O “novo” Ensino Médio na Amazônia do Baixo Tocantins:

perspectivas de professores de uma escola em tempo integral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v13i2.16886

Palavras-chave:

Reforma do ensino médio, Dualidade educacional, Diferenciação escolar

Resumo

Analisa aspectos formativos do processo de implementação do “Novo” Ensino Médio e suas implicações para a educação das juventudes de Limoeiro do Ajuru/PA, a partir das perspectivas de professores da Escola Estadual “Professor João Ludovico”, que faz parte da Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, instituída pela Lei n.º 13.415/2017. Promoveu-se revisão bibliográfica e análise documental sobre a atual reforma do ensino médio. Realizou-se ainda pesquisa exploratória do tipo estudo de campo, utilizando-se como instrumento de coleta de dados a entrevista semiestruturada com professores que atuam no Ensino Médio em Tempo Integral desde o início da implantação do programa na instituição pesquisada, bem como a observação direta. A análise dos dados utilizou a técnica de análise de conteúdo. A pesquisa demonstra que as realidades das juventudes da Amazônia não foram consideradas, especialmente a dos estudantes ribeirinhos. Concluiu-se que a flexibilização curricular implementada pela atual reforma prejudica os aspectos formativos das juventudes de Limoeiro do Ajuru/PA ao limitar a formação geral, o que tende a aprofundar a dualidade educacional e a diferenciação escolar. Destaca-se que boa parte dos sujeitos da pesquisa rejeita esse formato de flexibilização, bem como a ideia de protagonismo juvenil de base neoliberal, porém, isto não se dá de forma fundamentada em bases teóricas. Contraditoriamente, esses sujeitos demonstram simpatia por algumas concepções que orientam a atual reforma do ensino médio. Evidenciou-se, ainda, que a infraestrutura inadequada compromete a qualidade da educação no Ensino Médio em Tempo Integral na escola estudada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, R. M. L. Ensino médio brasileiro: dualidade, diferenciação escolar e reprodução das desigualdades sociais. Uberlândia: Navegando Publicações, 2019. Disponível em: https://www.editoranavegando.com/livro-ensino-medio-brasileiro. Acesso em: 8 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 2.116, de 6 de dezembro de 2019. Estabelece novas diretrizes, novos parâmetros e critérios para o Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral – EMTI, em conformidade com a Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-2.116-de-6-de-dezembro-de-2019-232132483. Acesso em: 26. fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 3, DE 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/novembro-2018-pdf/102481-rceb003-18/file. Acesso em: 1 ago. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECEBN22012.pdf?query=ensino%20m%C3%A9dio. Acesso em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 28 jul. 2023.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 14 abr. 2023.

COSTA, A. C. G. . Protagonismo Juvenil: Adolescência, Educação e Participação Democrática. Salvador: Fundação Odebrecht, 2000.

DAYRELL, J.; CARRANO, P.; MAIA, C. L. (org.). Juventude e ensino médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. Disponível em: https://educacaointegral.org.br/wp-content/uploads/2015/01/livro-completo_juventude-e-ensino-medio_2014.pdf. Acesso em: 10 nov. 2021.

FREITAS, L. C. A Reforma Empresarial da Educação: Nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FRIGOTTO, G. Reforma do Ensino Médio do (des)governo de turno: decreta-se uma escola para os ricos e outra para os pobres. Movimento – revista de educação, Rio de Janeiro, ano 3, número 5, p. 329-332, 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32621. Acesso em: 17 set. 2021.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. 3ed. São Paulo: Cortez: 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

PARÁ. Secretaria de Estado de Educação do Pará. Caderno de Projetos Integrados de Ensino e Campos de Saberes e Práticas Eletivos da Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas – Etapa Ensino Médio – Orientação para escolas da Rede Estadual de Ensino Médio do Estado Do Pará. Belém: SEDUC/PA, 2022.

PARÁ. Secretaria de Estado de Educação do Pará. Documento Curricular do Estado do Pará – Etapa Ensino Médio. Volume II. Belém: SEDUC/PA, 2021.

PARÁ. Conselho Estadual de Educação. Resolução nº 732 de 29 de novembro de 2018. Aprova o Projeto de Regularização do Ensino em Tempo Integral, a partir de 2017, bem como aprova a Matriz Curricular do Ensino Médio de Tempo Integral – Secretaria de Estado de Educação – SEDUC/PA.

RAMOS, M.; PARANHOS, M. Contrarreforma do ensino médio: dimensão renovada da pedagogia das competências?. Retratos da Escola, [S. l.], v. 16, n. 34, p. 71–88, 2022. Disponível em: https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/1488. Acesso em: 1 ago. 2022.

SILVA, M. R. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, e214130, 2018.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982018000100301&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10 mar. 2021.

SINDICATO DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS EM EDUCAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ – SINTEPP. Matriz curricular implementada em 2011 e a proposta da SEDUC para 2016. Belém, 6 abr. 2016. Disponível em: https://sintepp.org.br/discussao-da-matriz-curricular-para-o-ensino-medio-no-estado-do-para/. Acesso em: 03 abr. 2023.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

15-05-2024

Como Citar

CONCEIÇÃO DE MORAES ANDRADE, A.; DA CONCEIÇÃO ALVES, J. P. O “novo” Ensino Médio na Amazônia do Baixo Tocantins:: perspectivas de professores de uma escola em tempo integral. Revista Ponto de Vista, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 01–21, 2024. DOI: 10.47328/rpv.v13i2.16886. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/16886. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos