Festividades cívico-patrióticas na formação da juventude brasileira nas cidades fronteiriças de Porto União (SC) e União da Vitória (PR) em 1941

Palavras-chave: Desfiles. Festividades cívico-patrióticas. Juventude. Infância. Estado Novo.

Resumo

Neste artigo analisamos o papel de festividades e desfiles cívicos na formação da juventude nas cidades fronteiriças de União da Vitória (PR) e Porto União (SC) a partir do Decreto-Lei nº2072, de 8 de março de 1940, que institui e fixa bases para a educação cívica, moral e física a crianças e jovens matriculados em estabelecimentos de ensino. Para isso, utilizamos fotografias localizadas no Arquivo Público de Florianópolis e notícias publicadas pelo periódico O Comércio, de Porto União (SC), revelando o entusiasmo com a formação da juventude e infância por ocasião da comemoração alusiva à Independência do Brasil e à Juventude Brasileira. A pesquisa é de cunho sócio-histórico e está vinculada ao Núcleo de Catalogação e Pesquisas em História da Educação (Nucathe), curso de Pedagogia da Unespar - União da Vitória (PR). Como base teórica, citamos Bencostta (2006; 2010); Hobsbawm (1990; 1998) e Horta (2012). Durante o Estado Novo, portanto, o culto aos símbolos pátrios durante sessões públicas tornou-se obrigatório a crianças e jovens estudantes de 7 a 18 anos, conformando uma cultura dentro de perspectivas ideológicas específicas do período ditatorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Marlene Stentzler, Universidade Estadual do Paraná

Doutora em Educação, História da Educação; Mestre em Educação, Formação de Professores; Pedagoga. Docente adjunta na UNESPAR, campus Paranavaí. Diretora de Programas e Projetos, Prograd - UNESPAR.

Marina Gabrielli Topolski Chelepa, Universidade Estadual do Paraná

Graduanda do Curso de Pedagogia - UNESPAR, Campus União da Vitória. Membro do Núcleo de Catalogação e Pesquisas em História da Educação (Nucathe). Bolsista do Projeto de Residência Pedagógica, subprojeto financiado pela CAPES.

Referências

BENCOSTTA, M. L. Desfiles Patrióticos: Memória e cultura cívica dos grupos escolares de Curitiba (1903-1971). In: Vidal, Diana Gonçalves (Org). Grupos Escolares: cultura primaria e escolarização da infância no Brasil (1893-1971). Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006. p. 299-322.

BENCOSTTA, M.L. A História da educação e cultura escolar: representações e imagens das festas escolares. In: Vidal, D.; Schwartz, C. M. História das culturas escolares no Brasil. Vitória: Edufes, 2010. p. 247-268.

BORGES, M.E.L. História & Fotografia. Belo Horizonte: Autentica, 2003. (Coleção História e Reflexões).

BOTO, C. Instrução pública e projeto civilizador: O século XVIII como intérprete da ciência, da infância e da escola. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro e Lisboa: Difel, Bertrand, 1989.

BRASIL. Decreto-Lei nº 2072, de 8 de março de 1940. Rio de Janeiro. Disponível em http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-2072-8-marco-1940-412103-publicacaooriginal-1-pe.html

CARVALHO, J.M. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil.

COSTA, V. A. V. Entre imagens e palavras: educação e nacionalismo no Estado Novo (1937-1945). (Disssertação). Mestrado em Educação. Programa de Pós-Graduação em Conhecimento e Inclusão Social. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2009.

FARGE, A. O Sabor do Arquivo. Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

GALLO, I. C. A.O Contestado: o sonho do milênio igualitário. Campinas: Unicamp, 1999.

GASPARI, L.T. No tempo dos trens nas Gêmeas do Iguaçu: uma viagem ao passado. União da Vitória: Fafiuv, 2011. (Coleção Vale do Iguaçu).

HOCHE, A. A. A hora da juventude: a mobilização dos jovens no Estado Novo (1940-1945). Dissertação. Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. 2015.

IHLENFELD, R. A presença da cultura alemã sobre o pensamento pedagógico do Colégio Teuto-brasileiro de Porto União/SC e sua influência sobre o imaginário dos alunos 1930-1938.Monografia (especialização).Porto União: Uniuv, 2011.

HOBSBAWN, E. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Tradução Maria Célia Paoli, Anna Maria Quirino. 6ª Reimp. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

HOBSBAWN, E. Sobre história. Tradução Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HORTA, J.S.B. O hino, o sermão e a ordem do dia: Regime autoritário e a educação no Brasil (1930-1945). 2.ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

JUCK, E. Palavras do Professor Juck proferidas no Dia da Juventude. In: O Comércio. Porto União, Santa Catarina, 14 set 1941, p.1.

LE GOFF, J. História e memória.Tradução Bernardo Leitão [et.all.] 5.ed. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

LOPES, E.M.T. Prefácio. In: HORTA, J.S.B. O hino, o sermão e a ordem do dia: Regime autoritário e a educação no Brasil (1930-1945). 2.ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

MACHADO, P. P. Lideranças do Contestado. Campinas: Unicamp, 2004.

MÉLO FILHO, L. R. de. O Centro Educativo Operário em Recife durante o Estado Novo (1937-1945): educação e religião no controle dos trabalhadores. (Dissertação). Mestrado em Educação. Universidade Federal de Pernambuco, 2006.

SANTOS, A.V. dos. Educação e fascismo no Brasil: a formação escolar da infância e o Estado Novo (1937-1945). In: Revista Portuguesa de Educação. [em linea]. 2012, 25. Disponível em http://www.redalyc.org:9081/home.oa?cid=54100

STENTZLER, M. M. Entre questões lindeiras e a superação de fronteiras: a Escola Complementar em Porto União (SC) e União da Vitória (PR), 1928-1938. Tese. (Doutoramento em educação). Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná, Ufpr. Curitiba, 2015. 181f.

TONON, E. Os monges do Contestado: Permanências das predições e rituais no imaginário. Palmas: Kaygangue, 2010.

PERIÓDICO
O Comércio. Porto União, 14 set de 1941.
Publicado
2019-12-29
Como Citar
Stentzler, M. M., & Chelepa, M. G. T. (2019). Festividades cívico-patrióticas na formação da juventude brasileira nas cidades fronteiriças de Porto União (SC) e União da Vitória (PR) em 1941. Educação Em Perspectiva, 10, e019038. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i.7111