Abordando a interdisciplinaridade e a contextualização no ensino de Química por meio de uma proposta didática para discutir o conteúdo de Polímeros no Ensino Médio

Autores

Palavras-chave:

Material didático; Interdisciplinaridade; Contextualização; Polímeros no Ensino Médio.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar a estruturação da proposta didática “Polímeros: os materiais que transformaram o mundo”, que foi articulada com discussões contextualizadas e interdisciplinar desse tema para o Ensino Médio. Sobre a metodologia, temos uma abordagem qualitativa, com o levantamento de informações em livros e artigos científicos que subsidiaram a produção do material. Isso foi feito por meio de buscas na internet e bibliotecas, em diálogo com as atuais demandas formativas para o ensino de Ciências/Química, destacando-se as competências discutidas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como sendo norteadoras dessa proposta. Outros pontos que respaldaram a elaboração do material foi a importância da alfabetização científica e das discussões relacionadas a formação crítica e cidadã, ambas amplamente difundidas na Educação em Ciências. Isso pode favorecer o estabelecimento de diálogos com as diferentes culturas e experiências socioculturais presentes na Escola. Além disso, as ações propostas no material poderão favorecer o desenvolvimento do pensamento crítico dos estudantes, além de fomentar um maior interesse pelas Ciências em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRAGHINI, K. M. Z. O ensino secundário brasileiro nos anos 1950 e a questão da qualidade do ensino. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Programa de Pós-Graduação História, Política, Sociedade, São Paulo, 2005.

BRASIL. LDB – Lei nº 4024 de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1961. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 13 maio 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 13 maio 2020.

BRASIL. LDB – Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Resolução CNE/CEB nº 2/2012. Disponível em: <http://educacaointegral.mec.gov.br/ images/pdf/res_ceb_2_30012012.pdf>. Acesso em 10 maio 2020.

BRASIL. Atualiza as Ditretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral. Resolução CNE/CEB nº 3 de 21 de novembro de 2018. Disponível em: < http://novoensinomedio.mec.gov.br/resources/downloads/pdf/dcnem.pdf>. Acesso em 10 maio 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018a. Disponível em < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf >. Acesso em: 13 maio 2020.

CAIXETA, D. S.; CAIXETA, F. C.; MENEZES FILHO, F. C. M. Nano e Microplástico nos Ecossistemas: Impactos Ambientais e Efeitos sobre os Organismos. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 15, n. 27, p. 19–34, 2018.

CAMPELLO, B.; SILVA, E. Subsídios para esclarecimento do conceito de livro paradidático. Biblioteca Escolar em Revista, v. 6, n. 1, p. 64-80, 5 out. 2018.

CARNEIRO, M. H. S.; SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S. Livro didático inovador e professores: Uma tensão a ser vencida. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 1-13, dez 2005.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 26, p.89-100, 2003.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 3, p. 549-566, 1 dez. 2004.

DURLI, Z.; COSTA, V. S. S.; SANCHES, A. L. Um olhar sobre o momento atual da educação brasileira: entrevista com Carlos Roberto Jamil Cury. Revista e-Curriculum, v. 13, n. 4, p. 908-922, 2015.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa. 11ª ed, Campinas, SP: Papirus, 2003.

FERRAZ, A. T.; SASSERON, L. H. Espaço Interativo de Argumentação Colaborativa: Condições criadas pelo professor para promover argumentação em aulas investigativas. Revista Ensaio, v. 19, p. 1-25, 2017.

FREITAG, I. H. A importância dos recursos didáticos para o processo ensino-aprendizagem. Arquivos do Mudi, v. 21, n. 2, p. 20-31, 23 nov. 2017.

HARTMANN, Â.M.; ZIMMERMANN, E. O trabalho interdisciplinar no Ensino Médio: A reaproximação das “Duas Culturas”. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, São Paulo, vol. 7, n.2, 2007.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino de Ciências. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000.

LEIS, H. R. Sobre o conceito de interdisciplinaridade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, n. 73, ago. 2005.

LIMA, J. O. G. Do período colonial aos nossos dias: uma breve história do Ensino de Química no Brasil. Revista Espaço Acadêmico, v. 12, n. 140, p. 71-79, 2013.
LOCATELLI, S. W.; ARROIO, A. Dificuldades na transição entre os níveis simbólico e submicro – repensar o macro pode auxiliar a compreender reações químicas? Enseñanza de las Ciencias, n. extraordinário, p. 4239-4244, set. 2017.

MAGALHÃES-JUNIOR, C. A. O.; PIETROCOLA, M.; ORTÊNCIO-FILHO, H. História e características da disciplina de ciências no currículo das escolas brasileiras. EDUCERE – Revista da Educação, Umuarama, v. 11, n. 2, p. 197-224, jul./dez., 2011.

MAIA, J. O.; SILVA, A. F. A.; WARTHA, E. J. Um retrato do Ensino de Química nas escolas de Ilheus e Itabuna. In: XV Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ), Curitiba, 2008. Disponível em: <http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/ resumos/R0400-2.pdf>. Acesso em: 08 maio 2020.

MENEGOLLA, M.; SANT’ANNA, I.M. Por que planejar, como planejar?: currículo-área-aula. 22. Ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 6. Ed. São Paulo: Cortez, 2013.

MUNAKATA, K. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. 1997. 223 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

OLIVATTO, G.; CARREIRA, R.; TORNISIELO, V. L.; MONTAGNER, C. Microplásticos: Contaminantes de Preocupação Global no Antropoceno. Revista Virtual de Química, v. 10, n. 6, p. 1968–1989, 2018.

QUADROS, A. L. (Org.). Representações multimodais no ensino de Ciências: compartilhando experiências. Coleção Perspectivas em Ensino de Ciências (v.1), Curitiba: Editora CRV, 2020.

QUEIROZ, M. N. A.; HOUSOME, Y. As disciplinas científicas do ensino básico na legislação educacional brasileira nos anos de 1960 e 1970. Pesquisa e Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 20, e9723, p. 1-25, 2018.

REIS, M. J.; CALEFI, P. S.; ALIOTO, M. R. Educação problematizadora no ensino de Química: A indústria sucroalcooleira como tema gerador de uma sequência didática em uma escola pública de Sertãozinho. Revista Iluminart, v. 15, p. 155-175, 2017.

SANTOS, W. L. P.; MORTIMER, E. F. Tomada de Decisão para Ação Social Responsável no Ensino de Ciências. Ciência & Educação, v.7, n.1, p. 95-111, 2001.

SANTOS, W. L. P. A Química e a formação para a cidadania. Educación Química, v. 22, n. 4, p. 300–305, 2011.

SANTOS, W. L. P.; SCHNETZLER, R. P. Educação em Química: Compromisso com a cidadania. 4 ed. Ijuí, RS: Ed. Unijuí. 2015.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios Revista Brasileira de Educação. V. 12, n. 36, p. 474-550, set./dez. 2007.

SASSERON, L. H. Ensino de Ciências por Investigação e o Desenvolvimento de Práticas: Uma Mirada para a Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 18, n. 3, p. 1061-1085, 15 dez. 2018.

SASSERON, L. H. A alfabetização científica, Ensino por investigação e Argumentação: Relações entre ciências da natureza e escola. Revista Ensaio, v. 17, n. especial, p. 49-67, nov. 2015.

SOUZA, S.E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. I Encontro de Pesquisa em Educação. Arq. Mudi, 11 (Supl.2), p. 10-4, 2007.

TAGLIEBER, J. E. O ensino de ciências nas escolas brasileiras. Perspectiva. Ano 2, n. 3, p. 91-111. Jul./dez. 1984.

THIESEN, J. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, p. 545-598, set./dez. 2008.

TRIVELATO, S. L. F.; OLIVEIRA, O. B. Práticas docente: o que pensam os professores de ciências biológicas em formação. In: XIII ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO. Rio de Janeiro, 2006.
WARTHA, E.J.; MOTA, J. R.; GUZZI FILHO, N. J. O experimento da gota salina e os níveis de representação em química. Educación Química, v. 23, p. 55-61, 2012.

Downloads

Publicado

2020-10-21

Como Citar

MARMELO ARRUDA, A.; DE JESUS SILVA, D.; CATÃO DE ASSIS SOUZA, V. Abordando a interdisciplinaridade e a contextualização no ensino de Química por meio de uma proposta didática para discutir o conteúdo de Polímeros no Ensino Médio. REVISTA PONTO DE VISTA, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 03-21, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/10963. Acesso em: 28 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos Científicos