Usos do passado: percepção da construção da memória histórica durante o Segundo Reinado brasileiro (1840-1889)

Palavras-chave: Identidade nacional; memória coletiva; Império do Brasil

Resumo

Este trabalho compreende uma análise da produção da memória histórica no período imperial brasileiro a partir de obras iconográficas, intelectuais e literárias. Analisamos as relações de poder na produção da memória, segundo interesses do Estado e de grupos sociais específicos. Os quadros de Pedro Américo, Victor Meirelles, François Moreaux e José Maria de Medeiros, os romances Iracema e O Guarani de José de Alencar e a História Geral do Brasil de Varnhagen foram estudados segundo o “modelo de identidade nacional” que evocavam. Tivemos como referencial teórico os conceitos de memória, documento e monumento trabalhados por Jacques Le Goff. O autor defende a importância de se analisar criticamente os documentos, pois estes fixam fatos selecionados e os imprimem à memória coletiva criando um efeito de monumentalidade. Isso ilustra como a produção da história e da memória não são processos neutros. Os conteúdos construídos são “usos do passado” que elegem essa ou aquela maneira de enxergar o próprio tempo presente. Percebemos que, por meio de uma produção seletiva da memória, o Império do Brasil procurava consolidar uma ordem e legitimar-se como regime.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, José. Iracema. Vol. 3. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1959.

ALENCAR, José. O Guarani. São Paulo: Ática, 2003.

ALMEIDA, V. Varnhagen e a ‘invenção’ da história do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

BISCARDI, A.; ROCHA, F. A. O Mecenato Artístico de D. Pedro II e o Projeto Imperial. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

BOECHAT, Maria Cecília Bruzzi et al. Romance histórico: recorrências e transformações. Belo Horizonte: FALE/ UFMG, 2000.

CARVALHO, J. M. de. A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

FRAGOSO, R. A participação do negro no Brasil colônia e império- parte II. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2018.

JORGE, V. F. Património e Identidade Nacional. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

JÚNIOR, M. V. F. A proclamação da independência do Brasil, por François-René Moreaux. A Tribuna de Petrópolis, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

MOREIRA, Vânia. O ofício do historiador e os índios: sobre uma querela no Império. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 30, nº 59, p. 53-72, 2010.

LE GOFF, Jaques. História e Memória. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1990.

SANTOS, E. A História geral do Brasil, de Francisco Adolfo de Varnhagen: apontamentos sobre o gênero biográfico na escrita da história Oitocentista. Parte modificada da dissertação de mestrado-Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2012. Disponível em: .

REIS JÚNIOR, José Maria de. A história da Pintura no Brasil. São Paulo, SP: Editora Leia, 1944.

WANDERLEY, Andrea C. T. O pintor Victor Meirelles e a fotografia. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2018.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
SIMAO, F.; DE FREITAS DOMINGUES, T. Usos do passado: percepção da construção da memória histórica durante o Segundo Reinado brasileiro (1840-1889). REVISTA PONTO DE VISTA, v. 9, n. 1, p. 85-100, 30 jun. 2020.
Seção
Artigos de Iniciação Científica