Diagnóstico de leitura de estudantes: interfaces entre automaticidade e compreensão leitora

  • Alessandra Pereira Gomes Machado Universidade Federal de Sergipe Colégio de Aplicação
  • Isabel Maria Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Daiane Santos Cruz
Palavras-chave: Fluência em leitura oral, Compreensão em leitura, Teste Cloze.

Resumo

A interface entre automaticidade na decodificação e compreensão leitora tem sido instrumento de investigação em diversas pesquisas, com o intuito de delinear as relações estabelecidas entre essas duas dimensões da leitura. Um leitor fluente lê com velocidade, precisão e expressividade adequadas. Trabalhamos com a fluência em leitura oral enquanto diagnóstico de leitura para verificar processos de decodificação com automaticidade que demonstram a compreensão leitora (MACHADO, 2018a). Conduzimos essa investigação com base na premissa de que a automaticidade na decodificação é um elemento basilar para a compreensão. Objetivamos verificar a correlação entre o desempenho em fluência em leitura oral e em compreensão leitora por meio de dois testes. Participaram do estudo 39 estudantes do 6o ano do ensino fundamental do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Sergipe (Codap/UFS). Seguimos o método Curriculum- Based Measurement (DENO, 2003) para controlar processos de automaticidade na decodificação em 1 minuto de leitura oral. Para verificar a compreensão leitora, aplicamos um teste Cloze. A correlação entre os testes comprovou que quem tem fluência em leitura oral, consequentemente, compreenderá o texto lido. Desse modo, corroborando com a nossa tese de investigação que atesta a

necessidade da automaticidade na decodificação para a compreensão leitora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Kátia Nazareth et al. O teste Cloze como instrumento de medida da proficiência em leitura: fatores linguísticos e não linguísticos. Revista de estudos da linguagem, v. 25, n. 3, p. 1767-1799, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Média e tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Fundamental: Terceiro e quarto ciclos: Língua Portuguesa. Brasília: SEF, 1998.

CASTANHEIRA, António José Alexandre. Avaliação da fluência da leitura oral em alunos do 5o ano de escolaridade. 2011, 49 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011.

COELHO, Joana Rita Quaresma. Estimulação da fluência oral: proposta de actividades e estudo exploratório. 2010, 54 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.

COLLUS, Jorge André Rocha Alves Soveral. mpacto da fluência de leitura e da metacompreensão na compreensão da leitura. 2015, 28 p. Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia) - Universidade do Minho, Braga, 2015.

DEHAENE, Stanilas. Os neurônios da leitura. Porto Alegre: Penso, 2012.

DENO, Stanley L. Developments in curriculum-based measurement. The Journal of Special Education, n. 37, v.3. p. 184-192, 2003.

FREITAG, Raquel Meister Ko; MACHADO, Alessandra Pereira Gomes. Pistas dos processos de decodificação que levam à compreensão da leitura. 2019 (No prelo).

LABERGE, David; SAMUELS, S. Jay. Toward a theory kg automatic information processing in reading. Cognitive psychology, V. 6, n. 2, p. 293- 324, 1974.

MACHADO, Alessandra Pereira Gomes. Fluência em leitura oral e compreensão em leitura: automaticidade na decodificação para a compreensão leitora. 2018, 209 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. 2018a.

MACHADO, Alessandra Pereira Gomes. Variação linguística e leitura: fenômenos variáveis da fala na leitura em voz alta. A Cor das Letras, v. 19, n. 4, p. 196-218, 2018b.

MORAIS, José. A arte de ler. São Paulo: Ed. da Unesp, 1996.

NPR/US/US, NATIONAL READING PANEL; NATIONAL INSTITUTE OF CHILD HEALTH; HUMAN DEVOLOPMENTE (US). Report of the National Reading panel: Teaching children to read: An evidence- Based assessment of The scientific research literature on reading instruction: Reports of subgroups. National Institute of Child Health and Human Development, National Institutes of Health, 2000.

OLIVEIRA et al. Língua Portuguesa: Ensino fundamental. São Paulo: IBEP, coleção tecendo linguagens, 2012, p. 175.

PERFETTI, Charles; SIAFURA, Joseph. Word knowledge in a theory of reading comprehension. Scientific studies of reading, V. 18, n. 1, p. 22-37, 2014.

PERFETTI, Charles A.; LANDI, Nicoli; OAKHILL, Jane. A aquisição da habilidade de compreensão da leitura. In: SNOWLING, Margaret J.; HULME, Charles (org.). A ciência da leitura, 2013. p. 245-265.

PULIEZI, Sandra. A fluência e sua importância para a compreensão da leitura. 2015, 157 f.. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015. RASINSKI, Timothy V. Commentary: Speed does matter in reading. The Reading Teacher, v. 54, n. 2. p. 146-151, 2000.

RASINSKI, Timothy. Creating fluent readers. Educational Leadership, v. 61, n. 6, p. 46-51, 2004.

RASINSKI, Timothy V. et al. Is reading fluency a key for successful high school reading? Journal of Adolescent & Adult Literacy, v. 49, n. 1, p. 22-27, 2005.

RASINSKI, Timothy V. et al. The relationship between a silent reading fluency instructional protocol on students’ reading comprehension and achievement in an urban school setting. Reading Psychology, v. 32, n.1, p. 75-97, 2011.

SIM-SIM, Inês; VIANA, Fernanda Leopoldina. Para a avaliação do desempenho de leitura, 2007.

SMITH, Frank. Understanding reading: A psycholinguistic analysis of reading and learning to read. Routledge, 2004.

TRISTÃO, Flora Saudan Correia. Avaliação da fluência de leitura oral em alunos de 2o ano do 1o ciclo. 2009, 46 p. Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia) – Universidade de Lisboa, Lisboa. 2009.

Publicado
2019-10-22
Como Citar
MACHADO, A. P. G.; SANTOS, I. M.; CRUZ, D. S. Diagnóstico de leitura de estudantes: interfaces entre automaticidade e compreensão leitora. REVISTA PONTO DE VISTA, v. 8, n. 1, p. 47-61, 22 out. 2019.
Seção
Artigos Científicos