DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO USADAS POR AGRICULTORES FAMILIARES DA ZONA DA MATA

Palavras-chave: taxa utilização sementes, colheita, pós colheita, germinação, vigor

Resumo

Objetivou-se caracterizar e avaliar fisiologicamente as sementes de feijão usadas pelos agricultores familiares da Zona da Mata. Foram aplicados questionários com 74 agricultores e obtidas amostras de sementes para avaliações da germinação e vigor, e comparação com a qualidade fisiológica daquelas produzidas pela EPAMIG. Apenas dois agricultores adquirem sementes comerciais (2,8%). Destes, 43% semeiam feijão vermelho, 28% preferem o feijão tipo carioca, outros 17% priorizam o feijão de coloração preta, enquanto 12% têm preferência por outros tipos. Todos realizam a colheita manualmente; já a debulha realizada manualmente por 20% dos agricultores, 54% fazem por bateção com varas e 26% usam trilhadeira. A secagem é realizada ao sol em terreiro por 80% dos agricultores, ao sol sobre lona preta por 16% e em secador por 4%. O beneficiamento do lote é realizado por catação manual por 20%, por peneiramento e sopragem 62% e 18% com máquina beneficiadora de cereais. O tratamento das sementes é feito por expurgo com gastoxim (18% dos agricultores), com barro de terra de formigueiro (28%), cinza de madeira (5%), casca de laranja moída (3%), folha de eucalipto moída (3%), esterco bovino curtido (6%). O acondicionamento das sementes, em 90% dos casos é feito em embalagens permeáveis, como lata e sacarias, 10% em impermeável, como garrafas pet. O armazenamento é feito em paióis (59%), depósitos de alvenaria (18%), porões (8) e cômodos das casas (15%). Os agricultores não realizam práticas exclusivas para campo de sementes; apenas dois agricultores, esporadicamente, eliminam plantas com sintomas visíveis de doença. Surpreendentemente, 79% dos agricultores produziram sementes com germinação superior a 80%, mínimo exigido por lei para comercialização; também, 70% dos agricultores produziram sementes com germinação que não diferiu das produzidas pela EPAMIG; entretanto, apenas 19% dos agricultores produziram sementes com vigor que não diferiu do vigor das sementes produzidas pela EPAMIG.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRASEM, Anuário 2015. 2015. http://www.abrasem.com.br/wp-content/uploads/2013/09/Anuario_ABRASEM_2015_2.pdf (acessado em 15 de abril de 2019).

AGUIRRE, R. e PESKE, S. Efecto de La humedade nel almacenamiento hermético a corto plazo de sementes de frijol (Phaseolus vulgaris). Seed Sci. & Technol, v.19, p.117-122, 1991.

ARAUJO, R.F.; ARAUJO, E.F. Produção de Sementes. In: CARNEIRO, J.E.; PAULA JÚNIOR, T.J.; BORÉM, A. (Ed.). Feijão: do plantio à colheita. Viçosa: E. UFV, 2016. p.356-384.

BEWLEY, J.D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2a ed. New York: Plenum Press. 1994. 445p.

BRASIL. Anexo XI - Padrões para a produção e a comercialização de sementes de feijão. In: Instrução Normativa nº 45 do MAPA, de 17 de setembro de 2013. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília. 2013. p.14-15.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS. 2009. 399p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4a ed. Jaboticabal: FUNEP. 2000. 588p.

CARVALHO, M.L.M.; VON PINHO, E.V. Armazenamento de sementes. Lavras: UFLA, FAEPE. 1997. 67p.

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento safra brasileira de grãos, v. 3 - Safra 2015/16, n. 6 - Sexto Levantamento. 2016.

COPELAND, L.O.; McDONALD, M.B. Principles of seed science and tecnnology. 3a ed. New York: Chapman an Hall. 1995. 409p.

HARRINGTON, J.F. Seed storage and longevity. In: KOZLOWSKI, T.T. (ed.). Seed biology. New York: Academic Press, v.3, p.145-245, 1972.

MARCOS FILHO, J. KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA-NETO, J.B. In: Teste de envelhecimento acelerado (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. 1999. cap.3, p.1-24.

PEREIRA, V.G.C.; GRIS, D.J.; MARAGONI, T. et al. Exigências Agroclimáticas para a Cultura do Feijão Phaseolus vulgaris L.). Revista Brasileira de Energias Renováveis, v.3, n.1, p.32-42, 2014.

PESKE, S.T.; LUCCA FILHO, O.A.; BARROS, A.C.S. (eds.). Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 2.ed. Pelotas: Ed. Universitária/UFPel. 2006. 470p.

Publicado
2020-08-31
Como Citar
FONTES ARAUJO, R. F., Silva, F. W. S., Araujo, E. F., Assis, M. de O., & Libaneo, M. (2020). DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO USADAS POR AGRICULTORES FAMILIARES DA ZONA DA MATA. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 10(1), 115-123. https://doi.org/10.21206/rbas.v10i1.8365

Most read articles by the same author(s)