MODELOS EMPÍRICOS DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA COM ESGOTO SANITÁRIO TRATADO

Autores

  • Rafael Oliveira Batista
  • Antonio Alves Soares
  • José Antonio Rodrigues de Souza
  • Raquel Oliveira Batista

DOI:

https://doi.org/10.13083/reveng.v16i3.38

Palavras-chave:

água residuária, fertirrigação, gotejadores, obstrução

Resumo

Este trabalho teve por objetivo obter modelos empíricos que relacionam os fatores de entupimento, tempo de operação, manganês total, ferro total, sólidos suspensos, sólidos dissolvidos, pH e coliformes totais, com o desempenho hidráulico de sistemas de irrigação por gotejamento aplicando esgoto sanitário tratado. Para tal, montou-se uma bancada experimental com três tipos de gotejadores (M1 - não autocompensante e comprimento de labirinto de 177 mm; M2 - autocompensante e comprimento de labirinto de 260 mm; e M3 - não autocompensante e comprimento de labirinto de 396 mm). Realizou-se a medição da vazão dos gotejadores e análises física, química e biológica do efluente, a cada 80 h de funcionamento do sistema. Os resultados indicaram que os gotejadores com maiores comprimentos de labirinto foram os mais suscetíveis ao entupimento. Existem relações lineares múltiplas entre a vazão dos gotejadores e os fatores de entupimento tempo de operação, manganês total, ferro total, sólidos dissolvidos e pH.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Batista, R. O., Soares, A. A., Souza, J. A. R. de, & Batista, R. O. (2008). MODELOS EMPÍRICOS DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA COM ESGOTO SANITÁRIO TRATADO. Revista Engenharia Na Agricultura - Reveng, 16(3). https://doi.org/10.13083/reveng.v16i3.38

Edição

Seção

Recursos Hídricos e Ambientais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>