Bem-estar e perfil de trabalhadores terceirizados da Universidade Federal de Viçosa-UFV

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31423/oikos.v32i1.9683

Palavras-chave:

Bem-estar, Terceirização, Universidade Federal de Viçosa

Resumo

O estudo teve por objetivo desenvolver uma caracterização do perfil socioeconômico dos trabalhadores terceirizados em instituições públicas, bem como sua relação com o bem-estar no trabalho na Universidade Federal de Viçosa (UFV). Realizou-se uma breve contextualização histórica sobre a terceirização, seus desdobramentos como a precarização do trabalho e seus efeitos sobre o bem-estar no trabalho, buscando obter dados sobre sua satisfação no trabalho, se os direitos trabalhistas estariam sendo negados, qual a importância do trabalho e a existência destes direitos para estes trabalhadores. A análise foi realizada com 90 trabalhadores terceirizados em 2013 do campus, a partir de indicadores , coletados por meio de um questionário sobre o perfil socioeconômico e a apreensão do bem-estar dos trabalhadores, a partir de parâmetros da literatura. Os dados foram analisados de forma estatística-descritiva no software especializado STATA. Observou-se que características apontadas na literatura como pertencentes a essa classe de trabalhadores foram confirmadas, como a precarização do trabalho para homens e mulheres e questões relacionadas ao gênero, como menores salários e nível de escolaridade detectados no extrato feminino da amostra. Porém, também foram obtidos dados que permitiam o aprofundamento da temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABEP, Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. 2008. Dados com base no Levantamento Sócio Econômico. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil. Acessado em: 02 de dez. 2018.

ALVES, E. F. Qualidade de vida no trabalho: indicadores e instrumentos de medidas. Diálogos & Saberes, 6(1),77-87, 2010.

ALVES, G. Outsourcing: The future of labor in Brazil. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 337-339, Aug. 2017.

ANDRETA, R., L.; CAMPOS, R., S. Base da pirâmide social brasileira? O perfil dos trabalhadores terceirizados no contexto dos anos 2000. Revista da ABET, v. 14, n. 2, jul. dez., 2015.

ANTUNES, R. A sociedade da terceirização total. Revista da ABET, v. 14, n. 1, Jan/ Jun, 2015.

ANTUNES, R.; DRUCK, G. A terceirização como regra? Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, v. 79, n. 4, p. 214-231, out./dez. 2013.

BRASIL. Lei nº 9632, de 07 de maio de 1998. Dispõe sobre a extinção de cargos no âmbito da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9632.htm. Acesso em nov. 2018.

CASAS, S. B.; KLIJN, T. P. Promoción de la salud y un entorno laboral saludable. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 14, n. 1, p. 136-141, Feb. 2006.

CORRÊA, A. et al. Impactos do bônus demográfico para gestão de pessoas. Revista de Administração FACES Journal [en linea] 2016.

DELLINK, R. et al. Long-term economic growth projections in the Shared Socioeconomic Pathways. OECD Environment Directorate, 2 rue Andre Pascal, 75775 Paris, France. 2017.

DRUCK, G. Unrestrained outsourcing in Brazil: more precarization and health risks for workers. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 32(6): e00146315, jun, 2016.

DRUCK, G. et al. A terceirização no serviço público: particularidades e implicações. Terceirização do trabalho no Brasil: novas e distintas perspectivas para o debate. Brasília. p. 113-142. 2018.

DUTRA, F. C. M. S.; COSTA, L. C.; SAMPAIO, R. F. A influência do afastamento do trabalho na percepção de saúde e qualidade de vida de indivíduos adultos. Fisioter. Pesqui., São Paulo, v. 23, n. 1, p. 98-104, Mar. 2016.

GIL, A. C.; Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo, Editora Atlas, 2008.
GRANADOS, I. Calidad de vida laboral: história, dimensiones y beneficios. Revista de Investigación en Psicología, v. 14, n. 2, p. 209-221, mar. 2014. ISSN 1609-7475.

HERNÁNDEZ, F., C.; PEÑALVER, A. J, B. La administración inteligente como fator para reducir el fracasso empresarial. Tourism & Management, nº 8, 2012.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica. PNAD Contínua, 2016. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/18992-pnad-continua-2016-51-da-populacao-com-25-anos-ou-mais-do-brasil-possuiam-apenas-o-ensino-fundamental-completo. Acessado em: 25 de abril de 2019.

_________. Estatísticas de gênero e indicadores sociais da mulher no brasil. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas novoportal/multidominio/genero/20163-estatisticas-de-genero-indicadores-sociais-das mulheres-no-brasil.html?=&t=o-que-e. Acessado em: 02 de dez. 2018.

_________. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf. Acessado em: 25 de abril de 2019.

_________. Censo Demográfico 2010: educação e deslocamento. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/545/cd_2010_educacao_e_deslocamento.pdf. Acessado em 02/05/2019.

JESUS, C. S. B.; BARBOSA, R. J. S. Trabalho feminino x nível de escolaridade: uma análise sobre a influência da educação para a inserção da mulher no mundo do trabalho. Revista Ártemis, Vol. XXI jan-jul 2016, pp.131-146.

LOBO, B. N. L.; SILVA, R. P. “Reforma trabalhista” e terceirização na administração pública: reflexões críticas. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., Belo Horizonte, edição especial, p. 457-469, nov. 2017.

LÚCIO, C. G. Desafios para o crescimento e o emprego. Estud. av., São Paulo,v. 29, n. 85, p. 21-33, Dec. 2015.

MARCELINO, P.; CAVALCANTE, S. Por uma definição de terceirização. Cad. CRH, Salvador, v. 25, n. 65, p. 331-346, Aug. 2012.

OLHER, B. Terceirização das atividades de apoio em instituições federais de ensino da zona da mata de minas gerais. Dissertação De mestrado. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa Minas Gerais. 2013.

OLHER, B. S.; COSTA, I. S.; TEIXEIRA, M. I. Reflexões sobre os efeitos da terceirização dos cargos de apoio no serviço público federal: estudo de caso no instituto federal do sudeste de MG campus Rio Pomba. Holos, ano 31, Vol. 5. Ago 2015.

OLIVEIRA-MONTEIRO, N. R. et al. Terceirização e estabilidade no emprego: estudo sobre a hierarquia de valores laborais de trabalhadores terceirizados. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo, v. 19, n. 1, p. 17-28, 2016.

OMS, OPS. Estrategia de Promoción de la salud en los lugares de trabajo de América Latina y el Caribe: Anexo Nº 6 - Documento de Trabajo. Ginebra. (Swz): Organización Mundial de la Salud; 2000.

PAULA, A. H.; Nutricionistas do ru/ufv: trabalho e qualidade de vida no contexto de terceirização parcial em ifes. 2017. Projeto de tese (Doutorado em Economia Doméstica). Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, no prelo, 2017.

PRONI, T. T. R. W.; PRONI, M. W. Discriminação de gênero em grandes empresas no Brasil. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 26, n. 1, e41780, 2018.

QUEIROZ, J. V.; GONÇALVES, L. A.; KRÜGER, G. N. Análise do grau de escolaridade das mulheres no brasil. Seminário Internacional Fazendo Gênero. 11 & 13thWomen’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017, ISSN 2179-510X.

SALM, C. L.; FOGAÇA, A. Questões críticas da educação brasileira. Consolidação de propostas e subsídios para ações nas áreas da tecnologia e da qualidade. MCT/Programa de Apoio à Capacitação Tecnológica da Indústria; MICT/Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade, 1995.

SANTOS, B. Satisfação no Trabalho: o caso de um Banco. Dissertação de mestrado (Mestrado em Gestão Estratégica de Recursos Humanos). Instituto Politécnico de Setúbal. Setúbal, Portugal. 2012.

SANTOS, J. A.; Cotidiano familiar e qualidade de vida de usuários dependentes de cuidado – Programa de saúde da família, Viçosa -MG. 2008. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica). Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE, Governo do Estado de São Paulo. Acesso em: 23/10/2019. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/coordenadoria-de-recursos-humanos/areas-da-crh/grupo-de-gestao-de-pessoas/ggp/acervo-virtual/acontecendo/salario-minimo. 2019.

SIMOES, P. H. C.; ALVES, J. E. D.; SILVA, P. L. N. Transformações e tendências do mercado de trabalho no Brasil entre 2001 e 2015: paradoxo do baixo desemprego? Rev. bras. estud. popul., São Paulo, v. 33, n. 3, p. 541-566, Dec. 2016.

SOUZA, H. S.; MENDES, Á. N. Outsourcing and "dismantling" of steady jobs at hospitals. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 286-294, Apr. 2016.

SOUSA, M. H.; SILVA, N. N. Comparação de softwares para análise de dados de levantamentos complexos. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 646-653, Dec. 2000.
VARGAS, C. P.; MONSALVE, M. E. Labor outsourcing: between efficiency and social equity. Rev. Ces Derecho, Medellín, v. 7, n. 1, p. 3-10, Jan. 2016.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Muniz Corrêa de Carvalho, M. A., Sobrinho Bifano, A. C., Barroso Fontes, M. ., & Silva Olher, B. (2021). Bem-estar e perfil de trabalhadores terceirizados da Universidade Federal de Viçosa-UFV. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 32(1), 191-212. https://doi.org/10.31423/oikos.v32i1.9683