Integralidade do cuidado em saúde sexual e reprodutiva: dificuldades da prática profissional

  • Aline Rodrigues Alves Universidade Federal de Viçosa
  • Maria de Fátima Lopes Universidade Federal de Viçosa
  • Marisa Barletto Universidade Federal de Viçosa
  • Paula Dias Bevilacqua Universidade Federal de Viçosa

Resumo

O presente estudo de natureza qualitativa buscou, através de um estudo de caso, identificar junto aos profissionais que atuam no Programa de Saúde da Família- PSF, quais os aspectos que fragilizam e ou potencializam a promoção de ações integrais de saúde no campo sexual e reprodutivo. A construção dos dados foi feita através da observação direta e entrevistas semi-estruturadas, as quais foram transcritas e analisadas pela técnica de Análise de Conteúdo. Os dados revelaram que a efetivação da integralidade do cuidado está longe de se tornar uma realidade, e as dificuldades para alcançá-la foram sentidas pelas profissionais entrevistadas sob diferentes aspectos, quais sejam: o silêncio das usuárias, a fragilidade do vínculo profissional e também a falta de capacitação para trabalhar as questões afeitas à saúde sexual e reprodutiva. Entretanto, apesar de reconhecerem as dificuldades para promoverem ações integrais, as equipes de saúde não se mobilizam para transformar essa realidade.

Palavras chave: Saúde sexual e reprodutiva. Ações de saúde. Integralidade do cuidado.

 

ABSTRACT:

This qualitative study, through a case study, sought to with the professionals who work at the Family Health Program-PSF, identify which aspects weaken or intensify the promotion of thorough health services, in the sexual and reproductive field. Data was collected thorough direct observation and structured interviews which were transcribed and analyzed by content analysis. The data revealed that the effectiveness of thorough care is far from becoming a reality, and the difficulties to reach it, were felt by the professionals interviewed in different aspects such as: the silence of the patients, the fragility of the professional bond and also the lack of professional training to deal with  questions related to sexual and reproductive health. However, despite acknowledging the difficulties to promote thorough actions, the staff fail to take actions to change this reality.


Keywords: Sexual and reproductive health. healthy actions. Thorough care.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Rodrigues Alves, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em enfermagem e especialização em Gestão da Atenção à Saúde pelo Centro Universitário de Formiga- UNIFOR-MG e mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é professora efetiva do IFMG Campus Bambuí, lotada no Departamento de Ciências Gerenciais, e atua na área da saúde.
Maria de Fátima Lopes, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (1976), mestrado em Extensão Rural pela Universidade Federal de Viçosa (1983) e doutorado em Antropologia Social pelo Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995). Atualmente é Professora Associada da Universidade Federal de Viçosa e Coordenadora-Geral do Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero-NIEG. Tem experiência na área de Ciências Sociais e Metodologias Participativa, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria Feminista, Relações de Gênero, Estudo da Família, Gênero e Agroecologia Saúde e Direito Sexual- Reprodutivo.
Marisa Barletto, Universidade Federal de Viçosa
possui graduação em Psicologia pela Universidade Gama Filho (1984), mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (1993) e doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2006). Atualmente é professora adjunta do Departamento de Educação da Universidade Federal de Viçosa e Coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Gênero - NIEG - da UFV. É presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher na cidade de Viçosa, MG, gestão 2008-2010. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: currículo, prática pedagógica, subjetividade, gênero e movimentos sociais.
Paula Dias Bevilacqua, Universidade Federal de Viçosa
Possui graduação em Medicina Veterinaria pela Universidade Federal de Viçosa (1988), especialização em Epidemiologia Aplicada aos Serviços de Saúde (UFMG - 1997), em mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993) e doutorado em Ciência Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais (1999). Atualmente é professora da Universidade Federal de Viçosa, consultora da Fundação Nacional de Saúde e consultora do Ministério da Saúde. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia, atuando principalmente nos seguintes temas: qualidade da água, epidemiologia, saúde pública, epidemiologia qualitativa.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009. 281 p.

BRASIL. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. 236 p.

BRASIL. Guia Prático do Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

CAMPOS, Carlos Eduardo Aguilera. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 2, n. 8, p. 569-584, 2003.

CHAUÍ, Marilena. “Repressões nossas conhecidas”. Repressão sexual: Essa nossa (des)conhecida. São Paulo: Brasiliense. 1984. p. 77-187

CORRÊA, Sonia; ÁVILA, Maria Betânia. Direitos Sexuais e Reprodutivos Pauta Global e Percursos Brasileiros. In: BERQUÓ, Elza. Sexo & Vida Panorama da Saúde Reprodutiva no Brasil. São Paulo: Editora da Unicamp, 2003.

CORREA, Sonia; JANNUZZI, Paulo de Martinho; ALVES, José Eustáquio Diniz. Direitos e saúde sexual e reprodutiva: marco teórico-conceitual e sistema de indicadores. Trabalho realizado com o apoio do UNFPA-Brasil, no âmbito do Sub-programa de Saúde Sexual e Reprodutiva, Projeto “Sistema de Indicadores Municipais em Saúde Sexual e Reprodutiva”, coordenado pela ABEP e IBGE. Rio de Janeiro, setembro de 2003. Disponível em: Acesso em: 12/04/10

DÍAZ, Margarita; CABRAL, Francisco; SANTOS, Leandro. Os direitos sexuais e reprodutivos. In: RIBEIRO, C.; CAMPUS, M.T.A. Afinal, que paz queremos? Lavras: Editora UFLA, 2004. p 45-70

DUARTE, Luiz Fernando Dias. Ethos Privado e Justificação Religiosa. Negociações da Reprodução na Sociedade Brasileira. In: HEILBORN, Maria Luiza; DUARTE, Luiz Fernando Dias; PEIXOTO, Clarice; BARROS, Myriam Lins. SEXUALIDADE, FAMÍLIA E ETHOS RELIGIOSO. Rio de Janeiro: Garamond, 2005. p. 137-175.

FOUCAULT. Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. 19. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HEILBORN, Maria Luiza. Comunicação Corporal, comunicação verbal: trajetórias sexuais no Brasil e na França. ANPOCS, Seminário Temático 1322, 6ª sessão, 1997.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados demográficos sobre o município de Córrego Fundo estimados de acordo com o último censo de 2010.
Disponível em: Acesso em: 02/02/2011.
Publicado
2011-06-29
Como Citar
Alves, A. R., Lopes, M. de F., Barletto, M., & Bevilacqua, P. D. (2011). Integralidade do cuidado em saúde sexual e reprodutiva: dificuldades da prática profissional. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 22(1), 195-209. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3607
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)