa na formação docente. Educação Em Perspectiva, 9(1), 127-141. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i1.936
Seção
Artigos