O ATO TRADUTÓRIO E INTEPRETATIVO ANALISADO A PARTIR DA PERSPECTIVA BAKHTINIANA

  • Nilsa Taumaturgo de Sá de Souza Universidade Federal de Mato Grosso
  • Simone de Jesus Padilha Universidade federal de Mato Grosso UFMT

Resumo

RESUMO: O presente trabalho tem como o objetivo central buscar a compreensão do processo dialógico que envolve um ato tradutório e interpretativo, bem como vislumbrar a tradução e a interpretação por um prisma além do técnico (léxico, regras e vocabulários), a partir da relação eu/outro e da produção de sentidos. Fundamentando-nos na teoria de Mikhail Bakhtin, buscamos, por meio de entrevistas com profissionais selecionados, adentrar o mundo da tradução/interpretação em língua de sinais. Debruçamo-nos sobre o trabalho desses profissionais e o analisamos minuciosamente, atrelando-o aos conceitos bakhtinianos. Os resultados de nossa pesquisa desvendaram que a neutralidade não se correlaciona com fidelidade e que, em uma interação, não existe sujeito passivo, portanto o tradutor/intérprete e o Guia-intérprete são interlocutores ativos ao executarem o seu trabalho, sendo participantes ativos, coautores do enunciado interpretado.

Palavras Chaves: Tradução/Interpretação. Tradutor/Intérprete. Guia-Intérprete. Língua de Sinais. Estudos Bakhtinianos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilsa Taumaturgo de Sá de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestre em Estudos de Linguagem pelo PPGEL - UFMT

Tradutora/Intérprete de Língua Sinais. Departamento de Letras  UFMT

Simone de Jesus Padilha, Universidade federal de Mato Grosso UFMT
Doutora em estudos de Linguagem; Professora no departamento de Letras. UFMT.

Referências

Referências

AMORIM, M. A contribuição de Mikhail Bakhtin: a tripla articulação ética, estética e epistemológica. In: FREITAS, M. T; SOUZA, S. J; KRAMER, S. (Orgs.) Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2003, p. 11-25.

______ O pesquisador e seu outro. Bakhtin nas Ciências Humanas. São Paulo: Musa, 2004.

ARROJO, R. Oficina de Tradução, a teoria na prática. São Paulo: Editora Ática, 1986.

BAKHTIN, M; VOLOCHINOV, V. N.. Marxismo e filosofia da linguagem. 6ª ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

______ Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

______ Para uma filosofia do ato responsável. Trad. Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza: Austin, University of Texas press, 1993.

BORTEN, E. In: Conversa com tradutores - balanços e perspectivas. Organizadores: SOBRAL, A.; BENEDETTI, I.C. São Paulo: Parábola, 2003.

BRAIT, B. Bakhtin: conceitos – chave. São Paulo: Ed. Contexto. 2014.

______ Bakhtin: outros conceitos – chave. São Paulo: Ed. Contexto. 2012.

ECO, U. Quase a mesma coisa. Trad. Eliana Aguiar, rio de Janeiro, Record, 2014.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2017.

FARIAS, S. S. Os processos de inclusão dos alunos com surdocegueira na educação básica. Mestrado (dissertação). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2015.

FEBRAPILS. Código de ética e conduta do Tradutor intérprete e Guiaintérprete de língua de sinais. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B7ZxCOYQ0QJmTUdtZ2xIZHlqQ1U/view. Acesso em: 19 de setembro de 2017.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa? crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

LACERDA, A. C. B. O intérprete de língua brasileira de sinais (ILS). In: LODI,

MÉLO, A. D. B.; FERNANDES, E. Letramento, bilinguismo e educação de surdos.

Porto Alegre: Mediação, 2012.

______ Intérprete de Libras em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Editora Mediação: Porto Alegre, 1º edição. 2009.

MACHADO, F.D. Simetria na poética visual na língua brasileira de sinais. UFSC, PGET – Florianópolis 2013.

MACHADO, I. Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

MAGALHÃES, E. Sua majestade o intérprete: O fascinante mundo da interpretação simultânea. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

MAGALHÃES, F. P. Gêneros discursivos da esfera empresarial no ensino da Educação Profissional: reflexões, análises e possibilidades. 2011. 359f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS, 2011.

MARTINS, D. A. Trajetória de formação e condições de trabalho do Intérprete de Libras em instituições de educação superior. Dissertação (Mestrado em Educação). Campinas: PUC – Campinas, 2009.

NASCIMENTO, M. V. B. Formação de intérpretes de Libras e Língua Portuguesa: encontros de sujeitos, discursos e saberes. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem). São Paulo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo 2016.

OLIVEIRA, B. M. Teste das Modalidades de Tradução Literal e Decalque como indicadores de desenvolvimento da competência tradutória em análise de Corpus. Trabalho de Graduação Individual: Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

OLIVEIRA-HARDEN, A.R. Portal para a história da tradução: Páginas de rosto do arco do cego. In: SOUZA, G. H. P. História da Tradução. Campinas, Pontes Editores, 2015.

OUSTINOFF, M. Tradução História, teorias e métodos. São Paulo: Editora Parábola, 2015.

PAGURA, R. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA, São Paulo, v. 19, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0102-44502003000300013&script=sci_abstract&tlng=pt . Acesso em: abril de 2018.

______ A interpretação de conferências no Brasil: história de sua prática profissional e a formação de intérpretes brasileiros. 2010. Tese (Doutorado em Estudos Lingüísticos e Literários em Inglês) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8147/tde-09022011-151705/pt-br.php Acesso em: abril de 2018.

PEREIRA, M. C. P. Testes de proficiência linguística em língua de sinais: as possibilidades para os intérpretes de LIBRAS, Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo. 2008

______ Interpretação interlíngue: As especificidades da interpretação de língua de sinais. Cadernos de Tradução XXI, Vol. 1, p. 135-156. Florianópo¬lis: UFSC, PGET, 2008.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de Libras e Língua Portuguesa. Brasília: MEC, 2004.

RONAI, P. A tradução vivida. 1ª edição, Rio de janeiro, 1976.

ROBINSON, D. Construindo o tradutor. Bauru: EDUSC, 2002.

RODRIGUES, C. C. Tradução e diferença. São Paulo: Unesp, 2000.

SOBRAL, A. Do dialogismo ao Gênero: As Bases do Pensamento do Círculo de Bakhtin, 2008.

THEODOR, E. Tradução: ofício e arte. 3. Ed. São Paulo: Cultrix. 1986.

VASCONCELOS, M. L. Tradução e Interpretação de Língua de Sinais (TILS) na Pós-Graduação: a afiliação ao campo disciplinar “Estudos da Tradução”. Cadernos de Tradução. v. 2, n. 26. Florianópolis. 2010. Disponível em: Acesso em: 24 de março de 2018.

Publicado
2019-10-07
Como Citar
Sá de Souza, N. T. de, & Padilha, S. de J. (2019). O ATO TRADUTÓRIO E INTEPRETATIVO ANALISADO A PARTIR DA PERSPECTIVA BAKHTINIANA. Revista De Ciências Humanas, 18(2). Recuperado de https://periodicos.ufv.br/RCH/article/view/8705