Aprendizagem do diálogo nas tecituras entre vida, formação e trabalho docente

Palavras-chave: Políticas educacionais brasileiras, Dialogicidade, Formação de Professores, Trabalho docente

Resumo

No contexto da sociedade contemporânea, de onde emergem políticas educacionais pautadas no neoliberalismo, tornam-se comuns práticas educativas assentadas numa racionalidade técnica que reduz os horizontes formativos à perspectiva bancária, visando resultados quantitativos. Neste cenário, surgem desafios políticos, epistemológicos e pedagógicos que afetam diretamente a formação, a vida e o trabalho dos professores, sobretudo no que se refere ao diálogo que tem se tornado, cada vez mais difícil e necessário. Este estudo objetiva discutir fundamentos, temas e desafios da dialogicidade na formação docente. Metodologicamente utiliza a abordagem qualitativa, analisando relatos autobiográficos produzidos por professores de uma escola pública cearense. Foram identificados desafios de aprendizagem do diálogo e o reconhecimento deste como possibilidade de construção de uma educação crítica e emancipatória que oportunize ao docente reconhecer-se como autor de sua história e de sua profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisangela André da Silva Costa, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Pós-Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora Adjunta da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB). Vice-líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Diversidade e Docência (EDDocência).

Maria Socorro Lucena Lima, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Pós-doutora em Educação pela USP com Estágio na Universidade do Minho - Portugal. Integra o quadro de pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - Fundeb, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei n. 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis n. 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 jun. 2007.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996a.

BRASIL. Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, na forma prevista no art. 60, § 7º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 dez. 1996b.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Abecedário de Educação e Interculturalidade. Rio de Janeiro: UFRJ; Cinead, 2017.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2016.

COSTA, Elisangela André da Silva. Diálogo pedagógico entre escola e universidade a partir da formação inicial de professores: o caminho e o caminhar da Unilab. 2018. 126 f. Relatório (Pós-Doutoral) - Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, jul./set. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-9702201507140384.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Tradução de Adriana Lopez. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

KÖNIG, Erika Himmel. A defesa de uma cultura avaliativa. Cadernos Cenpec, São Paulo, v. 2, n. 3, p. 80-89, jan./jun. 2007. http://dx.doi.org/10.18676/cadernoscenpec.v2i3.2

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus Professor, Adeus Professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 13 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágios supervisionados e o Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência: duas faces da mesma moeda? Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 24, e240001, 2019. https://doi.org/10.1590/s1413-24782019240001

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009. p. 73-118.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramentos, 2017.

RIOS, Terezinha Azerêdo. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A “nova” direita e as transformações na pedagogia da política e na política da pedagogia. In: GENTILI, Pablo; SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. p. 9-30.

ZEICHNER, Kenneth M. Políticas de formação de professores nos Estados Unidos: como e por que elas afetam vários países do mundo. Tradução de Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

Publicado
2020-07-19
Como Citar
Costa, E. A. da S., & Lima, M. S. L. (2020). Aprendizagem do diálogo nas tecituras entre vida, formação e trabalho docente . Educação Em Perspectiva, 11, e020010. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v11i.9035