A reforma do Ensino Médio e suas aproximações com o BID:

conexões no fomento da dualidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v13i2.16641

Palavras-chave:

Ensino Médio, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Educação profissional, Dualidade Histórica

Resumo

Este trabalho teve como objetivo a compreensão da Reforma do Ensino Médio, aprovada em 2017, à luz das orientações do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para os países da América Latina e Caribe. Para tanto, realizou-se a análise do documento Desconectados, produzido pelo BID, buscando identificar suas aproximações com o conteúdo proposto na Lei n° 13.415/2017. A partir da investigação realizada, identificamos importantes semelhanças entre as orientações do BID para os jovens latino-americanos e as proposições contidas na Lei, principalmente no que se refere ao incentivo do ensino técnico no contexto do Ensino Médio. Concluímos que o “Novo Ensino Médio” aprofunda as desigualdades sociais que historicamente atravessam o Brasil, sendo utilizada como mecanismo de manutenção e reprodução do capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelyn Freire da Silva, Universidade Federal do Espírito Santo

Atualmente é Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo.  É formada em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal de Viçosa e Mestre em Educação na mesma instituição. Estuda a área de políticas educacionais e Ensino Médio.

Joana D'Arc Germano Hollerbach, Universidade Federal de Viçosa

Possui graduação em Administração pela Faculdade de Administração de Governador Valadares (1986), Licenciatura em História pela Universidade Vale do Rio Doce (2003), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2016). Atualmente é professora do magistério superior, Associado I, da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: história da educação, ensino de história, políticas públicas para a educação básica, Ensino Médio, trabalho e educação.

Referências

BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO. Conheça o BID. 2021b. Disponível em: https://www.iadb.org/pt/sobre-o-bid/visao-geral. Acesso em: 29 ago. 2023.

BASSI, M. et al. Desconectados: habilidades, educação e emprego na América Latina. Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2012.

BRASIL. Exposição de motivos nº 00084/2016/MEC da Medida Provisória nº 746, de 15 de setembro de 2016. Brasília, DF: Ministério da Educação. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Exm/Exm-MP-746-16.pdf. Acesso em: 03 set. 2023.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 22 set. 2023.

CASTRO, M. S. A Concepção de Política Social do Banco Interamericano de Desenvolvimento. 2014. 128 f. Dissertação (Mestrado em Política Social) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, 2014.

CORTI, A. P. Política e significantes vazios: Uma análise da reforma do ensino médio de 2017. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.35, 2019.

CUNHA, L. A. C. R. Política educacional no Brasil: a profissionalização no Ensino Médio. 2. ed. Rio de Janeiro: Eldorado, 1977.

ESCOTT, C. M.; MORAES, M. A. C. História da educação profissional no Brasil: as políticas públicas e o novo cenário de formação de professores nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. In: IX Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas “história, sociedade e educação no Brasil”. (pp.1492- 1508). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2012.

EVANGELISTA, O. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais, v. 1, p. 52-71, 2012. Disponível em: http://moodle3.nead.uem.br/pluginfile.php/30539/mod_resource/content/1/Olinda%20Evangelista%20-%20Apontamentos.pdf. Acesso em: 20 ago. 2023.

EVANGELISTA, O. Faces da tragédia docente no Brasil. Política educacional, docência e serviço social: para uma análise crítica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

FONTES, V. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo, v.5, n.8, p.45-67, 2017.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v.33, n.119, p.379-404, abr./jun., 2012.

FRIGOTTO, G. Educação e Trabalho: bases para debater a Educação Profissional Emancipadora. Perspectiva, Florianópolis, v.19, n.1, p.71-87, 2001.

FRIGOTTO, G. Reforma do Ensino Médio do (des) governo de turno: decreta-se uma escola para os ricos e outra para os pobres. Revista de Educação Movimento, ano.3, n.5, 2016.

LEHER, R. Organização, estratégia política e o Plano Nacional de Educação. 2014. Disponível em: https://marxismo21.org/wp-content/uploads/2014/08/R-Leher-Estrat%C3%A9gia-Pol%C3%

ADtica-e-Plano-Nacional-Educa%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 31 ago. 2023.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MELGAREJO, M. M.; SHIROMA, E. O. O projeto de educação do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Roteiro, v.44, n.3, p.1-24, 2019. Disponível em: https://portalpe

riodicos.unoesc.edu.br/roteiro/article/view/20896. Acesso em: 31 ago. 2023.

MELLO, C. C. As Políticas para o Ensino Médio no Brasil e suas Relações com o BID (2003-2016). 2020. 141 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2020.

MOURA, D. H. Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Holos, ano.23, v.2, 2007.

NOSELLA, P. A escola brasileira do final do século: um balanço. IN: FRIGOTTO, G. (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 2008.

PERONI, V. M. V. Políticas públicas e gestão da educação em tempos de redefinição do papel do Estado. Texto apresentado na anped sul, 2008.

POCHMANN, M. Terceirização, competitividade e uberização do trabalho no Brasil. In: TEIXEIRA, M. O.; ANDRADE, H. R; COELHO, E. D. (Orgs.). Precarização e terceirização: faces da mesma realidade. São Paulo: Sindicato dos Químicos, 2016.

SCHERMA, M. A. A Atuação do Banco Interamericano de Desenvolvimento no Brasil. 2007. 153 f. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) (UNESP/UNICAMP/PUC-SP) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marilia, SP, 2007.

SEITENFUS, R. A. Si. Manual das organizações internacionais. 5. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Ed., 2008.

SILVA, E. F.; HOLLERBACH, J. D. G. O BID e a Educação Secundária na América Latina: fomento da desigualdade, consenso para a dualidade. Reflexão e Ação, v. 30, p. 24-38, 2022.

Downloads

Publicado

15-05-2024

Como Citar

FREIRE DA SILVA, E.; GERMANO HOLLERBACH, J. D. A reforma do Ensino Médio e suas aproximações com o BID:: conexões no fomento da dualidade. Revista Ponto de Vista, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 01–20, 2024. DOI: 10.47328/rpv.v13i2.16641. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/16641. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos