Educação Popular Negra

breves notas de um conceito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22294/eduperppgeufv.v11i..8488

Palavras-chave:

Educação popular, Educação popular negra, Cultura popular negra

Resumo

Neste ensaio, a cultura e a educação popular realizada pela população negra são entendidas no contexto de lutas políticas de libertação e emancipação. Nesse contexto, indaga-se: essas lutas ocasionam saberes de libertação e emancipatórios? A elaboração conceitual Educação Popular Negra (EPN) emerge como modo de apreender esses saberes gerados que buscam reconhecer e valorizar determinada produção sociopolítica e cultural afrodiaspórica. As ideias foram desenvolvidas por meio da pesquisa bibliográfica. Para elucidar a operacionalidade conceitual da EPN relacionada às práticas sociais buscou analisar, por meio da técnica análise de conteúdos, três estudos que pautam o reconhecimento da diversidade étnico-racial. As reflexões apontam que é na concretização de práticas sociais voltadas para a cultura popular negra que são constituídos, organizados e compartilhados os saberes de libertação e emancipatórios relacionados ao reconhecimento e à valorização da cultura africana e afro-brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalino Neves da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

É professor Adjunto da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Administração Escolar (DAE). É doutor e mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ABREU, Martha. Cultura popular, um conceito e várias histórias. In: SOIHET, R.; ABREU, Martha. (Orgs.). Ensino de História. 2. ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 83-102.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad. Luís Reto. São Paulo: Edições 70, 2016.

BEISIEGEL, Celso de Ruy. Estado e educação popular. Um estudo sobre a educação de adultos. São Paulo: Pioneira, 1974.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação Popular. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; ASSUMPÇÃO, Raiane. Cultura rebelde: escritos sobre a educação popular ontem e agora. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009. (Educação Popular)

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2015.

BRASIL. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União, 1º jan. 2003. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2016.

BRASIL. Lei nº. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 25 março. 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

BRASIL. Lei nº. 12.288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2015

CHAUÍ, Marilena. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986.

CUNHA JR.. Henrique. Tecnologia africana na formação brasileira. CEAP:

Rio de Janeiro, 2010.

FANON, Franz. Os Condenados da Terra. 2ª reimpressão. Trad. Enilce Rocha; Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

FANON, Franz. Peles negras, máscaras brancas. Trad. Renato Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FÁVERO, Osmar (Org.). Cultura popular e educação popular: memória dos anos 60. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

FONSECA, Marcus; BARROS, Surya (Orgs.). História da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016.

FREIRE Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. A África ensinando a gente: Angola, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, Paulo. Cartas a Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

FREIRE, Paulo. Consciência e educação. São Paulo: Cortez, 1979.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação - uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Cortez & Moraes, 1980.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1970.

GARCÉS, D. M. Educação Popular e Movimentos Sociais. In: PONTUAL, Pedro; IRELAND, Timothy (Orgs.). Educação Popular na América Latina: diálogos e perspectivas. Brasília: MEC: UNESCO, 2006.

GIOVANETTI, Maria Amélia. A formação de educadores de EJA: o legado da Educação Popular. In: SOARES, L.; GIOVANETTI, M. A.; GOMES, N. L.. (Orgs.). Diálogos na Educação de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 243-254.

GOHN, Maria da Glória. Teoria dos Movimentos Sociais paradigmas clássicos e contemporâneos. 8. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

GOMES, Joaquim Barbosa. Ação Afirmativa & princípio constitucional da igualdade. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira. Negros e Educação no Brasil. In: LOPES, E. M. et al. 500 anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 325-346

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n. 15. p. 134-158, set./out./nov./dez. 2000.

KOSELLECK, R. Uma história dos conceitos: problemas teóricos e práticos. Estudos Históricos, v. 5, n.10, p.134-146, 1992.

LIMA, Ivan C. (Org.). Educação popular afro-brasileira. Florianópolis/NEN, nº 5, 1999 (Série Pensamento Negro em Educação).

MARINHO, Andrea. Paulo Freire e a conscientização. 2015. 167 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2015.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. 2. ed. Trad. Roland Corbisier; Mariza Coelho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

MOURA, Clóvis. Os quilombos e a rebelião negra. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

PASSOS, Joana Célia dos: Discutindo as relações raciais na estrutura escolar e construindo uma pedagogia multirracial e popular. In: LIMA, Ivan C. (Org.). NEN: Multiculturalismo e a pedagogia multirracial e popular. Florianópolis/NEN, nº 8, 2002.

PAIVA, Vanilda Pereira. Educação popular e educação de adultos: contribuição à história da educação brasileira. São Paulo: Loyola, 1973.

PERES, Eliane. Sob (re) o silêncio das fontes. A trajetória de uma pesquisa em história da educação e o tratamento das questões étnico-raciais. Revista Brasileira de História da Educação, n.4, p.75-102, jul./dez., 2002.

RAMOS, Alberto Guerreiro. A redução sociológica: introdução ao estudo da razão sociológica. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1965.

RAMOSE, Mogobe. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Ensaios Filosóficos, Volume IV - outubro/2011. Disponível em:<http://www.ensaiosfilosoficos.com.br/Artigos/Artigo4/RAMOSE_MB.pdf> Acesso em: 23/01/2019.

ROCHA, Rosa Margarida. A Pedagogia da Tradição: as dimensões do ensinar e do aprender no cotidiano das comunidades afro-brasileiras. 2011. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

ROMÃO, Jeruse. Há o tema do negro e há a vida do negro: educação pública, popular e afro-brasileira. In: LIMA, Ivan C. (Org.). Educação popular afro-brasileira. Florianópolis/NEN, nº 5, 1999 (Série Pensamento Negro em Educação).

ROMÃO, Jeruse. (Org.). História da Educação do Negro e outras histórias. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. - Brasília: Ministério da Educação, 2005.

ROMÃO, José E.; GADOTTI, Moacir. Paulo Freire e Amílcar Cabral: A descolonização das mentes. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2012.

SALVADOR, Ângelo. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. 11. ed. Porto Alegre: Sulina, 1986.

SANTOS, Sales Augusto. Movimentos Negros, Educação e Ações Afirmativas. 2007. 554 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2007.

SANTOS, Joel Rufino. Saber do negro. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

SANTOS, Renato Emerson. Agendas x Agências: a construção do movimento PVNC. In: OLIVEIRA, Iolanda; SILVA, Petronilha. Identidade negra: pesquisas sobre o negro e a educação no Brasil. Rio de Janeiro: Ação Educativa, Anped, 2002. p.37-57

SILVA, Natalino Neves da. Nas trilhas da aventura pedagógica de educar com e para o social. Paidéia, revista do Curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Humanas, Sociais e da Saúde, Universidade FUMEC, Belo Horizonte, ano 9, n. 13, p. 57-68 jul./dez. 2012. Disponível em: . Acessado em: 13 de dez. 2017.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

STRECK, Danilo. Territórios de resistência e criatividade: reflexões sobre os lugares da Educação Popular. In: STRECK, Danilo; ESTEBAN, Maria Teresa (Orgs.). Educação Popular: lugar de construção social coletiva. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

VAZQUEZ, Adolfo Sanches. Filosofia da Práxis: unidade entre teoria e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Publicado

2020-11-16

Como Citar

Silva, N. N. da . (2020). Educação Popular Negra: breves notas de um conceito. Educação Em Perspectiva, 11(.), e020033. https://doi.org/10.22294/eduperppgeufv.v11i.8488