Prostituição masculina em Belo Horizonte: evidências da questão social

  • Reginaldo Guiraldelli

Resumo

Este artigo resulta de pesquisa com homens que praticam a prostituição, também conhecidos como garotos de programa, em Belo Horizonte. Estudos sobre o tema e a utilização de entrevistas com enfoque qualitativo contribuíram para a compreensão desta dinâmica societária presente nos diversos territórios e espaços da vida social. A partir das entrevistas foi possível conhecer de forma aproximativa como vivem e sobrevivem estes sujeitos, que possuem histórias, atribuem significados às suas vidas e criam cotidianamente formas de sobrevivência num cenário marcado por preconceito, estigma, discriminação e violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reginaldo Guiraldelli
DOUTOR EM SERVIÇO SOCIAL PELA UNESP/FRANCA-SP. PROFESSOR ADJUNTO DO DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB).

Referências

ANDRADE, Luciana Texeira de; TEIXEIRA, Alexandre Eustáquio. A territorialidade da prostituição em Belo Horizonte. Cadernos Metrópole. Caderno 11. São Paulo: PUC, 2004, pp. 137-157.

BELO HORIZONTE. Jornal O Tempo, Máfia de Brasileiros “Cafetões”, p.25, 01 de setembro de 2010.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei n° 98 de 2003 (do Sr. Fernando Gabeira). Brasília: Câmara Federal, 2003. Disponível em: Acesso em: 14 de junho de 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Princípios e Diretrizes. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde do Homem. Disponível em: Acesso em: 22 de junho de 2010.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. Profissionais do Sexo: documento referencial para ações de prevenção das DST e da AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações: CBO. 3ªed. Brasília: MTE, SPPE, 2010.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a historia. 8ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

HIRATA, Helena et al. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: UNESP, 2009.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2008.

MACHADO, Joani de Nazaré Campos; SILVA, Silvia Cristina de Souza. Perfil psicossocial da prostituição masculina em Belém. 2002. 82f. Relatório de Pesquisa (Bacharelado em Psicologia) Universidade da Amazônia, UNAMA, Belém, 2002.

MELLO, Luiz. Outras Famílias: a construção social da conjugalidade homossexual no Brasil. Cadernos Pagu (24). Campinas-SP: Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/UNICAMP, 2005, pp.197-225.

PEREIRA, Henrique. Homens que vendem sexo em Portugal. In: VI CONGRESSO PORTUGUES DE SOCIOLOGIA: Mundos sociais: saberes e práticas. Lisboa, 2006. Disponível em: Acesso em 01 de setembro de 2009.

PERLONGHER, Nestor. O negócio do michê: a prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PRADO, Marco Aurélio M.; MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Cortez, 2008.

RODRIGUES, Marlene Teixeira. O sistema de justiça criminal e a prostituição no Brasil contemporâneo: administração de conflitos, discriminação e exclusão. Sociedade e Estado, vol.19, n.1, Brasília, 2004.

SILVA, Tomas Tadeu. A produção da identidade da diferença. In: SILVA, Tomas Tadeu. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes 2000.

SILVA, Valdeci Gonçalves da. A visibilidade do suposto passivo: uma atitude revolucionária do homossexual masculino. Revista Mal Estar e Subjetividade, vol.7, n.1. Fortaleza, 2007, pp.71-88.

SOARES, Mário. Prostituição Legalizada: sim ou não? Disponível em: Acesso em 05 de setembro de 2009.
Publicado
2013-10-18
Como Citar
Guiraldelli, R. (2013). Prostituição masculina em Belo Horizonte: evidências da questão social. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 24(2), 133-162. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3680
Seção
Artigos