Capital social e o acesso à proteção social

Autores

  • Antonio Carlos Andrade Ribeiro Universidade Federal de Alfenas/Professor do Magistério Superior
  • Cinthia Barros dos Santos Miranda Universidade Federal de Minas Gerais/ Doutoranda em Sociologia

DOI:

https://doi.org/10.21118/apgs.v11i1.5327

Palavras-chave:

Vulnerabilidade Social, Políticas Públicas, SUAS.

Resumo

Neste artigo analisa-se o impacto do Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) sobre a falta de capital social das famílias atendidas. Aplicou-se uma estratégia quali-quantitativa baseada em regressão linear de dados secundários e entrevistas semi-estruturadas realizadas pelos autores. Buscou-se responder à seguinte questão: os CRAS tem capacidade de suprir a falta de capital social das famílias atendidas? Foi possível mostrar como a relação com o CRAS é construída e sua importância. A percepção dos entrevistados revela como este equipamento público difunde informação às quais famílias em situação de vulnerabilidade não conseguem ter acesso por meio de suas relações sociais. Os achados mostram como o acesso ao serviço público no Brasil demandam a ação do Estado. Em contextos onde há carência de capital social e desconhecimento sobre as políticas públicas, o CRAS tem contribuído para circular informações e incentivar o fortalecimento de laços sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Andrade Ribeiro, Universidade Federal de Alfenas/Professor do Magistério Superior

Doutor em Sociologia, Mestre em Ciência Política, Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é professor no Departamento de Ciências Humanas e do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional na Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG). É Líder do Observatório de Inovações em Redes Organizacionais (OIRO) e membro do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Análise de Redes Sociais (GIARS). Atua principalmente nos seguintes temas: Processos sociais em redes público-privadas; Redes organizações; Gênese e mudança em campos organizacionais; Redes de controle da gestão pública; Políticas Públicas e Inovação.

Referências

BRASIL, (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, DF: Senado.
_____, (2004). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, DF.
_____, (2009). Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Orientações Técnicas do CRAS. Brasília, DF.
_____, (2011). Lei nº12. 435,que dispõe sobre a organização da assistência social.Brasília, DF.
BRONZO, Carla, (2009). Vulnerabilidade, Empoderamento e metodologias centradas na família: conexões e uma experiência para reflexão in Concepção e gestão da proteção social não contributiva no Brasil. -- Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, UNESCO. p. 171-201.
________, (2011). Efeitos de programas de proteção social sobre aspectos menos tangíveis da pobreza: conexão entre ativos, estratégias de resposta e estrutura de oportunidade. Relatório de Pesquisa. FJP-FAPEMIG.
BURT, Roland, (1992). Structural Holes: The Social Structure of Competition. Cambridge,MA: Havard University Press.
GRANOVETTER, Mark, (1973). The Strength of Weak Ties. American Journal of Sociology, v.78, .06, p.1360-1380.
MARQUES, Eduardo, (2010). Redes Sociais, Sergregação e Pobreza. Editora UNESP.
NEVES, Jorge. HELAL, Diogo, (2007). Superando a Pobreza: o papel do capital social na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 30º Encontro da ANPAD – Salvador/BA – Brasil.
HIGGINS Silvio Salej, (2012). A difícil construção do Capital Social: estruturas da ação coletiva numa organização camponesa colombiana. Latin American Research Review, vol. 47, No 3, p. 83-108.
PUTNAM, Robert, (2002). Democracies in flux. “Introdução” Oxford, University Press, New York.
PORTUGAL, Silvia, (2007). Contributos para uma discussão do conceito de rede na teoria sociológica. Oficina do CES nº 271. Centro de Estudos Sociais.

Downloads

Publicado

2019-01-01

Como Citar

Ribeiro, A. C. A., & Miranda, C. B. dos S. (2019). Capital social e o acesso à proteção social. Administração Pública E Gestão Social, 11(1), 79-91. https://doi.org/10.21118/apgs.v11i1.5327

Edição

Seção

Artigos