Formação continuada de professores de espanhol no contexto da pesquisa-ação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v12i01.12181

Palavras-chave:

Educação, Formação de professores, Formação continuada, Professores de espanhol, Pesquisa-ação

Resumo

Este texto objetiva analisar uma experiência de formação continuada de professores de espanhol promovida com base em pesquisa-ação. Especificamente, busca: a) conhecer as percepções dos profissionais participantes sobre o conceito de formação continuada; b) investigar sobre as vantagens e desvantagens da pesquisa-ação como método para a formação continuada de professores. Metodologicamente, o estudo se caracteriza como qualitativo e exploratório. A pesquisa-ação, além de ser objeto de investigação, também foi usada como método. Os dados foram registrados em um diário de campo e analisados a partir de análise de conteúdo (BARDIN, 2011). Como resultado, identificou-se que ações de formação continuada elaboradas a partir de metodologias participativas estimulam a participação, a apropriação e o engajamento das professoras, o que pode contribuir com decisões da gestão educacional sobre o delineamento desses processos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Gonçalves Feijó-Quadrado, Universidade Federal do Pampa - Campus Jaguarão

Doutoranda em Letras pela Universidade Federal de Pelotas. Mestra em Educação e Licenciada em Letras - português e espanhol pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa) - campus Jaguarão. Atua como Assistente em Administração também na Unipampa - campus Jaguarão.

Paula Bianchi, Universidade Federal do Pampa

Doutora em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina. Realizou estágio de doutorado no exterior na Universitat de Barcelona. Mestre em Educação Física pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é professora da Universidade Federal do Pampa e do Programa de Pós-Graduação em Educação - Curso de Mestrado em Educação/Mestrado Profissional.

Referências

ANDRÉ, Marli. Políticas de iniciação à docência para uma formação profissional qualificada. In: ANDRÉ, Marli (org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas, São Paulo: Papirus, 2016, p. 49-70.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: 70ª ed, 2011.

BÉVORT, Evelyne; BELLONI, Maria Luiza. Mídia-Educação: Conceitos, História E Perspectivas. Educ. Soc., Campinas, vol. 30, n. 109, p. 1081-1102, set./dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n109/v30n109a08.pdf. Acesso em: 17 mar. 2021.

FANTIN, Monica, RIVOLTELLA, Pier Cesare. Cultura digital e formação de professores: usos da mídia, práticas culturais e desafios educativos. Páginas 95-146. In: FANTIN, Monica; RIVOLTELLA, Pier Cesare. (Orgs.). Cultura Digital e Escola: pesquisa e formação de professores. Campinas: Papirus, 2012, 366p.

GATTI, Bernardete. Questões: professores, escolas e contemporaneidade. In: ANDRÉ, Marli (Org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas, São Paulo: Papirus, 2016, p. 35-48.

IMBERNÓN, Francisco. Formação continuada de professores. Tradução de Juliana dos Santos Padilha. Porto Alegre: Artmed, 2010.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. Tradução de Silvana Cobucci Leite. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

Jaguarão. Plano Municipal de Educação (PME). (2015). Jaguarão: Secretaria Municipal De Educação e Desporto.

LARROSA, Jorge Bondía. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Rev. Bras. Educ. [online]. 2002, n.19, p. 20-28. ISSN 1413-2478. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf. Acesso em: mar. 2021.

LEFFA, Vilson. Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras. In: LEFFA, Vilson (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas, 2001, v. 1, p. 333-355

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2 ed. Rio de Janeiro: E.P.U, 2015.

NÓVOA, António. A formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/4758. Acesso em: mar. 2021.

NÓVOA, António. Nada substitui um bom professor: propostas para uma revolução na formação de professores. In: GATTI, Bernardete Angelina et al. (org.). Por uma política nacional de formação de professores. São Paulo: Editora UNESP, 2013.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo desing para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

TARDIF, Maurice. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012, p. 31-55.

THIOLLENT, Michel. Construção do conhecimento e metodologia da extensão. Cronos, Natal, RN, v. 3, n. 2, p. 65-71, jul.dez., 2002.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2011.

THIOLLENT, Michel; COLLETE, Maria Madalena. Pesquisa-ação, formação de professores e diversidade. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 36, n. 2, 2014, p. 207-216. Editorial Universidade Estadual de Maringá. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/23626/0. Acesso em: mar. 2021.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set/dez. 2005.

Publicado

2023-12-01

Como Citar

FEIJÓ-QUADRADO, C. G.; BIANCHI, P. Formação continuada de professores de espanhol no contexto da pesquisa-ação. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 12, p. e021017, 2023. DOI: 10.22294/eduper/ppge/ufv.v12i01.12181. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/12181. Acesso em: 22 fev. 2024.