Metodologias participativas para estudos em assentamentos rurais: notas de algumas experiências EM Minas Gerais.

  • Junia Marise Matos de Sousa
  • Lucas Magno Universidade Federal de Viçosa

Resumo

O objetivo do trabalho foi apresentar algumas experiências metodológicas para estudos em assentamentos rurais aplicadas em Minas Gerais, neste contexto o assentamento estudado foi do município de Buritizeiro, região Norte do Estado de Minas Gerais, tomando como referências as metodologias qualitativas e participativas. As experiências apresentadas revelaram a pertinência entre os objetivos e os resultados alcançados, o que as conferiu validade em sua utilização e/ou adaptação por outros pesquisadores. Embora essas tenham sido sintetizadas de modo a obter uma visão geral das possibilidades de pesquisa participativa, espera-se que sejam consistentes ao demonstrarem que são alternativas importantes e adequadas para os estudos em assentamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Junia Marise Matos de Sousa
Graduada em Economia Doméstica (UFV), Mestrado em Economia Doméstica (UFV), Doutorado em Geografia (UFS), Pós Doutorado em Economia Doméstica (UFV). Professora Adjunta na Universidade Federal de Viçosa, na área de metodologia de pesquisa.
Lucas Magno, Universidade Federal de Viçosa
Doutorando em Geografia na Universidade Federal de Santa Catarina e Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais/Campus Muriaé, MG, Brasil.

Referências

CAUME, D. J. O MST e os assentamentos de reforma agrária: a construção de espaços sociais modelares. Passo Fundo-RS: Ed. UPF, 2006.

COELHO, F. M. G. A arte das orientações técnicas no campo: concepções e métodos. Viçosa: UFV, 2005.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 2005.

GUERREIRO, I. C. Z, et al. Ética nas pesquisas em Ciências Humanas e Sociais na saúde. São Paulo: HUCITEC, 2008.

GUIMARÃES, A. P. Quatro séculos de latifúndio. Rio de Janeiro-RJ: Paz e Terra, 1981.

HAESBAERT, R. Concepções de território para entender a desterritorialização. In: SANTOS, Milton; BECKER, Bertha et. al. (Orgs.). Território, territórios – ensaios sobre o ordenamento territorial no Brasil. Niterói-RJ: Lamparina, 2007. p. 43-71.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro-RJ: Bertrand Brasil, 2004.

____________. Des-caminhos e perspectivas do território. In: RIBAS, A. D.; SPOSITO, E. S.; SAQUET, M. A. (Org.). Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão-PR: UNIOESTE, 2004. p. 87-119.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na sociologia. 3 ed., Petrópolis: Vozes, 1992.

LEITE, S. et. al. Impactos dos assentamentos: um estudo sobre o meio rural brasileiro. Brasília: Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura IICA/ NEAD; São Paulo: Editora da UNESP, 2004.

MEDEIROS, L. S. de. Reforma agrária no Brasil. História e atualidade da luta pela terra. 1. ed. São Paulo-SP: Editora Fundação Perseu Abramo (Coleção Brasil Urgente), v. 1, 2003.

___________; LEITE, S. Assentamentos rurais e mudanças locais: uma introdução ao debate. In: MEDEIROS, Leonilde; LEITE, Sérgio (Org.). Assentamentos rurais, mudança social e dinâmica regional, Rio de Janeiro-RJ: MAUAD, 2004. p. 17-52.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

OLIVEIRA, A. U. A geografia das lutas no campo. 13. ed., São Paulo-SP: Contexto, 2005. (Coleção Repensando a Geografia).
PEREIRA, J. R. Visões mediadoras e o papel dos diagnósticos participativos na organização de assentamentos rurais. Revista de Administração da UFLA, v. 03, 2001. 10p.

PRADO JÚNIOR, C. A questão agrária no Brasil. São Paulo-SP: Editora Brasiliense, 1979.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo-SP: Editora Ática, 1993.

SOUSA, J. M. M de. Qualidade de vida em assentamentos de reforma agrária: uma aproximação metodológica. Viçosa: UFV, 2011. 104p. (Relatório Final de Pós-doutoramento).

_____________. Do acampamento ao assentamento: Uma análise da reforma agrária e qualidade de vida em Sergipe. São Cristovão, UFS,. Tese (Doutorado em Geografia). Departamento de Geografia, Universidade Federal de Sergipe, 2009. 368f

VERDEJO, M. E. Diagnóstico rural participativo: guia prático de DRP. Brasília: MDA/Secretaria da Agricultura Familiar, 2006.

WEBER, L. N. D. Pesquisando a família: instrumentos para coleta e análise de dados. Curitiba: Juruá, 2009.

WHITAKER, D. C. A. Sociologia Rural: questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau: Letras à Margem, 2002.
Publicado
2016-12-08
Como Citar
Matos de Sousa, J. M., & Magno, L. (2016). Metodologias participativas para estudos em assentamentos rurais: notas de algumas experiências EM Minas Gerais. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 27(2), 227-250. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3705
Seção
Artigos