AMBIENTE DE CULTIVO E SEUS EFEITOS AOS CARACTERES MORFOLÓGICOS E BROMATOLÓGICOS DA SOJA

  • Vinícius Jardel Szareski
  • Velci Queiróz de Souza
  • Ivan Ricardo Carvalho
  • Maicon Nardino
  • Diego Nicolau Follmann
  • Gustavo Henrique Demari
  • Mauricio Ferrari
  • Tiago Olivoto

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho agronômico de dois genótipos de soja com hábito de crescimento indeterminado em dois ambientes de cultivo e verificar as relações lineares dos caracteres morfológicos e bromatológicos, buscando ganhos via melhoramento genético. Os experimentos foram conduzidos na safra agrícola 2013/2014. O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados em esquema fatorial 2 x 2 sendo, dois ambientes de cultivo (Tenente Portela e Independência – RS) e dois genótipos de soja com hábito de crescimento indeterminado (FPS Solimões RR e FPS Paranapanema RR), alocados de três repetições. A análise de variância revelou significância para a interação ambiente de cultivo x genótipo para os caracteres inserção do primeiro legume, altura de planta, e comprimento de internódio. Ausência de interação foi revelada pelo número de legumes na haste principal, número de legumes na ramificação, número de ramificações, comprimento das ramificações, número de legumes com um grão, número de legumes com dois grãos, número de legume com três grãos, massa de mil grãos, rendimento de grãos, percentuais de fibra bruta, material mineral, proteína bruta, carboidratos totais, carboidratos não fibrosos e lipídios. O ambiente de cultivo Tenente Portela influencia positivamente o rendimento de grãos de ambos os genótipos, e apresenta inter-relações significativas entre os caracteres morfológicos que influenciam o mesmo, sendo FPS Paranapanema RR superior para rendimento de grãos. Os caracteres bromatológicos não revelam diferença significativa entre ambientes de cultivo e genótipos de soja com hábito de crescimento indeterminado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIAS, E. R. A. Adaptabilidade e estabilidade das cultivares de milho avaliadas no estado do Mato Grosso do Sul e avanço genético obtido no período de 1986/87 à 1993/94. Lavras : UFLA, 1996. 118p.
BLIGH, E. G & DYER, W. J. A. Rapid method of total lipid extraction and purification. Canadian Journal of biochemistry and Physiology, v.37, n.8, p.911-917, 1959.
BORDIGNON, J. R.; LONG, S. P.; ENGESETH, N. J. Influência da composição atmosférica no comportamento da cultura da soja. Londrina. Embrapa, 2006. p.70-73.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de
sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 399p.
BRUM, A. L.; HECK, C. R.; LEMES, C. L.; MÜLLER, P. K. A economia mundial dasoja: impactos na cadeia produtiva da oleaginosa no Rio Grande do Sul 1970-2000.Anais dos Congressos. XLIII Congresso da Sober em Ribeirão Preto. São Paulo, 2005.
CARNEIRO, P. C. S. Novas metodologias de análise de adaptabilidade e estabilidade de comportamento. Universidade Federal de Viçosa. . 1998. 168p.
CARTTER, J. L.; HARTWIG, E. E. The management of soybean.I n: NORMAN, A. G. (Ed.) The soybean: Geneics, Breeding, Physiology, Nutrition, Management. Academic Press, 1967. P. 161-226.
CARVALHO, C. G. P.; ARIAS, C. A. A.; TOLEDO, J. F. F.; OLIVEIRA, M. F.; VELLO, N. A. Correlação e análise de trilha em linhagens de soja semeadas em diferentes épocas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 37, n. 3, p. 311-320, 2002.
CARVALHO, F. I. F; LORENCETTI, C.; BENIN, G. Estimativas e implicações da correlação no melhoramento vegetal. Pelotas: UFPel, 2004. 142p.
CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da Safra Brasileira: grãos. Brasília, DF. Jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2015.
COSTA, J. A. Cultura da Soja. Porto Alegre. Evangraf. 1996. 233p.
ESTEVES, E. A.; MONTEIRO, J. B. R. Efeitos benéficos das isoflavonas de soja em doenças crônicas. Ver. Nutr., v. 14, n. 1, p. 43-52, 2001.
FERREIRA JUNIOR, J. A.; ESPINDOLA, S. M. C. G.;GONÇALVES, D. A. R.; LOPES, E. W. Avaliação de genótipos de soja em diferentes épocas de plantio e densidade de semeadura no município de Uberaba – MG. FAZU em Revista, n.7, p. 13-21, 2010.
GARBUGLIO, D. D.; GERAGE, A.C.; ARAÚJO, P. M.; FONSECA JUNIOR, N. S.; SHIOGA, P. S. Análise de fatores e regressão bissegmentada em estudos de estratificação ambiental e adaptabilidade em milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.42, p.183-191, 2007.
HAMAWAKI, O. T. Potencial de progênies selecionadas em cruzamentos óctuplos de soja com ênfase na produtividade de óleo. Piracicaba, Universidade de São Paulo. 1998. 127p.
HARTWIG, E. E.; KUO, T. M.; KENTY, M. M. Seed protein and its relationship to soluble sugars in soybean. Crop Science, v.37, p.770-773, 1997.
HELMS, T. C.; ORF, J. H. Protein, oil and yield of soybean lines selected for increased protein. Crop Science, v.38, p.707-711, 1998.
MAREGA FILHO, M. Relações entre os teores de óleo, proteína e tamanho das sementes de soja. Londrina, Universidade Estadual de Londrina, EMBRAPA. 1999. 82 p.
MAUAD, M.; SILVA, T. L. B.; NETO, A. I. A.; ABREU, V. G. Influência da densidade de semeadura sobre características agronômicas na cultura da soja. Revista Agrarian, v.3, n.9, p. 175-181, 2010.
MIYASAKA, S.; MEDINA, J. C. A soja no Brasil. Campinas: ITAL, 1981. 1062 p.
MORAIS, A. A. C., SILVA, A. L.. Composição da Soja: suas aplicações. Rio de Janeiro: Medsi, 1996. p. 67-77.
MORAIS, A. A. C.; SILVA, A. L. Valor nutritivo e funcional da soja. Bras. Nutr. Clin., v. 15, n.2, p. 306-315, 2000.
NOGUEIRA, A. R. A.; SOUZA, G. B. Manual de laboratórios: Solo, água, nutrição vegetal, nutrição animal e alimentos. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 2005. 313p.
OLIVEIRA, A. B.; DUARTE, J. B.; PINHEIRO, J. B. Emprego da Análise AMMI na avaliação da estabilidade produtiva em soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.38, p.357-364, 2003.
PANDEY, J. P.; TORRI, E. J. H. Path coefficient analysis of seed yield components in soybean Glycine max (L) Merrill. Crop Science, Madison, v.13, n.5, p.505 – 507, 1973.
PEDERSEN, P.; LAUER, J. G. Response of soybean yield components to management system and planting date. Agronomy Journal, v. 96, p.1372-1381, 2004.
PÍPOLO, A. E. Influência da temperatura sobre as concentrações de proteínas e óleo em sementes de soja (Glycine max(L.) Merrill). Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002, p.67.
PROCÓPIO, S. O.; BALBINOT JUNIOR, A. A.; DEBIASI, H.; FRANCHINI, J. C.; PANISON, F. Plantio cruzado na cultura da soja utilizando uma cultivar de hábito de crescimento indeterminado. Revista de Ciências Agrárias, v.56, n.4, p.319-325, 2013.
RAMBO, L.; COSTA, J. A.; PIRES, J. L. F.; PARCIANELLO, G.; FERREIRA, F. G. Estimativa do potencial de rendimento por estrato do dossel da soja, em diferentes arranjos de plantas. Ciência Rural, v.34, n.1, p.33-40, 2004.
REZENDE, P. M.; GRIS, C. F.; GOMES, L. L.; TOURINO, M. C. C.; BOTRE, E. P. Efeito da semeadura a lanço e da população de plantas no rendimento de grãos e outras características da soja [Glycine max (L.) Merrill]. Ciência Agrotécnica, v. 28, n. 3, p. 1499-1504, 2004.
ROCHA, V. S. Cultura da Soja:suas aplicações. Rio de Janeiro: Medsi, 1996. p. 29-66.
SANTOS, H. M. C.; OLIVEIRA, M. A.; OLIVEIRA, A. F.; OLIVEIRA, G. B. A. Composição centesimal das cultivares de soja BRS 232, BRS 257 e BRS 258 cultivadas em sistema orgânico. Revista Brasileira de Pesquisa em Alimentos, v.1, n.2, p.07-10. 2010.
SEDIYAMA, T.; TEIXEIRA, R. C.; REIS, M. S. Melhoramento da soja. In: BORÉM, A. (ed). Melhoramento de espécies cultivadas. Viçosa: UFV, 1999. p.478-533.
SENGER, C. C. D.; KOZLOSKI, G. V.; SNACHEZ, L. M. B.; MESQUITA, F. R.; ALVES, T. P.; CASTAGNINO, D. S. Evalution of autoclave procedures for fibre analysis in forage and concetrate feedstuffs. Animal Feed Science and Technology, v. 146, 98 p. 169-174, 2008.
SILVA, M. S.; NAVES, M. M. V.; OLIVEIRA, R. B.; LEITE, O. S. M. Composição química e valor protéico do resíduo de soja em relação ao grão de soja. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, 26(3): 00-00, jul.-set. 2006.
SNIFFEN, C. J., O’ CONNOR, J. D., VAN SOEST, P.J. et al. A net carbohydrate and protein system for evaluating cattle diets: II- Carbohydrate and protein availability. J. Anim. Sci.,v.70, p.3562-3577, 1992.
SOUZA, C. A. Arquitetura de plantas e produtividade da soja decorrente do uso de redutores de crescimento. Bioscience Journal. V. 29, n. 3, p. 634-643, 2013.
SOUZA, C. A.; GAVA, F.; CASA, R. T.; BOLZAN, J. M.; KUHNEM JUNIOR, P. R. Relação entre densidade de plantas e genótipos de soja Roundup Ready™. Planta Daninha, v. 28, n. 4, p. 887-896, 2010.
TEIXEIRA, J. P. F.; RAMOS, M. T. B.; MIRANDA, M. A. C.; MASCARENHAS, H. A. A. Relação entre os principais constituintes químicos do grão de soja. IN: Seminário Nacional de Pesquisa de Soja, 3, Campinas, 1984.
VALADÃO JÚNIOR, D. Adubação fosfatada na cultura da soja em Rondônia. Scientia Agrária, América do Sul. P.9-23, 2008.
WILCOX, J. R.; FRANKENBERGER, E. M. Indeterminate and determinate soybean responses to planting date. Agronomy Journal, v.79, p.1074-1078, 1987.
WILCOX, J. R.; SHIBLES, R.M. Interrelationships among seed quality attributes in soybean. Crop Science, v.41, p.11-14, 2001.
Publicado
2015-12-30
Como Citar
Szareski, V. J., Souza, V. Q. de, Carvalho, I. R., Nardino, M., Follmann, D. N., Demari, G. H., Ferrari, M., & Olivoto, T. (2015). AMBIENTE DE CULTIVO E SEUS EFEITOS AOS CARACTERES MORFOLÓGICOS E BROMATOLÓGICOS DA SOJA. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 5(2). https://doi.org/10.21206/rbas.v5i2.247
Seção
Artigos