Os polos agroflorestais em Rio Branco, Acre: uma análise a partir da sua viabilidade econômica e consumo familiar

  • Elyson Ferreira de Souza Doutorando em Desenvolvimento Economico pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil. Unicamp, SP.
  • Neide Maria de Almeida Pinto Professora associada do Departamento de Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, MG.
  • Ana Louise de Carvalho Fiúza Professora do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa, MG, Brasil.

Resumo

A partir de 1990, os Polos Agroflorestais passam a ser implementados em Rio Branco, Acre, como uma alternativa de desenvolvimento sustentável e como uma política do Estado para amenizar os problemas de ordem social e ambiental no município. Nesse artigo analisou-se a viabilidade dessa política a partir das condições econômicas e consumo das famílias assentadas. Foram entrevistadas 90 famílias, tendo sido ouvidos os principais mantenedores do núcleo familiar. Os resultados revelaram um quadro de privações relacionadas às condições de vida das famílias que ameaça comprometer a sucessão e sustentabilidade dos Pólos. Concluiu-se que, para que haja melhoras efetivas nas condições de vida das famílias que residem nos PA’s, há que se ampliar as práticas holísticas de desenvolvimento, nas quais sejam considerados não somente os aspectos econômicos, mas a correlação dos aspectos sociais, políticos, ambientais, com o acesso aos serviços sociais básicos, cuidados ambientais e engajamento político-institucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elyson Ferreira de Souza, Doutorando em Desenvolvimento Economico pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil. Unicamp, SP.
Mestre em Economia Doméstica pela UFV/MG e doutorando em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil. Professor de Nível Superior do Governo do Estado do Acre, Brasil
Neide Maria de Almeida Pinto, Professora associada do Departamento de Economia Doméstica da Universidade Federal de Viçosa, MG.

Possui graduação em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (1991), mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa (1995) e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) com período sanduiche na França, no Institute d Études Politiques de Paris. É professora associada, vinculada ao Departamento de Economia Doméstica, na Universidade Federal de Viçosa e vice-lider do grupo certificado de pesquisa do CNPq: GERAR - Grupo de Estudos Rurais - Ruralidades e Agricultura Familiar .

Ana Louise de Carvalho Fiúza, Professora do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa, MG, Brasil.
Doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil (2001). Professora Associada da Universidade Federal de Viçosa , Brasil. Atualmente é Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural da Universidade Federal de Viçosa e lider do grupo de pesquisa certificado pelo CNPq: GERAR - Grupo de Estudos Rurais: Agriculturas e Ruralidades, atuando nas áreas de sociologia rural, sociologia da técnica e sociologia do desenvolvimento. Tem desenvolvido pesquisas voltadas para os seguintes temas: 1) Gênero e produção do conhecimento no campo das Ciências Agrárias; 2) Gênero e geração no novo rural brasileiro; 3) A mudança nos meios de vida no campo face ao processo de urbanização; 4) As transformações socioculturais no novo rural brasileiro; 5) As mudanças nos padrões de conjugalidade no campo urbanizado.

Referências

BATISTA, Gisele Elaine de Araújo. Alternativas de desenvolvimento sustentável: o caso da RESEX Chico Mendes e das ilhas de alta produtividade. 2004. 93 f. Monografia (Graduação em Economia) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2004.

CARDIM, Fernando. Conflito agrário. Folha de São Paulo, 13 de julho de 2003.

CARNEIRO, Maria J.; CASTRO, Elisa G. Juventude rural em perspectiva. Brasília/Rio de Janeiro; Nead/Mauad, 2007. 312 p.

HENRIQUE, Nádia de Paiva. Polos agroflorestais: perspectivas de retorno e fixação do homem ao campo? 2001. 50 f. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2001.

HOMMA, Alfredo K. O. Amazônia: desenvolvimento econômico e questão ambiental. Viçosa. In: CONFERÊNCIA SOBRE AGRICULTURA EM MEIO AMBIENTE. NEPEMA-UFV, 1992

RÊGO, José Fernandes do. (Coord.). Análise econômica de sistemas básicos de produção familiar rural no vale do Acre. Rio Branco: UFAC, 1996. 53 p. (Projeto de Pesquisa do Departamento de Economia da UFAC).

___. Estado e políticas públicas: A reocupação econômica da Amazônia durante o regime militar. São Luis: EDUFMA. 2002. Rio Branco/Acre, Brasil, 420 p.

RIO BRANCO (Município). Prefeitura Municipal de Rio Branco (PMRB)/Secretaria de Agricultura (SAFRA). Polo Municipal de Produção Agroflorestal. Rio Branco-AC, mar./1994

SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia. São Paulo: Ed. Best Seller. 1999. p. 168 -169 e 249 - 250.

SCHNEIDER, Sérgio. Agricultura familiar e industrialização: pluriatividade e descentralização industrial no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1999.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. p. 1 - 219.

SILVA, Adalberto Ferreira da. Raízes da ocupação recente das terras do acre: movimento de capitais, especulação fundiária e disputa pela terra. 1990. 79 f. Dissertação (Mestrado em Economia Regional) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1990.

SILVA, José Graziano da. O novo rural brasileiro. 2. ed. Campinas-SP: UNICAMP. IE, 2002. (Coleção Pesquisas, 1)

SOUZA, Elyson Ferreira de. Análise comparativa dos custos totais de produção dos PAD’s Boa Esperança e Humaitá. 2002. 55 f. Monografia (Graduação em Economia) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2002.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: TEDESCO, João Carlos. (org) Agricultura familiar: realidades e perspectivas. Passo Fundo: EDIUPF, 2001. p. 23-56.
Publicado
2013-09-05
Como Citar
Souza, E. F. de, Pinto, N. M. de A., & Fiúza, A. L. de C. (2013). Os polos agroflorestais em Rio Branco, Acre: uma análise a partir da sua viabilidade econômica e consumo familiar. Oikos: Família E Sociedade Em Debate, 24(2), 092-112. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/oikos/article/view/3661
Seção
Artigos