A política educacional como produto e como produtora de novos mercados:

a reforma do Ensino Médio enquanto um modelo exemplar de uma política produzida sob a lógica da governança estatal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v13i2.16900

Palavras-chave:

Política Educacional, Governança de Estado, Reforma do Ensino Médio

Resumo

O objetivo dessa pesquisa é analisar o papel atribuído ao Movimento Pela Base Nacional Comum (MPBNC) na produção de valores, técnicas e normas que vêm compondo o atual modelo de governança da política educacional brasileira, assim como mapear os possíveis elementos de privatização da política e da educação básica que têm sido ampliados a partir da atuação de seus agentes e instituições na produção e implementação da Reforma do Ensino Médio. O estudo toma como corpus de análise os documentos disponíveis na página oficial do MPBNC publicados entre 2013 a junho de 2020, assim como as normatizações oficiais produzidas via Conselho Nacional de Educação e Ministério da Educação no período de 2016 a 2018, ligadas a regulamentação dos programas-piloto de implementação da Reforma do Ensino Médio e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A metodologia utilizada para a análise de documentos de políticas tomou como base o aporte teórico desenvolvido por Shiroma; Campos; Garcia; Cardoso (2005). Conclui que o MPBNC, enquanto rede política de governança brasileira, vem atuando no avanço de diferentes tipificações de privatização da política educacional. Entre elas, se destaca a atuação direta, por meio de seus agentes, na formulação de políticas educacionais e a realizações de assistências na implementação dessas mesmas políticas. Esse fenômeno vem fortalecendo a divulgação de soluções educacionais que tem como objetivo mitigar os problemas de implementação gerados pela reforma curricular da educação básica brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADRIÃO, T.; GARCIA, T.; BORGHI, R., F.; BERTAGNA, R., H.; PAIVA, G; XIMENES, S. Sistemas de ensino privados na educação pública brasileira: consequências da mercantilização para o direito à educação. Relatório de Pesquisa. Realização: Ação Educativa, GREPPE. Apoio: Open Society Fundations, 2015.

BALL, S. Política Educacional Global: reforma e lucro. In: Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa (RELEPE). V. 3, p.1- 15, 2018.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Brasil: revisão das despesas públicas. Volume I. Grupo Banco Mundial, Novembro de 2017.

BROWN, H. Cidadania sacrificial neoliberalismo, capital humano e políticas de austeridade. Tradução de Juliane Bianchi Leão. Coleção Pequena Biblioteca de Ensaios. Zazie Edições, 2016.

CAETANO, R.; RUIZ, S. H. C.; SANTOS, A. R. Reformas educativas y redes globales para la educación Latinoamericana. Revista Educação em Questão. v. 58, n. 56, p. 1-24. Natal,, abr./jun. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/21586/13123. Acesso em: 13 OUT. 2023.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. 1°ed. Boitempo, São Paulo, 2016.

D'AVILA, J. B. As influências dos agentes públicos e privados no processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, 2018.

FARIA, C. G. M.. O papel do movimento pela base nacional comum na ampliação do modelo de governança de estado. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-graduação em Educação, Curitiba, 2022.

HIGUERAS, J. L. I. A Reforma Educacional Chilena na América Latina (1990 – 2020): circulação e regulação de políticas através do conhecimento. Programa de Pós Graduação em Educação - UNICAMP. Tese. Campinas, 2014. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br

/bitstream/REPOSIP/253951/1/InzunzaHigueras_JorgeL uis_D.pdf . Acesso em 02/01/2020.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. 1° ed. Editora Boitempo. São Paulo, 2019.

MANCE, E. O golpe, BRICS, dolar e petróleo. Saluz. Passo Fundo, 2018. Disponível em: https://euclidesmance.net/docs/o_golpe.pdf . Acesso em: 06 out. 2018.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Avaliação do sistema de Gestão Socioambiental – Programa de Apoio à Implementação do Novo Ensino Médio/ Programa por Resultados. Brasília, outubro de 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/outubro-2017-pdf/75141-mec-consulta-publica-bird-pdf/file. Acesso em: 10/10/2023.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM. Quem somos. (2018;2019;2020) Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/quem-somos/#rede. Acesso em: 10 out. 2023.

________. Análise Internacional - Base Nacional Comum. Relatório de Assistência Técnica - Curriculum Foundation. janeiro de 2016.

________. Índice de Insumos do Movimento Pela Base Nacional Comum. 2017. Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/wp-content/uploads/2017/03/IndiceLeiturasCriticasRed.pdf. Acesso em: 13 out. 2023.

_______. Guia de Gestores Escolares com orientações para a revisão dos PPs, 2019. Disponível em: https://movimentopelabase.org.br/acontece/confira-o-guia-degestores-escolares-com-orientacoes-para-revisao-dos-pps/. Acesso em 02 abr. 2020.

PERONI, V.; CAETANO, M. R.; LIMA, P. Reformas educacionais de hoje: as implicações para a democracia. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 415-432, jul./dez. 2017.

PERONI, V.; CAETANO, M. R.; ARELARO, L. R. G. BNCC: disputa pela qualidade ou submissão da educação? RBPAE, V. 35, N. 1, jan./abr. 2019.

PINHEIRO, D. O. O Movimento Todos Pela Educação: o público, o privado e a disputa de projetos educacionais no Brasil. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Educação, UFPR. Curitiba, 2018. Disponível em: Acesso em: 05/05/2019.

RAVITCH, D. Vida e morte do grande sistema escolar americano. Como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Editora Sulina. Porto Alegre, 2011.

SALHBERG, P. Lições finlandesas 2.0: o que a mudança educacional na Finlândia pode ensinar ao mundo?. Editora SESI-SP, 1° ed. 2° reimp. São Paulo, 2018.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. 1° ed. Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SANTOS, M. A natureza do Espaço. Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4. ed. Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

SCHMIDT, M. A.; DIVARDIM, T.; SOBANSKI, A. #OcupaPR 2016. Memórias de Jovens Estudantes. Editora W.A. Curitiba, 2016

SEMINÁRIO ENSINO MÉDIO INTEGRAL. Instituto Natura. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=liNZQKVVzdM. Acesso em: 13 out. 2023.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Estado, capital e educação: reflexões sobre hegemonia e redes de governança. Revista Educação e Fronteiras online. Dourados- MT, v. 4, n. 11, Maio/agosto, 2014.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teóricometodológicos para análise de documentos. Revista Perspectiva, v. 23, n.2. Florianópolis, 2005.

SOCORRÁS, J. F. P. Um nuevo neo-liberalismo? Empreendimiento y nueva administración de “lo público”. Revista Administração & Desenvolvimento. República da Colombia, 2008.

TARLAU, R.; MOELLER, K. O consenso por filantropia:como uma fundação privada estabeleceu a BNCC no Brasil. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 2. Disponível em: . maio/ago. 2020.

VERGER, A. Globalización, reformas educativas y la nueva gestión del personal docente. Docência. Política Educativa, n° 46. Maio de 2012. Disponível em: https://www.slideshare.net/SebastianChavez18/globalizacin-yreformas-educativas. Acesso em: 05 jun. 2019.

Downloads

Publicado

15-05-2024

Como Citar

FARIA, C. G. M. A política educacional como produto e como produtora de novos mercados: : a reforma do Ensino Médio enquanto um modelo exemplar de uma política produzida sob a lógica da governança estatal . Revista Ponto de Vista, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 01–19, 2024. DOI: 10.47328/rpv.v13i2.16900. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/16900. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos