A Lei Maria da Penha e os desafios do trabalho policial

Resumo

Este artigo propõe discutir a atuação de policiais na construção da queixa de violência doméstica de mulheres no cotidiano de uma delegacia de polícia. A partir de observação participante e imersão em uma delegacia, busca-se analisar as novas demandas para a atuação policial. A resposta coercitiva, que sempre marcou o lugar social da polícia brasileira, se vê confrontada, a partir de mecanismos políticos institucionais como a Lei Maria da Penha, a construir uma atuação educativa que flexibilize a lógica masculina própria da instituição. Marcadores de gênero e diferentes performances atravessam o trabalho de um (a) profissional que se vê desafiado (a) a compor novos arranjos subjetivos e saberes da prática que questionem o já consolidado aprendizado advindo da Academia de polícia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABDALA, Claudia; SILVEIRA, Kátia; MINAYO, Maria Cecília de Souza. Aplicação da Lei Maria da Penha nas Delegacias de mulheres: o caso do Rio de Janeiro. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Rio de Janeiro, v. 4, p.571-600, 2011. Out/nov/dez.

BRANDÃO, Elaine Reis. Violência Conjugal e o recurso feminino à policia. In: BRUSCHINI, Cristina; HOLANDA, Heloísa Buarque de. Horizontes Plurais: novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1998. p. 51-84.

BRANDÃO, Elaine Reis. Renunciantes de Direitos? A problemática do enfrentamento público da violência contra a mulher: O caso da Delegacia da Mulher. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 2, n. 16, p.207-231, 2006.

BRASIL. Presidência da República. Lei n.11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria Mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do §8º do art.226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de execução Penal; e dá outras providências. [acesso em 2019 jul 12]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm. Acesso em: 15 ago.2019.

BRASIL. Presidência da República, Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para Mulheres; 2013.

BRASIL. Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Presidência da República. Política Nacional de enfrentamento da violência contra as mulheres. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, DF: Secretaria de Políticas para Mulheres; 2011.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. 2ªEd. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano I: a arte de fazer. Petrópolis: Editora Vozes, 1994.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos IV: Estratégia Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.
FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits IV. Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, Michel. A Verdade e as Formas Jurídicas. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2002.

GARCIA. Regina Leite. A difícil arte de pesquisar com o cotidiano. In: GARCIA, Regina Leite. (Org). Método Métodos Contramétodo. Rio de Janeiro: Cortez Editora, 2003.


PAIXÃO, Antônio Luiz. A Organização Policial numa área metropolitana. Revista Dados. Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 23-47. 1982

PONCIONI, Paula. O Modelo Policial Profissional e a Formação Profissional do Futuro Policial nas Academias de Polícia do Estado do Rio de Janeiro. Sociedade e Estado, Brasília, v. 3, n. 20, p.585-610, 2005. Set/dez.

ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: transformações contemporâneas do Desejo. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2011.

SANTOS, José Vicente Tavares dos. A arma e a flor: formação da organização policial, consenso e violência. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 1, n. 9, p.155-168, maio 1997.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 20 , p. 71-100, jul./dez. 1995.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1999.
Publicado
2020-06-03
Como Citar
Pereira dos Santos, A., & Rodrigues Costa, L. (2020). A Lei Maria da Penha e os desafios do trabalho policial. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 31(1), 40-56. https://doi.org/10.31423/oikos.v31i1.10429