Uma inteligência artificial na educação para além do modelo behaviorista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v12i3.15452

Palavras-chave:

Behaviorismo, Inteligência Artificial, Pedagogia

Resumo

A expansão da Inteligência Artificial (IA) tende a gerar impactos na educação, tanto no processo de aprendizado como na organização do sistema educativo. A IA também facilita o design de pedagogias colaborativas avançadas. Contudo, o modelo dominante de IA na educação utilizado nas instituições educacionais privadas é baseado na abordagem behaviorista. A coleta massiva de dados para sustentar esse modelo implica discutir questões éticas, como a privacidade e o interesse comercial nos dados dos usuários. É possível suscitar outras IA baseadas no modelo pedagógico de Vygotsky, ou na dialogicidade de Paulo Freire, e também em outras pedagogias. Modelos de IA baseados na interação e no trabalho de grupo podem contribuir para uma educação mais produtiva e solidária, não apenas focada no desempenho individual do aluno em provas. Para tanto, os educadores devem participar dessa discussão para pautar uma IA na educação além do modelo behaviorista dominante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AOUN, J. E. Robot-proof: higher education in the age of artificial intelligence. Cambridge, MA: MIT Press, 2017.

ARRUDA, E; SANTOS, B. Dimensões da inteligência artificial no contexto da educação contemporânea. Educação Unisinos, v. 23, n. 4, p. 726-741, out./dez. 2019.

BAILENSON, J. N. Nonverbal overload: a theoretical argument for the causes of Zoom fatigue. Technology, Mind, and Behavior, v. 2, n. 1, p. 1-6, 2021.

BODEN, M. Inteligência Artificial: brevíssima introdução. São Paulo: Editora UNESP, 2020.

BRUSCATO, A. M.; BAPTISTA, J. Modalidades de ensino nas universidades brasileiras e portuguesas: um estudo de caso sobre a percepção de alunos e professores em tempos de Covid-19. Revista Brasileira de Educação, v. 26, p. 1-25, 2021.

CAMPOS, L. F. A.; LASTORIA, L. A. N. Semiformação e inteligência artificial no ensino. Pro-posições, Campinas, v. 31, p. 1-18, 2020.

CHERRY, K. Condicionamento operante: definição, como funciona e exemplos. Universo da Psicologia, 2022. Disponível em: https://psicoativo.com/2016/08/condicionamento-operante-definicao-como-funciona-e-exemplos.html. Acesso em: 09 abr. 2022.

COVINO, G. Ethics and artificial intelligence: the principles of Asilomar and Human-centered AI. Migalhas Filosóficas, 2020. Disponível em https://bricioledifilosofia.com/2020/06/09/ethics-and-artificial-intelligence-the-principles-of-asilomar-and-human-centered-ai/. Acesso: em 05 jan. 2021.

CRUZ, L. R.; VENTURINI, J. R. Neoliberalismo e crise: o avanço silencioso do capitalismo de vigilância na educação brasileira durante a pandemia da Covid-19. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 28, p. 1.060-1.085, 2020.

DILHAC, M.-A. Entrevistado por Régis Meyran. Os riscos éticos da IA, 2018. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000265258_por. Acesso em: 14 abr. 2022.

DOMENICI, T. Laureate usa robôs no lugar de professores sem que alunos saibam. Agência Pública, abril de 2020. Disponível em: https://apublica.org/2020/04/laureate-usa-robos-no-lugar-de-professores-sem-que-alunos-saibam/. Acesso em: 31 mar. 2022.

DONOVAN, J; BOYD, D. Stop the presses? Moving from strategic silence to strategic amplification in a networked media ecosystem. American Behavioral Scientist, v. 65, n. 2, p. 1-18, 2019.

PARREIRA, A.; LEHMANN, L.; OLIVEIRA, M. O desafio das tecnologias de inteligência artificial na educação: percepção e avaliação dos professores. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 29, n. 113, p. 975-999, 2021.

GONÇALVES, I.; FARIA, L. M. Tecnologias e educação escolar: a escola pode ser contemporânea do seu tempo? Educação & Sociedade, v. 42, p. 1-14, 2021.

HAENLEIN, M.; KAPLAN, A. A brief history of artificial intelligence: on the past, present, and future of artificial intelligence. California Management Review, v. 61, n. 4, p. 5-14, 2019.

HAN, B-C. Sociedade do cansaço. Tradução Enio Paulo Giachin. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2019.

HARARI, Y. 21 lições para o século 21. Tradução Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HILL, R. What an algorithm is. Philosophy and Technology, v. 29, n. 1, p. 35-59, 2016.

IDOETA, P. A. Por que algoritmos das redes sociais estão cada vez mais perigosos, na visão de pioneiro da Inteligência Artificial. BBC News Brasil, 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-58810981. Acesso em: 7 mar. 2022.

JAQUES, P.; NUNES, M.; ISOTANI, S.; BITTENCOURT, I. Computação afetiva aplicada à Educação: dotando sistemas e tutores inteligentes de habilidades sociais. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO, 2012, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2012.

KAUFMAN, D. A inteligência artificial irá suplantar a inteligência humana? São Paulo: Editora das Letras e Cores, 2019.

KRUTKA, D. G.; SMITS, R. M.; WILLHELM, T. A. Don’t be evil: should we use Google in schools? TechTrends, v. 65, n. 4, p. 421-431, 2021.

LAPIERRE, J. How IA enhances colaborative learning. Filament Games, 2018. Disponível em: https://www.filamentgames.com/blog/how-ai-enhances-collaborative-learning/. Acesso em: 27 ago. 2021.

LASSALLE, J. M. Ciberleviatán: el colapso de la democracia liberal frente a la revolución digital. Barcelona: Arpa Editores, 2019.

LUCKIN, R.; HOLMES, W.; GRIFFTHS, M.; FORCIER, L. Intelligence unleashed: an argument for AI in Education. London: Pearson, 2016.

MOROZOV, E. Big Tech: a ascensão dos dados e a morte da política. Tradução Claudio Marcondes. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

NAGUMO, E.; TELES, L.; SILVA, L. Educação e desinformação: letramento midiático, ciência e diálogo. ETD: Educação Temática Digital, v. 24, p. 220-237, 2022.

NAGUMO, E.; TELES, L. A utilização de vídeos do YouTube como suporte ao processo de apren-dizagem. Revista Eletrônica de Educação, v. 14, p. 1-12, jan./dez. 2020.

NÓVOA, A; ALVIM, Y. Os professores depois da pandemia. Educação e Sociedade, v. 42, p. 1-16, 2021.

OLIVEIRA, M. Vygotsky aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

O’NEIL, C. Algoritmos de destruição em massa. Rio Grande, RS: Editora Rua do Sabão, 2021.

PARRA, H. Z. M. et al. Infraestruturas, economia e política informacional: o caso do Google Suite For Education. Mediações, v. 23, n. 1, p. 63-99, 2018.

PAVLOV, I. Reflexos condicionados e inibições. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972.

ROSA, H. Aceleração: a transformação das estruturas temporais na modernidade. Tradução Rafael H. Silveira. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2019.

RUSSELL, S. Inteligência artificial a nosso favor. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

SICHMAN, J. S. Inteligência Artificial e sociedade: avanços e riscos. Revista de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, v. 35, n. 101, p. 37-49, 2021.

SILVA, F.; NETA, N. Afetividade e ensino-aprendizagem: influência favorável na relação professor-aluno-objeto de conhecimento. Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas, v. 17, n. 31, p. 31-49, 2017.

SKINNER, B. F. Teaching machines. Scientific American, n. 205, p. 90-112, 1961.

TAILLE, Y. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Editora Summus, 1992.

TAVARES, L. A.; MEIRA, M. C.; AMARAL, S. F. Inteligência Artificial na Educação: survey. Brazil Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 48.699-48.714, jul. 2020.

TUOMI, I. The impact of Artificial Intelligence on learning, teaching, and education. European Union, 2018. Disponível em: https://www.bing.com/search?q=TUOMI%2C%20I.

%20The%20Impact%20of%20Artificial%20Intelligence%20on%20Learning%2C%20Teaching%2C%20and%20Education&pc=0OSG&ptag=C999N2687D021223A71526123B2&form=CONBNT&conlogo=CT3210127. Acesso em: 18 set. 2021.

VASQUEZ-CANO, E. Artificial intelligence and education: a pedagogical challenge for the 21st century. Educational Process: International Journal, v. 3, p. 7-12, 2021.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

WATSON, J. B. Psychology as the behaviorist views it. Psychological Review, v. 20, p. 158-177, 1913.

WOLF, M. O cérebro no mundo digital: os desafios da leitura na nossa era. Tradução Rodolfo Ilari e Mayumi Ilari. São Paulo: Contexto, 2019.

XAVIER, F. C. Nem toda inteligência Artificial é inteligente. Mit Technology Review, nov. 2021. Disponível em: https://mittechreview.com.br/nem-toda-inteligencia-artificial-e-inteligente/. Acesso em: 03 abr 2022.

ZANELLA, B.; LIMA, M. Refletindo sobre os fatores de resistência no uso das TICs nos ambientes escolares. Scientia Cum Industria, v. 5, n. 2, p. 78-89, 2017.

ZAWACKI-RICHTER, O.; MARIN, V. I.; BOND, M.; GOUVERNEUR, F. Systematic review of research on Artificial Intelligence applications in higher education – Where are the educators? International Journal of Educational Technology in Higher Education, v. 16, n. 39, p. 2-24, 2019.

ZUBOFF, S. A era do capitalismo de vigilância. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2021.

Downloads

Publicado

20-09-2023

Como Citar

TELES, L.; NAGUMO, E. Uma inteligência artificial na educação para além do modelo behaviorista . Revista Ponto de Vista, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 01–15, 2023. DOI: 10.47328/rpv.v12i3.15452. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/15452. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos