A mulher cantada em prosa e verso

a construção da representação social da mulher nas canções de vozes femininas da música popular brasileira (1930-1980).

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v9i02.10799

Palavras-chave:

Mulher, Música, Representação

Resumo

Na música popular brasileira (MPB), o espaço e voz da mulher na construção de sua própria identidade é suprimido quando esta é limitada à posição de objeto-motivo das canções. Nesse sentido, este trabalho busca identificar quando a representação social da mulher se dá como um sujeito/self na MPB, além de dar destaque ao espaço sócio-histórico das cantoras brasileiras nesse processo. Por sua vez, os objetivos específicos se pautam no uso da Teoria das Representações Sociais (TRS) de Serge Moscovici (1961) e da teoria da linguagem de Mikhail Bakhtin (1929). O material e métodos utilizados consistem na análise qualitativa e quantitativa de enunciados musicais dos principais álbuns de vozes femininas, lançados entre 1930-1980, e retirados do livro “300 Discos Importantes da Música Brasileira” de Charles Gavin (2008). Como resultado, a ênfase na natureza social da linguagem de Bakhtin se mostrou contundente com a aplicação da TRS em um objeto de estudo de caráter interacionista: a música popular. Além disso, devido ao baixo número de composições femininas, o papel da intérprete, por vezes, é essencial para a consolidação da RS de uma mulher-sujeito. Desse modo, apesar da maioria dos enunciados musicais construir a figura da mulher por meio de uma ótica externalizada, há forte influência dos contextos de produção e das conquistas sócio-históricas femininas nas letras das canções analisadas. Assim, destaca-se o dialogismo contexto e discurso na MPB, a qual se constitui como um reflexo sensível de disputas simbólicas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luíza Estéfany Campos Sobreira, Universidade de São Paulo

Ex-aluna do CAp-Coluni e graduanda em Psicologia. 

Anita Maria Ferreira da Silva, CAp-Coluni UFV

Professora de Língua Portuguesa e orientadora do PIBIC-JR. 

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 12. ed. [S.l.]: HUCITEC, 2006. 201 p. v. único.

BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: Conceitos-Chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2007. 223 p. v. único

GAVIN, Charles. 300 Discos Importantes da Música Brasileira. 1.ed. Brasil: Editora Cabeça de Dinossauro, 2008

MOSCOVICI, Serge. Representações Sociais: Investigações em psicologia social. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes Ltda., 2009. 403 p. v. único.

NAPOLITANO, Marcos. MPB: a trilha sonora da abertura política (1975/1982). Estudos Avançados 24 (69): [s.n.], 2010.

PARANHOS, Adalberto de Paula. Os Desafinados: Sambas e Bambas no "Estado Novo". Orientador: Dra. Maria Izilda Santos de Matos. 2005. 208 f. Tese de Doutorado (História) - PUC-SP, São Paulo, 2005

SANTOS, Cristine Alvarenga Rocha. A teoria das representações sociais e a análise do discurso em uma narrativa esportiva de futebol. Revista Diadorim - Revista de Estudos Linguísticos e Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Dezembro 2011. v.10

SIMÃO, Fábio Luiz Rigueira. Ser Mulher, Uma Missão?: A Escola Superior de Ciências Domésticas, Domesticidade, Discurso e Representações De Gênero (1948-1992). 2016. 267 p. Dissertação de Doutorado (História)- Universidade Federal de Juiz de Fora, UFJF, [S.l.], 2016. único. 208 p.

TINHORÃO, José Ramos. História Social da Música Popular Brasileira. 2. ed. Brasil: Editora 34, 2010. 381 p. v. 1

Downloads

Publicado

2020-10-01

Como Citar

CAMPOS SOBREIRA, L. E.; FERREIRA DA SILVA, A. M. A mulher cantada em prosa e verso: a construção da representação social da mulher nas canções de vozes femininas da música popular brasileira (1930-1980). REVISTA PONTO DE VISTA, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 131-146, 2020. DOI: 10.47328/rpv.v9i02.10799. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/10799. Acesso em: 22 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos de Iniciação Científica