Paralisia cerebral e cuidado : o que muda na vida de quem cuida?

  • Elisa Almeida Costa Universidade Federal de Viçosa
  • Neide Maria Almeida Pinto Universidade Federal de Viçosa
  • Ana Louise Carvalho Fiúza Universidade Federal de Viçosa
  • Eveline Torres Pereira Universidade Federal de Viçosa

Resumo

Esse trabalho pretendeu compreender o custo do “cuidar” para a vida pessoal, social e econômica das cuidadoras principais de pessoas com Paralisia Cerebral (PC), bem como as redes de suporte que são acessadas por essas mulheres. Definimos a APAE Viçosa-MG como nosso campo empírico. A amostra compreendeu doze mulheres cuidadoras de pessoas com PC, a coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas e análise dos mesmos foi pautada em uma abordagem qualitativa das falas. Foi constatado que o ato de prover cuidados produziu, na vida das cuidadoras, mudanças significativas que estão relacionadas ao trabalho, ao lazer, à vida interpessoal e à saúde física emocioanal de tais mulheres. Além disso, observou-se que, na maioria das vezes, essas encontravam, nas redes de suporte social, apoio para minimizar a sobrecarga do cuidado e para adaptar-se à nova dinâmica de vida. Assim, podemos concluir que a presença dessas redes, no cotidiano das famílias entrevistadas, exerceu papel significativo, minimizando o custo econômico, social e pessoal do cuidar e contribuindo positivamente para a saúde das cuidadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Almeida Costa, Universidade Federal de Viçosa
Mestre em Economia Doméstica pelo Programa de Pós Graduação em Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.
Neide Maria Almeida Pinto, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e  professora do Departamento de Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.
Ana Louise Carvalho Fiúza, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ e Professora do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG Brasil.
Eveline Torres Pereira, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Educação Física pela Universidade Gama Filho, UGF  e Professora do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Referências

BABBIE, E. Métodos de pesquisa de Survey. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

BARBOSA, M. A. M.; PETTENGILL, M. A. M; FARIAS, T. L.; LEMES, L. C. Cuidado da criança com deficiência: suporte social acessado pelas mães. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v.03, n.30, setembro, 2009. p.406-12.

BARBOSA, M. A. M.; CHAUD, M. N.; GOMES, M. M. F. Vivências de mães com um filho pessoa com deficiência: um estudo fenomenológico. Revista Acta Paul enferm, v.1, n.21, 2008. p.46-52.

BRAGA, A. F. Educação inclusiva: das intenções ás ações - Um estudo sobre o processo de inclusão escolar de alunos caracterizados como Portadores de Necessidades Especiais em escolas públicas no município de Viçosa , MG. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2006. p.201.

BRASIL. Decreto n° 1.744, de 8 de dezembro de 1995: regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e o idoso, e dá outras providencias. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, 11 de dezembro de 1995.

BOCCHI, S. C. M; ANGELO, M. Entre a liberdade e a reclusão: o apoio social como componente da qualidade de vida do binômio cuidador familiar- pessoa dependente. Revista latino americana de enfermagem, v.1, n.16, 2008.

CARVALHO, I. M. M; ALMEIDA, P. H. Família e proteção social. São Paulo em Perspectiva, 17(2): 2003. p. 109-122.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CASTRO, D. L. A família em desordem. Caderno saúde pública, v.20, n.04, 2004. p.1131-1132.

CASTRO, E. K.; PICCININI, C. A. Implicações da doença orgânica crônica na infância para as relações familiares: algumas questões teóricas. Psicol. Reflex. Crit,, v.3, n.15, 2002. p. 625-635.

CYRINO, R. Trabalho, temporalidade e representações sociais de gênero: uma análise da articulação entre trabalho doméstico e assalariado. Sociologias, Porto Alegre, v.11, n.21, jan-jun/2009. p.66-92.

EUZÉBIO, C. J. V.; RABINOVICH, E. P. Compreendendo o cuidador familiar do paciente com seqüela de acidente vascular encefálico. Temas em psicologia, Salvador, v.14, n.1, 2006. p.63-79.

GAIVA, M. A. M; NEVES, A. Q; SIQUEIRA, F. M. G. O cuidado da criança com espinha bífica pela família no domicílio. Revista de enfermagem, Mato Grosso do Sul, v.4, n.13, out-dez/2009. p.717-725.

GERALIS, E. Crianças com Paralisia Cerebral: guia para pais e educadores. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

GOFFMAN, E. Estigma : Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

GOLDANI, A. M. As famílias brasileiras: mudanças e perspectivas. Caderno de pesquisa, n.91, 1994. p. 72.

______. Relações intergeracionais e reconstrução do Estado de Bem-Estar. Porque se deve pensar essa relação para o Brasil? Cap. 7, 2004.
Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/PopPobreza/GoldaniAnaMariaCapitulo7.pdf
Acesso em: 03 jan. 2012.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, v.1, 1983. p.201-233.

GUIMARÃES, R. Deficiência e cuidado: porquê abordar gênero nesta relação? Revista SER social, v.10, n.22, jan/jun, 2008. p. 213-238.

LOURO, G. L. Gênero, História e Educação: construção e desconstrução. Revista Educação e Realidade v.2, n.20, jul/dez 1995. p.101-132.

MEDEIROS, M.; DINIZ, D.; SQUINCA, F. Transferências de renda para a população com deficiência no Brasil: uma análise do Benefício de Prestação Continuada. Brasília, 2006.
Disponível em: www.ipea.gov.br
Acesso: 20 fev. 2012.

MILBRAHT, V. M. Cuidando da família à criança portadora de paralisia cerebral nos três primeiros anos de vida. Dissertação (mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2008. p.88.

NOBRE, M. I. R. S.; MONTILHA, R. C. L.; TEMPORINI, E. R. Mães de crianças com deficiência visual: percepções, conduta e contribuição do atendimento em grupo. Revista Brasileira de crescimento e desenvolvimento humano, v.1, n.18, 2008. p.46-52.

NUNES, B. F. Sociedade e infância no Brasil. Brasília: Universidade de Brasília- UNB, 2003. 174p.

RABELO, P.N.C. A reforma psiquiátrica brasileira e suas repercussões nas famílias de camada popular: um estudo de caso em Viçosa-MG. 2008. 277p. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica)- Universidade Federal de Viçosa – UFV, Viçosa, 2008.

RIBEIRO, S. F. R., YAMADA, M. O., TAVANO, L. A. Vivencia de mães de crianças com deficiência auditiva em sala de espera. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v.13, n.01, 2007. p.91-106.

ROCHA, A. P; AFONSO, D. R.V.; MORAIS, R. L. S. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.03, 2008, p.292-297.

ROSA, L. Transtorno Mental e cuidado na família. São Paulo: Cortez, 2003.

ROTTA, N. T. Paralisia Cerebral: novas perspectivas terapêuticas. Jornal de pediatria, v.78, supl.1, 2002.

SÁ, S. M. P; RABINOVICH, E. P. Compreendendo a família da criança com deficiência física. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v.01, n.16, 2006. p.68-84.

SANDOR, E. R. S. Paralisia Cerebral: repercussões no contexto familiar. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2011. p.121.

SANTOS, L. P., SOLZA, F. Q. B, FELIPE, V. L. M. Maternidade e Paternidade responsável: um estudo de gênero na APAE-CG. In: Anais do II Seminário Nacional Gênero e Práticas Culturais. Paraíba-PB. 2009.

SOUZA, L. G. A. Cuidando do filho com deficiência mental: desvelamentos de vivências de pais no seu ser-com-o-filho. 2003. Dissertação (Mestrado), Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2003.

TRONTO, J. Mulheres e cuidado: o que as feministas podem aprender sobre a moralidade a partir disso? In: JAGGAR, A; BORDO, S. Gênero, corpo, conhecimento. Rio de Janeiro: Record, Rosa do tempos, 1997.

VASCONCELOS, V. M. Qualidade de vida de crianças com Paralisia cerebral. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade de Fortaleza: UNIFOR. Ceará, 2009. p.86.

WELTER, I.; CETOLIN, S. F.; TRZCINSKI, C.; CETOLIN, S. K. Gênero, maternidade e deficiência: representação da diversidade. Revista textos e contextos, Porto Alegre, v.7, n.1, jan-jun 2008. p.98-119.
Publicado
2013-06-12
Como Citar
Costa, E. A., Pinto, N. M. A., Fiúza, A. L. C., & Pereira, E. T. (2013). Paralisia cerebral e cuidado : o que muda na vida de quem cuida?. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 24(1), 236-264. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3655
Seção
Artigos