Construção colaborativa de sequência didática: uma ferramenta para o desenvolvimento da autoria docente e discente

Palavras-chave: Sequência didática de gênero textual. Alfabetização. Desenvolvimento profissional docente. Autoria docente. Carta ao autor.

Resumo

Neste artigo, discutimos resultados de uma pesquisa mais ampla em que investigamos o processo de construção colaborativa de uma sequência didática (SD), com o gênero textual “Carta ao autor”, em uma classe de alfabetização de uma escola municipal de tempo integral, com vistas ao desenvolvimento das capacidades de linguagem e autoria dos alunos. Tendo como referencial teórico estudos desenvolvidos por pesquisadores do Grupo de Didática das Línguas de Genebra, nosso foco aqui é o processo formativo da professora alfabetizadora/colaboradora ao longo do planejamento e desenvolvimento da SD. A pesquisa é qualitativa de cunho colaborativo intervencionista e os dados considerados para análise são: registros em áudio das interações pesquisadora e professora colaboradora, gravação em vídeo das aulas, registros reflexivos em diário de campo da pesquisadora e as produções escritas realizadas pelos alunos. Os resultados indicam que a ferramenta SD contribuiu significativamente na constituição da autoria docente, bem como no desenvolvimento profissional das professoras colaboradora e pesquisadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Silva Soares Vieira, Universidade Municipal de São Caetano do Sul
Mestre em Educação,  professora da Rede Municipal de São Caetano do Sul.
Ana Silvia Moço Aparicio, Universidade Municipal de São Caetano do Sul
Docente do Mestrado Profissional em Educação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul.

Referências

AHLBERG, Allan. O carteiro chegou. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2007. 32p.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa, formação e prática docente. In: ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. 12. ed. Campinas: Papirus, 2015. p. 55-69.

APARÍCIO, Ana Sílvia Moço; ANDRADE, Maria de Fátima Ramos de. A avaliação no processo de construção de sequências didáticas para o ensino da escrita nos anos iniciais do ensino fundamental: a formação do professor em foco. In: SILVA, Sílvio Ribeiro da; ALVES FILHO, Sebastião Carlúcio (Org.). Sobre avaliação e ensino de línguas: (re)discutindo conceitos e (re)elaborando ações. Campinas: Pontes, 2016. p. 35-58.

CABRAL, Marilúcia Barros Lopes. Formação docente e pesquisa colaborativa: orientações teóricas e reflexões práticas. In: PONTES, Verônica Maria de Araújo; SILVA, Luzia Guacira dos Santos; BATISTA, Maria Carmem Silva (Org.). Trilhas pedagógicas. Curitiba: Editora CRV, 2013. p. 59-68.

CEVALLOS, Ivete; PASSOS, Laurizete Ferragut. O Mestrado Profissional e a pesquisa do professor. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v. 12, n. 37, p. 803-822, set./dez. 2012. Disponível em: goo.gl/uWfqtq. Acesso em: 10 mar. 2017.

DAMIANI, Magda Floriana. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar em Revista. Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008. Disponível em: goo.gl/uSnYjS. Acesso em: 23 mar. 2017.

DAMIANI, Magda Floriana et al. Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação. Pelotas, v. 45, p. 57-67, maio/ago. 2013. Disponível em: https://goo.gl/25wjjh. Acesso em: 23 mar. 2017.

DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 35-60.

DOLZ, Joaquim; GAGNON, Roxane; DECÂNDIO, Fabrício. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. 1 ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010. 112 p.

DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michèle; SCHNEUWLY, Bernard. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 81-108.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LORO, Marcelo. Tutuli em: que barulho é esse, papai? São Paulo, [s.n.], 2016.

MACHADO Anna Rachel; CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes. A Construção de Modelos Didáticos de Gêneros: aportes e questionamentos para o ensino de gêneros. Linguagem em (Dis)curso - LemD. Tubarão, v. 6, n. 3, p. 547-573, set./dez. 2006. Disponível em: https://goo.gl/j9n2oZ. Acesso em: 23 mar. 2017.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo - Revista de Ciências da Educação. Lisboa, n. 8, p. 7-22, jan./abr. 2009. Disponível em: goo.gl/mhUFQD. Acesso em: 16 dez. 2017.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-Curriculum. São Paulo, v. 1, n. 1, dez./jul. 2005-2006. Disponível em: https://goo.gl/zZccjC. Acesso em: 16 dez. 2017.

MOLINA, Rinaldo. A pesquisa-ação/investigação-ação no Brasil: mapeamento da produção (1966-2002) e os indicadores internos da pesquisa-ação colaborativa. 2007. 177 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2007.

NASCIMENTO, Elvira Lopes. Gêneros Textuais. Da didática das Línguas aos objetos de ensino. São Carlos: Claraluz, 2009.

VAILLANT, Denise; MARCELO, Carlos. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma aprendizagem. 1 ed. Curitiba: Editora da UTFPR, 2012. 242 p.

Publicado
2019-02-08
Como Citar
Vieira, F. S. S., & Aparicio, A. S. M. (2019). Construção colaborativa de sequência didática: uma ferramenta para o desenvolvimento da autoria docente e discente. Educação Em Perspectiva, 10, e019001. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i0.7046