TRAJETÓRIAS E EXPERIÊNCIAS ESCOLARES DE ESTUDANTES COTISTAS NEGROS/AS DA UNILAB: IDENTIDADES, CURRÍCULO E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS

Palavras-chave: Sucesso escolar, Discriminação étnico-racial, Identidades negras, Currículo, Práticas pedagógicas

Resumo

Os objetos de estudo deste trabalho estão situados entre um debate mais amplo e sempre
urgente, com ênfase no contexto brasileiro, entre classe, raça e/ou etnia. A problematização construída é um
recorte de questões da minha pesquisa de mestrado que se debruçou sobre o sucesso escolar de seis
estudantes negros/as, cotistas, das camadas populares e de cursos de graduação da UNILAB, no Ceará,
através de uma metodologia disposicionalista. Por meio de trajetórias e narrativas (auto)biográficas, busquei
reconstruir cenários de socialização de disposições de longevidade escolar a fim de compreender como se
constituíram possibilidades de acesso ao ensino superior em condições socioeconômicas e culturais
sociologicamente desfavoráveis. A questão étnico-racial é central em função do debate sobre a Política de
Cotas e das identidades negras apresentadas pelo universo. Nesta oportunidade, porém, tomo-a por outro
caminho, a fim de tencionar os limites de uma interpretação centrada apenas na camada social, quanto às
condições objetivas de existência, considerando a importância dos marcadores étnico-raciais nas
experiências escolares, especificamente, e no desenvolvimento de capitais, disposições e identidades. Nos
cenários de socialização de disposições de longevidade encontrei configurações familiares com
racionalização da vida em torno do campo escolar, alinhados com atividades extraescolares que
intensificaram a formação de habitus coerentes; e envolvimentos em programas, projetos e políticas
públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco Érick de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba - PPGS
Bacharel em humanidades, 2014. Licenciado em Sociologia, 2018. Mestre em Humanidades, 2019 (UNILAB). Doutorando em Sociologia, UFPB.

Referências

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. Porto Alegre, RS: Zouk,
2013.
BOURDIEU, P. O senso prático. 3. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.
BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 11. ed. Campinas: Papirus, 2016.
BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema
de ensino. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.
BRASIL, Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 3/2004. Diretrizes curriculares
nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura
afro-brasileira e africana. Brasília, 2004. Disponível em:
. Acesso em: 20 out. 2018.
BRASIL. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro
de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura AfroBrasileira”. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm>.
Acesso em: 20 out. 2018.
BRASIL. Lei nº. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro
de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm>. Acesso em: 20
de out. 2018.
BRASIL. Lei nº. 12.288, de 20 de julho de 2010: Institui o Estatuto da Igualdade Racial.
Disponível em: %20Estatuto%20da%20Igualdade%20Racial.pdf >. Acesso em: 20 dez. 2018.
BRASIL. Presidência da República. Lei n. 12.519, de 20 de novembro de 2011. Institui o
Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Disponível em: <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12519.htm>. Acesso em: 20
jun. 2018.
BRASIL. Presidência da República. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre
o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível
médio e dá outras providências. Disponível em: 2014/2012/Lei/L12711.htm>. Acesso em: 20 jun. 2018.
FERNANDES, V. B.; SOUZA, M. C. C. C. Identidade negra: entre liberdade e exclusão. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n.º 63, abr. 2016 (p. 103-120).
GOMES, N. L. Cultura negra e educação. Revista brasileira de Educação. nº. 23.
Maio/Jun/Jul/Ago, 2003.
LAHIRE, B. Homem plural: os determinantes da ação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
LAHIRE, B. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.
VIANA, M. J. B. Longevidade escolar em famílias de camadas populares: algumas condições de possibilidade. 1998. 240 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de PósGraduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1998.
WEBER, M. Conceitos básicos de Sociologia. Tradução de Rubens Eduardo Ferreira
Frias e Gerard Georges Delaunay. São Paulo: Centauro, 2002.
Publicado
2020-02-20
Como Citar
DE OLIVEIRA, F. ÉRICK. TRAJETÓRIAS E EXPERIÊNCIAS ESCOLARES DE ESTUDANTES COTISTAS NEGROS/AS DA UNILAB: IDENTIDADES, CURRÍCULO E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS . REVES - Revista Relações Sociais, v. 3, n. 1, p. 0015-0027, 20 fev. 2020.
Seção
General Papers/Artigos