Ser jovem “crente”: a escolha por uma distinção - pensando igreja, família, juventude e “mundo”

  • Maria de Fátima Paz Alves Universidade Federal Rural de Pernambuco

Resumo

No artigo discutimos sentidos e implicações de ser jovem e afiliado a uma denominação pentecostal clássica – A Assembléia de Deus. Participar deste contexto de fé implica numa escolha por uma distinção, que se atrela ao desenvolvimento de capitais sociais, culturais e simbólicos. Observam-se crescentes negociações sobre “doutrina”, “usos e costumes”, em função de nuances e divisões internas que configuram relações complexas e dinâmicas, envolvendo os/as jovens, a família e a igreja. O trabalho tem por base pesquisa de base qualitativa com adeptos da AD em Recife, durante os anos de 2007 e 2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Paz Alves, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Doutora em Antropologia pelo programa de Pós-graduação em Antropologia da UFPE e professora do departamento de Ciências Domésticas da UFRPE.

Referências

ABRAMO,H.W. Condições juvenis no Brasil contemporâneo. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. M. (Orgs.). Retratos da Juventude brasileira. Análise de uma pesquisa nacional. São Paulo: Editora Perseu Abramo/ Instituto cidadania, 2005, p. 37 – 72.

ALVES, M.F.P. Um Jovem separado do mundo.Igreja, juventude e sexualidade na perspectiva de jovens da Assembleia de Deus. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-graduação em Antropologia/UFPE, Recif, 2009.

ALVIM, R. Juventude, diferenças e desigualdades. In: XIII Congresso brasileiro de sociologia. Recife, 2007.

BAPTISTA. S. T. C. “Fora do mundo” – dentro da política: Identidade e “missão parlamentar” da Assembléia de Deus em Belém. (Dissertação Mestrado em Sociologia). Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade Federal do Pará – UFPA, Belém, 2002.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. Modernidade, pluralismo e crise de sentido. A orientação do homem moderno. 2ª edição. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2004.

BERGER, P. L.Una gloria remota: avere fede nell’epoca del pluralismo. Bologna: Editora Il Mulino, 1994.

BIRMAN, P. Conexões políticas e bricolagens religiosas: questões sobre o pentecostalismo a partir de alguns contrapontos. In: SANCHIS, P. (org.) Fiéis e cidadãos. Percursos do sincretismo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Universitária - UERJ. 2001, p.59 - 86.

BIRMAN, P. Conferência de abertura. Mesa redonda: Religião, republicanismo e espaço público. FUNDAJ, Recife, agosto de 2007.


BITTENCOURT FILHO, J. Matriz religiosa Brasileira: religiosidade e mudança social. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2003.

BOURDIEU, P.A economia das trocas simbólicas. 5ª edição, São Paulo: Editora Perspectiva, 2003.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

BOURDIEU. P. A juventude é apenas uma palavra. In: Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1983.

BURITY, J. Religião Cultura e pluralismo. Mesa redonda: Religião republicanismo e espaço público. FUNDAJ, Recife, agosto de 2007.

CEBOTAREV, N. Una vision critica y política de familia y desarrollo. Editora Universidad de Caldas,
Colombia, 2007.

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2001. IBGE, Rio de janeiro, 2001.

CHAVES, J. C. Ficar com: um novo código entre jovens. 3ª edição. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2001.

CÓDIGO DE ÉTICA DO ANTROPÓLOGO. http//: abant.org.br. Acessado em 10 de fevereiro de outubro de 2012.

COUTO, M.T.C. 2002. Na trilha do gênero: pentecostalismo e CEBS.In: Revista Estudos feministas. V.10, n.2, Florianópolis july/dec.2002.

DUARTE, L. F. D. Ethos privado e justificação religiosa. Negociações da reprodução na sociedade brasileira. In: HEILBORN, M. L. et al. Sexualidade, família e ethos religioso. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2005, p. 137-176.

DUARTE, L. F. D. et al. (Orgs.) Família e Religião. Rio de janeiro: Contra capa, 2006.

FRESTON, P. Breve história do pentecostalismo brasileiro.In:Antoniazzi et al (org). Nem anjos, nem demônios. Interpretações sociológicas do pentecostalismo. 1994.

GOMES, E. C.; NATIVIDADE, M. T. Para além da família e da religião: segredo e exercício da sexualidade. Religião e Sociedade, v. 26, nº 2. Rio de Janeiro, 2006.

HEIBORN, M.L.Sexualidade. O olhar das Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1999.

HEIBORN, M. L. Família e sexualidade. Rio de Janeiro. FGV, 2004.

HERVIEU – LÉGER, D. Christianisme et modernité. (èd. Avec R. Ducret et P. Ladrière). Paris, Cerf, 1990.

HOFFNAGEL, J. C. The believers: pentecostalism in a brazilian city. Tese de doutorado, Indiana University, 1978.

MACHADO, M. D. C. Corpo e Moralidade Sexual em Grupos Religiosos. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 1, 1995, p. 7 - 27.

MACHADO, M.D.C. 1997b. Mulheres: da prédica pentecostal ao debate sobre sexualidade, saúde reprodutiva, aborto e planejamento familiar.In: Schpun (org.) Gênero sem fronteiras. Oito olhares sobre mulheres e relações de gênero.

MACHADO, M.D.C. Representações e relações de gênero nos grupos pentecostais.In: Estudos feministas, 13/2 – maio agosto de 2005.

MARIANO. 2004. Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal. In: Estudos Avançados 18(52), 2004.

MARIZ, C. L. Religião e políticas públicas. Mesa redonda: Religião, republicanismo e espaço público. Recife, agosto de 2007.

MARIZ,C. & MACHADO, M.D.C.1994. Sincretismo e trânsito religioso: comparando carismáticos e pentecostais. Comunicações do ISER, 45, 1994.

MINAYO, M. C. S. de O desafio do conhecimento. São Paulo: CITEC-ABRASCO, 1992.

MONTEIRO, S. Qual prevenção? AIDS, sexualidade e gênero numa favela carioca. Rio de Janeiro, FIOCRUZ, 2002.

MOTTA, R. M. C. Sociologia da Religião. Comunicação pessoal. Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Universidade Federal de Pernambuco. Departamento de Ciências Sociais. Recife, 2007.

NATIVIDADE, M. T. Homossexualidade masculina e experiência religiosa pentecostal. In: HEILBORN, M. L. et al (orgs.). Sexualidade, família e ethos religioso. Rio de Janeiro: Editora Garamound, 2005.

NATIVIDADE, M. T. Religião, sexualidade e direitos humanos. XIV Jornadas sobre alternativas religiosas em América Latina. Asociación de cientistas sociales de La religón en el Mercosul. Universidad Nacional de San Martin. Buenos Aires, setembro de 2007.

NOVAES, R.R. Juventude, percepções e comportamentos: a religião faz diferença?.2005. In: ABRAMO, H.W. & BRANCO, P.P.M. Retratos da juventude brasileira. Análises de uma pesquisa nacional. São Paulo, Ed Perseu Abramo/ Instituto Cidadania.

NOVAES, R.R. Os jovens, os ventos secularizantes e o espírito do tempo. In: TEXEIRA, F.; MENEZES, R. As religiões no Brasil: continuidade e rupturas. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2006, p.135 - 160.

PARKER R. 1994. Corpos, Prazeres e Paixões. São Paulo, Best Seller.

ROHDEN, F. Religião e iniciação sexual em jovens de camadas populares. In: HEILBORN, M. L. et al. Sexualidade, família e ethos religioso. Rio de Janeiro: Garamond, 2005. p. 177 - 206.

SANCHIS, P. O repto pentecostal à cultura católico-brasileira. In: ANTONIAZZI, A. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1994, p. 34 - 63.

SCOTT, R.P. & CANTARELLI, J. Jovens, religiosidade e aquisição de conhecimentos e habilidades entre camadas populares (dossiê). In: Caderno CRH, Salvador, v.17, n.42, p.375-388, set/dez. 2004.

SILVA, C. J. A doutrina dos usos e costumes da Assembléia de Deus. Dissertação de mestrado. Mestrado em Ciências da religião, UCG, Goiânia, 2003.

SOARES, L. E. A duplicidade da cultura brasileira. In: SOUZA, J. (org.) O malandro e o protestante. Brasília: Editora Universitária - UNB, 1999.

SOUZA. S. (org.) Gênero e religião no Brasil: ensaio feminista. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006.

WACQUANT, L.Notas para esclarecer a noção de habitus. Artigo Foxlt Software. Abril de 2007. Disponível em http://www.foxitsoftware.com Acessado em Abril de 2007.
Publicado
2012-06-14
Como Citar
Paz Alves, M. de F. (2012). Ser jovem “crente”: a escolha por uma distinção - pensando igreja, família, juventude e “mundo”. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 23(1), 101-120. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3643
Seção
Artigos