AVALIAÇÃO SANITÁRIA DE SEMENTES DE FEIJÃO USADAS POR AGRICULTORES FAMILIARES DA ZONA DA MATA

  • ROBERTO FONTES FONTES ARAUJO Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG)
  • Fabrício Welington Souza Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Eduardo Fontes Araujo Universidade Federal de Viçosa
  • Miquéias de Oliveira Assis Universidade Federal de Viçosa
  • Valéria Rodrigues Veiga Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Fungos de campo, fungos de armazenamento, qualidade fisiológica

Resumo

O valor da semente relacionado à germinação e ao vigor é relativamente bem compreendido pelos agricultores. No entanto, o conhecimento do papel da semente como veículo de disseminação de patógenos é ainda limitado. Objetivou-se avaliar as qualidades sanitária e fisiológica de sementes de feijão usadas por agricultores familiares, comparando-as com as qualidades das sementes de cultivares da EPAMIG. Inicialmente, foram obtidas amostras de sementes de feijão de 74 agricultores familiares e da EPAMIG. As sementes foram avaliadas quanto às qualidades sanitária e fisiológica. Apenas 19% dos agricultores produziram sementes com vigor semelhante ao daquelas da EPAMIG. Dos 74 lotes de sementes, 83% apresentaram contaminação por fungos. Aqueles que não apresentaram ocorrência de fungos (17%), coincidentemente, estão contidos naqueles 19% de lotes com alto vigor. Houve ocorrência do patógeno Colletotrichum lindemuthianum em 18% dos lotes, com incidência do fungo variando de 1 a 10% das sementes. A presença de Fusarium spp foi verificada em 65% dos lotes de sementes; contaminação preocupante, com incidência do fungo nos lotes contaminados na faixa de 1 a 17%. A incidência de Rhizoctonia solani foi menos preocupante do que a de Fusarium spp; verificou-se a contaminação em 14% dos lotes, com a incidência do fungo nas sementes variando de 1 a 3%. O fungo Macrophomina phaseolina ocorreu em 30 % dos lotes; a incidência nas sementes ficou na faixa de 1 a 6%. Em apenas 4% dos lotes foi encontrado o fungo Sclerotinea sclerotiorum; nesses lotes, a incidência nas sementes variou de 0,5 a 1%. Dos fungos de armazenamento, constatou-se a ocorrência de Aspergillus spp em 41% dos lotes, com a incidência do fungo variando de 1 a 18% nas sementes desses lotes. Já o Penicillium spp foi diagnosticado em 39% dos lotes, com porcentagens de incidência nas sementes na faixa de 1 a 25.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGARWAL, V.K.; SINCLAIR, J.B. Principles of seed pathology. Boca Raton, CRC, 1987. 176p.

ALMEIDA, A.P. V.; SILVA, E.S.; SILVA, V.P. et al. Qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) provenientes do municípo de Tangará da Serra - MT. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, v.9, n.17; p. 2241-2249, 2013.

ARAUJO, R.F.; ARAUJO, E.F. Produção de Sementes. In: CARNEIRO, J.E.; PAULA JÚNIOR, T.J.; BORÉM, A. (Ed.). Feijão: do plantio à colheita. Viçosa: E. UFV, 2016. p.356-384.

BALARDIN, R. S.; JAROSZ, A. M.; KELLY, J. D. Virulence and Molecular Diversity in Colletotrichum lindemuthianum from South Central, and North America. Phytopathology, v.87, n.12, p.1184-1191, 1997.

BARNETT, H.L.; HUNTER, B.B. Illustrated genera of fungi imperfect. Boca Ratón: CRC Press, 1995. 433p.

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2a ed. New York: Plenum Press, 1994. 445p.

BOOTH, C. Fusarium: laboratory guide to the identification of the major species. Kew: Commonwealth Mycological Institute, 1977. 58p.

BRASIL. Anexo XI - Padrões para a produção e a comercialização de sementes de feijão. In: Instrução Normativa nº 45 do MAPA, de 17 de setembro de 2013. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília. 2013. p.14-15.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS. 2009. 399p.

DHINGRA, O.D. Prejuízos causados por microorganismos durante o armazenamento de sementes. Revista Brasileira de Sementes, v.7, n.1, p.139-145, 1985.

DHINGRA, O.; SINCLAIR, J.B. Basic plant pathology methods. Boca Raton, CRC, 1995. 433p.

DHINGRA, O.D. & SINCLAIR, J.B. Biology and pathology of Macrophomina phaseolina. Viçosa: UFV, 1978. 166p.

ELLIS, M.B. Dematiaceous Hyphomycetes. Surrey: Commonwealth Mycological Institute, 1971. 608p.

HALL, R.; STEADMAN, J. R. White mold. In: HALL, R. (Ed.) Compendium of bean diseases. 2. Ed. Saint Paul: APS Press, 1994. p.28-29.

LOBO JÚNIOR, M. (Ed.). Árvore do conhecimento: Feijão - Sementes. Brasília, DF: Embrapa, 2013. https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/feijao/arvore/CONTAG01_73_27820049337.html. (acessado em 15 de abril de 2019).

MACHADO, J.C. Padrões de tolerância de patógenos associados à semente. Revisão Anual de Patologia de Planta, n.2, p.229-263, 1994.

MARCOS FILHO, J. KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA-NETO, J.B. In: Teste de envelhecimento acelerado (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. 1999. cap.3, p.1-24.

MARINO, R.H.; MESQUITA, J.B.; ANDRADE, K.V.S.; COSTA, N.A.; AMARAL, L.A. Incidência de fungos em sementes de Phaseolus vulgaris L. provenientes do Estado de Sergipe. Rev. Bras. Ciênc. Agrár., v.3, n.1, p.26-30, 2008.

MENEZES, J.R. Testes de sanidade de sementes de feijão. In: Soave, J. (Ed.) Patologia de sementes. Campinas, Fundação Cargill, 1987, p.395-405.

MENTEN, J.O.M. Patógenos em sementes: detecção, danos e controle químico. São Paulo: CibaAgro, 1995. 321p.

NEEGARD, P. Seed pathology. London: Mac Millan Press, 1997. V. 2. 839 p.

PAULA JÚNIOR, T.J.; VIEIRA, R.F. 2006. Semente: importante veículo de disseminação de patógenos de feijão. In: VIEIRA, C.; PAULA JÚNIOR, T.J.; BORÉM, A. Feijão. 2ed. Viçosa: EDITORA UFV, p.437-476.

PEDROSA, A.; TELIZ, D. Patogenicidad relatia de Rhizoctonia solani, Fusarium solani, Pythium spp. y Macrophomina phaseolina em frijol (Phaseolus vulgaris L.) bajo condicioes de invernadero. Revista Mexicana de Fitopatologia, v.10, p.134-138, 1992.

RAVA, C.A.; COSTA, J.G.C.; AIDAR, H.; KLUTHCOUSKI, J. Produção de sementes de feijoeiro comum livres de Colletotrichum lindemuthianum em várzeas tropicais irrigadas por subirrigação. Embrapa Arroz e Feijão. 2002. 14 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento).

REY, M.S.; LIMA, N.B.; SANTOS, J.; PIEROBOM, C.R. Transmissão semente-plântula de colletotrichum lindemuthinum em feijão (Phaseolus vulgaris). Arq. Inst. Biol., v.76, n.3, p.465-470. 2009.

SANTOS, K.M.; PEIXOTP, G.H.S.; PIRES, L.M. ET AL. Ocorrência de fungos em sementes de feijão comum ‘pérola’. Tecnol. & Ciên. Agropec., v.12, n.2, p.71-75. 2018.

SILVA, G.C.; GOMES, D.P.; KRONKA, A.Z.; MORAES, M.H. Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) provenientes do estado de Goiás. Semina: Ciências Agrárias, v. 29, n. 1, p. 29-34, 2008.

SUTTON, B.C. The Coelomycetes. Surrey: CABI Publications, 1980. 696p.

TALAMINI, V. Progresso espacial e temporal da antracnose a partir de diferentes níveis de inóculo inicial em sementes de feijoeiro. 2003. 144p. Tese (Doutorado em Fitopatologia) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2003.

TANAKA, M.A.S.; CORREIA, M.V. Efeito do tratamento de feijão de diferentes qualidades sanitárias com fungicidas e antibióticos sobre a emergência e “stand”. Fitopatologia Brasileira, v.7, p.339-347, 1982.

TORRES, S.B.; BRINGEL, J.M.M. Avaliação da qualidade sanitária e fisiológica de sementes de feijão macassar. Caatinga, Mossoró, v. 18, n. 2, p. 88-92, 2005.

VECHIATO, M.H.; LASCA , C.C.; KOHARA, E.Y.; CHIBA, S. Efeito do tratamento de sementes de feijão (Phaseolus vulgaris) com fungicidas no controle e Macrophomina phaseolina e na emergência de plântulas. Arquivos do Instituto Biologico. v.67, n.1. s/p. 2000. http://www.biologico.sp.gov.br/uploads/docs/arq/V67_1/feijao.htm. (acessado em 22 de abril de 2019).

VIANA, D.I.F. Incidência de colletotrichum lindemuthianum em sementes de feijão comum do grupo carioca (phaseolus vulgaris) procedentes de agricultores da região de Bambuí-MG. 2016. 30 f. TCC (Graduação) - Curso de Agronomia, Ciências Agrárias, Instituto Federal de Educação Ciencia e Tecnologia - Campus Bambuí, Bambuí-mg, 2016.

Publicado
2019-11-24
Como Citar
FONTES ARAUJO, R. F., Silva, F. W. S., Araujo, E. F., Assis, M. de O., & Veiga, V. R. (2019). AVALIAÇÃO SANITÁRIA DE SEMENTES DE FEIJÃO USADAS POR AGRICULTORES FAMILIARES DA ZONA DA MATA. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 9(3). https://doi.org/10.21206/rbas.v9i3.8366
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)