A pessoa com deficiência intelectual e as concepções de professores de educação especial

Palavras-chave: Educação especial, Deficiência intelectual, Professores especialistas

Resumo

Objetiva-se discutir as concepções de professores de educação especial de um município do Espírito Santo (Brasil) sobre a pessoa com deficiência intelectual. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa e de caráter exploratório, empregando-se a aplicação de cento e cinquenta e um questionários abertos como técnica de coleta de dados. Como discussões e considerações, constatou-se, por um lado, que os professores de educação especial ainda concebem a pessoa com deficiência intelectual numa perspectiva de limitação de ordem biológica em relação às possibilidades de desenvolvimento e aprendizagem. Essas concepções estigmatizantes contribuem para a construção de uma postura pedagógica que compreende a pessoa com deficiência intelectual como um indivíduo delimitado pela não aprendizagem, sobre o qual há pouca ou não há expectativa. Por outro lado, observa-se o surgimento de uma tendência que busca superar essa perspectiva em direção a uma concepção que aposta nas potencialidades da pessoa com deficiência intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Caetano Mafezoni, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora do Centro de Educação e do Mestrado Profissional em Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Pós-doutora em Educação pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Doutora e Mestre em Educação pela UFES.

Caroline Simon, Universidade Federal do Espírito Santo

Mestre em Direitos e Garantias Fundamentais pela Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e em Direito pela FDV.

Referências

BACZKO, Bronislaw. Los imaginarios sociales. Memorias y esperanzas colectivas. Buenos Aires: Nueva Visión, 1999.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1988.

BRIDI, Fabiane Romano de Souza. Deficiência mental: possíveis leituras a partir dos manuais diagnósticos. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPEd: SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E PARTICIPAÇÃO POPULAR: DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS, 36., 2013, Goiânia. Anais... Goiânia: UFG, 2013.

CAETANO, Andressa Mafezoni. A formação inicial de professores na perspectiva da inclusão escolar de alunos com deficiência: o curso de Pedagogia da Universidade Federal do Espírito Santo. 2009. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2009.

CAMIZÃO, Amanda Costa. Conhecimentos, concepções e prática de professores de educação especial: o modelo médico-psicológico ainda vigora? 2016. 180 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Tradução de Maria Thereza Redig de Carvalho Barrocas. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

CARNEIRO, Maria Sylvia Cardoso. Contribuições da abordagem histórico-cultural para a compreensão da deficiência intelectual como produção social. In: CAIADO, Kátia Regina Moreno; BAPTISTA, Cláudio Roberto; JESUS, Denise Meyrelles de (org.). Deficiência mental e deficiência intelectual em debate. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017. p. 79-99.

CHARTIER, Roger. Introdução. Por uma sociologia histórica das práticas culturais. In: CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Tradução de Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990. p. 13-28.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. In: CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002. p. 61-80.

DE VITTA, Fabiana Cristina Frigieri; DE VITTA, Alberto; MONTEIRO, Alexandra. Percepção de professores de educação infantil sobre a inclusão da criança com deficiência. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 16, n. 3, p. 415-428, dez. 2010. https://doi.org/10.1590/S1413-65382010000300007

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Perspectiva, 1992.

KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães. Educação especial na perspectiva da educação inclusiva: desafios da implantação de uma política nacional. Educar em Revista. Curitiba, n. 41, p. 61-79, jul./set. 2011. https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000300005

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução de Heloísa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LEIJOTO, Camila Pereira; KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães. Reflexões acerca do conceito de deficiência intelectual/mental para delineamento da população escolar brasileira para registro no censo escolar. In: CAIADO, Kátia Regina Moreno; BAPTISTA, Cláudio Roberto; JESUS, Denise Meyrelles de (org.). Deficiência mental e deficiência intelectual em debate. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017. p. 101-122.

MELO, Douglas Christian Ferrari de; MAFEZONI, Andressa Caetano. O direito de aprender e os alunos público-alvo da especial. Revista Educação em Debate. Fortaleza, v. 41, n. 78, p. 101-115, jan/abr. 2019. http://dx.doi.org/10.24882/eemd.v41i78.831

MENDES, Encéia Gonçalves. A política de educação inclusiva e o futuro das instituições especializadas no Brasil. Education Policy Analysis Archives. Arizona, v. 27, n. 22, mar. 2019. http://dx.doi.org/10.14507/epaa.27.3167

MOREIRA, Herivelto; CALEFFE, Luiz Gonzaga. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

PESSOTTI, Isaías. Deficiência Mental: da superstição à ciência. São Paulo, EDUSP: 1984.

RAYMUNDO, Davidson Nunes. Indícios da aprendizagem da criança com deficiência intelectual: contribuições da abordagem histórico-cultural e a formação de educadores de educação infantil. 2010. 208 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

ROSSATO, Solange Pereira Marques; LEONARDO, Nilza Sanches Tessaro. A deficiência intelectual na concepção de educadores da educação especial: contribuições da psicologia histórico cultural. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 17, n. 1, p. 71-86, jan./abr. 2011. https://doi.org/10.1590/S1413-65382011000100006

SCHÜTZ, Maria Rosa Rocha dos Santos. Avaliação escolar como instrumento de mediação da aprendizagem na educação inclusiva: desafios no cotidiano escolar. 2006. 132 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Mestrado Acadêmico em Educação, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2006.

TELES, Stela Martins. O professor no processo de inclusão de alunos com deficiência intelectual: um estudo sobre os significados construídos no fazer pedagógico. 2010. 130 f. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

VALENTIM. Fernanda Oscar Dourado; OLIVEIRA, Anna Augusta Sampaio de. Avaliação da aprendizagem e deficiência intelectual na perspectiva de professores do ensino comum. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v. 13, n. 40, p. 851-871, set./dez. 2013. http://dx.doi.org/10.7213/dialogo.educ.13.040.DS02

Publicado
2020-07-29
Como Citar
Mafezoni, A. C., & Simon, C. (2020). A pessoa com deficiência intelectual e as concepções de professores de educação especial. Educação Em Perspectiva, 11, e020015. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v11i.8530