Professores e sua formação no mundo capitalista

Palavras-chave: Formação do professor. Formação profissional. Materialismo histórico-dialético.

Resumo

O artigo consiste de resultados de estudos relacionados à educação e formação de professores na perspectiva do materialismo histórico e dialético. Objetiva fazer uma retomada sobre a formação do professor e seu papel como profissional. A questão principal é: é possível uma educação para a transformação social em um sistema que não privilegia a formação profissional do professor? O artigo analisa conflitos entre os objetivos da formação do professor relacionados às necessidades de atender ao mercado de trabalho capitalista e a formação que deveria ser oferecida ao professor enquanto agente de transformação dentro da escola. A discussão centra-se na ideia de que a formação de professores precisa pautar-se na epistemologia da práxis, que ressalta a necessidade de uma prática ligada ao estudo teórico e reflexivo, isto é, uma prática consciente que ofereça aos professores a possibilidade de compreender seu papel social no sistema capitalista, além das implicações nas vidas de seus alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Fernando da Costa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Sociólogo. Doutorando do Programa de Pós-graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
Rita de Cassia de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Pedagoga. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
Heloisa Helena Oliveira de Azevedo, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Pedagoga. Doutora em Educação. Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Referências

BRASIL. Lei n° 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2015.

BRASIL. Decreto nº 3.276, de 6 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Portal MEC. Brasília: MEC/CNE/CP, 2002.

BRASIL. Lei nº 11.273, de 6 de fevereiro de 2006. Autoriza a concessão de bolsas de estudo e de pesquisa a participantes de programas de formação inicial e continuada de professores para a educação básica. Diário Oficial da União. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 2006.

CAVAROZZI, Marcelo. Ação presidencial na América Latina: antecedentes históricos e uma tipologia do século XXI. In: FAUSTO, Sergio (Org.) Difícil democracia. São Paulo: Paz e Terra, p. 16-51, 2010.

COSTA, Rafael Fernando da. Formação Inicial de professores de Sociologia: uma análise de suas necessidades formativas. 2009. 124f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, 2009.

DAGNINO, Evelina. Construção democrática, neoliberalismo e participação: os dilemas da confluência perversa. Política & Sociedade – Revista de Sociologia Política, v. 3, n. 5, p. 139-164, out. 2004.

FISCHMAN, Gustavo; SALES, Sandra Regina. Formação de professores e pedagogias críticas. É possível ir além das narrativas redentoras? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15 n. 43, p. 7-20, jan./abr. 2010.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GHEDIN, Evandro. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

HÖFLING, Eloísa de Mattos. Estado e Políticas (Públicas) sociais. Cadernos CEDES, ano XXI, n. 55, p. 30-41, nov. 2001.

KONDER, Leandro. Marx e a Sociologia da Educação. In: TURA, Maria de Lourdes Rangel (Org.). Sociologia para educadores. 3 ed. Rio de Janeiro: Quartet, p. 11-24, 2004.

MANACORDA, Mario Alighiero. Karl Marx e a liberdade. São Paulo: Alínea, 2012.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

PÍRES, Marília Freitas de Campos. O materialismo histórico-dialético e a Educação. Interface — Comunic, Saúde, Educ. v. 1, n. 1, p. 83-94, ago. 1997. Disponível em: Acesso em: 16 mar. 2015.

SAVIANI, Demerval. Pedagogia histórico crítica: primeiras aproximações. 10 ed. São Paulo: Autores Associados - Coleção Educação Contemporânea. 2008.

SAVIANI, Demerval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 40. p. 143-155. jan./abr. 2009.

SCALCON, Suze. O pragmatismo e o trabalho docente profissionalizado. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 2, p. 489-521, jul./dez. 2008.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Humanismo, Personalismo e os desafios sociais da educação contemporânea. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 18, n. 36, p. 155-164, 2009.

VÁZQUEZ, Adolfo Sánchez. Filosofia da práxis. CLACSO; SP: Expressão Popular, 2007.

WEBER, Silke. Profissionalização docente e políticas públicas no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 85, p. 1125-1154, dez. 2003.
Publicado
2018-06-03
Como Citar
Costa, R. F. da, Oliveira, R. de C. de, & Azevedo, H. H. O. de. (2018). Professores e sua formação no mundo capitalista. Educação Em Perspectiva, 9(1), 142-158. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i1.924
Seção
Artigos