Inteligência artificial e prestação jurisdicional

da China ao Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32361/2024160118484

Palavras-chave:

Inteligência artificial aplicada à justiça, Direito chinês, Direito comparado

Resumo

O presente trabalho aborda a adoção da inteligência artificial para a prestação jurisdicional na China e a viabilidade de replicar tal movimento no Brasil, com enfoque no confronto entre os ganhos em eficiência e as potenciais violações aos direitos fundamentais processuais, sempre levando em consideração as diferenças culturais e políticas de uma realidade com relação à outra. Mediante os métodos dedutivo e comparado e as técnicas bibliográfica e documental, conclui-se pela premência de seguir na trilha da “inteligentização” do Judiciário, porém com o cuidado de reservar a tecnologia às funções auxiliares da justiça e de salvaguardar a independência e a subjetividade do julgador, não esquecendo, também, de assegurar o respeito à estrutura de valores e à constituição jurídico-política vigorantes em cada país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Leão Melo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

Graduando em Ciências Jurídicas e Sociais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: gleaomelo@outlook.com.

Referências

ALVES, José Carlos Moreira. Direito Romano. 20. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 7 jun. 2023.

BRASIL. Lei n. 13.105, de 16 de março de 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: 7 jun. 2023.

CHEN, Mingtsung; LI, Shuling. Research on the application of artificial intelligence technology in the field of Justice. Journal of Physics: Conference Series, v. 1570, n. 1, p. 1-7, 2020.

CHINA. [Constituição (1982)]. Constitution of the People’s Republic of China. Beijing: The National People’s Congress, 1982. Disponível em: http://www.npc.gov.cn/zgrdw/englishnpc/Constitution/node_2825.htm. Acesso em: 7 jun. 2023.

FREITAS, Vladimir Passos de. A eficiência na administração da justiça. Revista da AJUFERGS, 3, p. 75-89, 2008.

GROENNER, Luciana Castro et. al. Um estudo bibliométrico sobre a pesquisa em inteligência artificial no Brasil. Brazilian Journal of Information Science: Research trends, v. 16, p. 1-27, 2022.

HURST, Lucy et. al. The Automation Readiness Index: Who is Ready for the Coming Wave of Automation? The Economist Intelligence Unit, 23 abr. 2018.

JI, Weidong. The Change of Judicial Power in China in the Era of Artificial Intelligence. Asian Journal of Law and Society, 7.3, p. 515-530, 2020.

MARANHÃO, Juliano Souza de Albuquerque. A pesquisa em inteligência artificial e Direito no Brasil. ConJur, 9 dez. 2017.

MASLEJ, Nestor et. al. The AI Index 2023 Annual Report. AI Index Steering Committee, Institute for Human-Centered AI, Stanford University, abr. 2023.

REICHELT, Luis Alberto. Inteligência artificial e direitos fundamentais processuais no âmbito cível: uma primeira aproximação. Revista de Processo, v. 312, ano 46, p. 387-408, fev. 2021.

ROBERTS, Huw et. al. The Chinese approach to artificial intelligence: an analysis of policy, ethics, and regulation. AI & Society, 36.1, p. 59-77, 2021.

SILVA, Jeovan Assis da; FLORÊNCIO, Pedro de Abreu e Lima. A Inteligência Artificial no Contexto da Administração da Justiça e da Prestação Jurisdicional. Encontro de Administração da Justiça/UnB, 3, p. 1-15, 2020.

SILVA, Victor Hugo da. Robô 'advogado' será usado para defender réu pela primeira vez em tribunal nos EUA. G1, Rio de Janeiro, 25 jan. 2023. Disponível em: https://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2023/01/25/robo-advogado-sera-usado-para-defender-reu-pela-primeira-vez-em-tribunal-nos-eua.ghtml. Acesso em: 7 jun. 2023.

SULZBACH, Sofia Frischenbruder. Direito e políticas relacionadas a obras geradas por inteligência artificial no Brasil e na União Europeia. Latin American Journal of European Studies, v. 2, n. 2, p. 395-440, 2022.

WEBSTER, Graham et. al. China’s Plan to ‘Lead’ in AI: Purpose, Prospects, and Problems. Stanford University — Digichina, 1 ago. 2017.

WONG, Pak-Hang. Confucian Social Media: An Oxymoron? Dao, 12.3, p. 283-296, 2013.

YU, Meng; DU, Guodong. Why Are Chinese Courts Turning to AI? The Diplomat, Washington, D.C., 19 jan. 2019.

YUAN, Shenggao. AI-assisted sentencing speeds up cases in judicial system. China Daily, Beijing, 18 abr. 2019.

Downloads

Publicado

10-05-2024

Como Citar

MELO, G. L. Inteligência artificial e prestação jurisdicional: da China ao Brasil. Revista de Direito, [S. l.], v. 16, n. 01, p. 01–29, 2024. DOI: 10.32361/2024160118484. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/18484. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos de fluxo contínuo