A supressão da Educação Física nas matrizes curriculares do novo Ensino Médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47328/rpv.v13i2.17037

Palavras-chave:

Novo ensino médio (NEM), Educação Física Escolar, Currículo

Resumo

Este trabalho teve como objetivo mapear a presença/ausência da Educação Física nas matrizes curriculares dos estados e do Distrito Federal e apresentar reflexões em torno das suas implicações pedagógicas. Consistiu numa investigação de natureza bibliográfica e documental, referenciada no materialismo histórico-dialético. As 27 matrizes curriculares do novo ensino médio dos estados e do Distrito Federal foram analisadas. Constatou-se que houve significativa redução na carga horária destinada a esse componente curricular. No novo ensino médio a carga horária total média é de 108 horas, no anterior eram 182 horas, resultado que reflete a supressão promovida na maioria das redes. Em relação à soma do número de aulas semanais, a maior parte dos estados destinaram 4 horas (8 redes) e 3 horas (8 redes). O estado de Goiás estabeleceu uma única aula para esse componente, representando a rede com o menor número. É possível afirmar que a supressão do tempo pedagógico para as aulas de Educação Física resulta em diversas implicações de ordem pedagógica e laboral. Com a reduzida carga horária, não há possibilidades concretas para se abordar a diversidade de atividades da cultura corporal e promover o aprofundamento da sistematização desse conhecimento. Por fim, compreende-se que o novo ensino médio representa um retrocesso para a educação das camadas populares, o que justifica a sua revogação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jose Arlen Beltrão , Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); Docente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Formação de Professores e Educação Física (GEPEFE)

David Romão Teixeira, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); Docente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Formação de Professores e Educação Física (GEPEFE).

Celi Nelza Zulke Taffarel , Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Pós-doutora em Educação Física pela Universidade de Oldenburg - Alemanha; Docente da Universidade Federal da Bahia (UFBA); Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA. Coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação Física, Esporte e Lazer (LEPEL-UFBA). Pesquisadora bolsista de produtividade do CNPq.

Referências

ADRIÃO, T. Escolas charters nos EUA: contradições de uma tendência proposta para o Brasil e suas implicações para a oferta da educação pública. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 28, n. especial, p. 263-282, 2014.

ADRIÃO, T. M. F.; PERONI, V. A formação das novas gerações como campo para os negócios? In.: AGUIAR, M. A. S.; DOURADO, L. F. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e Perspectivas. [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018. Disponível em: http://www.anpae.org.br/website/noticias/424-2018-05-24-18-14-11. Acesso em: 20 mai. 2018.

BAHIA. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA. Implementação Novo Ensino Médio Bahia. Documento Orientador Rede Pública de Ensino. SEC: Salvador, 2020. Disponível em: http://jornadapedagogica.educacao.ba.gov.br/wp-content/uploads/2020/01/Documento-Orientador-Novo-Ensino-M%C3%A9dio-na-Bahia-Vers%C3%A3o-Final.pdf. Acesso em: 03 abr. 2022.

BELTRÃO, J. A. Novo ensino médio: o rebaixamento da formação, o avanço da privatização e a necessidade de alternativa pedagógica crítica na educação física. 2019. 267 f. Tese (Doutorado em Educação) –Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

BELTRÃO, J. A.; TAFFAREL, C. A ofensiva dos reformadores empresariais e a resistência de quem defende a educação pública. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 21, p. 587-601, jul./dez. 2017.

BELTRÃO, J. A.; TAFFAREL, C. N. Z.; TEIXEIRA, D. R. A Educação Física no novo ensino médio: implicações e tendências promovidas pela reforma e pela BNCC. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista – Bahia – Brasil, v. 16, n. 43, p. 656-680, Edição Especial, 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Caderno técnico. Volume 3: Análise e sistematização dos planos de implementação do novo ensino médio das 27 unidades federativas – 2022. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/novo-ensino-medio/pdfs/CadernoTcnico_AnliseeSistematizacaoPLINEM.pdf. Acesso em: 13 out. 2023.

CASSIO, F.; GOULART, D. C. A implementação do Novo Ensino Médio nos estados: das promessas da reforma ao ensino médio nem-nem. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 16, n. 35, p. 285-293, mai./ago. 2022.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.

FERRETI, C. J.; SILVA, M. R. Reforma do ensino médio no contexto da medida provisória nº 746/2016: estado, currículo e disputas por hegemonia. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 385-404, abr.-jun., 2017.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério a destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Orgs.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GARIGLIO, J. A.; ALMEIDA JÚNIOR, A.; OLIVEIRA, C. M. O novo ensino médio: implicações ao processo de legitimação da Educação Física. Motrivivência, Florianópolis/SC, v. 29, n. 52, p. 53-70, set. 2017.

INSTITUTO UNIBANCO. Ensino Médio no Brasil: distribuição nos tempos por áreas e componentes curriculares. Instituto Unibanco, 2016. Disponível em: https://www.institutounibanco.org.br/wpcontent/uploads/2013/07/Pesquisa_Tempos_Ensino_Medio_2016.pdf. Acesso em: 01 set. 2023.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr.-jun., 2017.

LIMA, M. C. S.; LUCAS GOMES, D. J. Novo Ensino Médio em Pernambuco: construção do currículo a partir dos itinerários formativos. Retratos Da Escola, Brasília, v. 16, n. 35, p. 315–336, 2022.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006.

MARTINS, L. M.; LAVOURA, T. N. Materialismo histórico-dialético: contributos para a investigação em educação. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 71, p. 223-239, set./out. 2018.

MARTINS, E. M.; KRAWCZYK, N. R. Estratégias e incidência empresarial na atual política educacional brasileira: O caso do movimento ‘Todos Pela Educação’. Revista Portuguesa de Educação, Braga-Portugal, v. 31, n. 1, p. 4-20, 2018.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. O Capital: crítica da Economia Política. Livro I. 32. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

MELLO, R. A. A necessidade da Educação física na escola. São Paulo: Instituto Lukács, 2014.

MOLINA NETO, V. Menos Educação Física, menos formação humana, menos educação integral. Movimento, v. 29, p. 1-16, jan./dez. 2023.

MOLL, J. Reformar para retardar: a lógica da mudança no EM. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 61-74, jan./jun. 2017.

NOZAKI, H. Educação Física e reordenamento no mundo do trabalho: mediações da regulamentação da profissão. 2004. 383f. Tese de Doutorado (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

PIOLLI, E.; SALA, M. O Novotec e a implementação da Reforma do Ensino Médio na rede estadual paulista. Crítica Educativa, Sorocaba/SP, v. 5, n. 1, p. 183-198, jan./jun. 2019.

RAMOS, M.; PARANHOS, M. Contrarreforma do ensino médio: dimensão renovada da pedagogia das competências? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 16, n. 34, p. 71-88, jan./abr. 2022.

SAVIANI, D. Política e educação no Brasil: o papel do Congresso Nacional na legislação do ensino. 7ª ed. Campinas: Autores Associados, 2015.

SILVA, J. L. C.; SILVEIRA, E. S. A educação física escolar na reforma do Ensino Médio: um problema de justiça curricular. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 30, p. 1-19, jan./dez. 2023.

SILVA, M. R.; BARBOSA, R. P.; KÖRBES, C. A reforma do ensino médio no Paraná: dos enunciados da Lei 13.415/17 à regulamentação estadual. Retratos Da Escola, Brasília, v. 16, n. 35, p. 399-417, 2022.

TAFFAREL, C. N. Z. As teses de abril de 2011 sobre educação, consciência de classe e estratégia revolucionária. Perspectiva, v. 31, p. 137-166, jan-dez. 2013.

TEIXEIRA, D. R. A educação física na pré-escola: contribuições da abordagem crítico-superadora. 2018. 157 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

Downloads

Publicado

15-05-2024

Como Citar

BELTRÃO , J. A.; TEIXEIRA, D. R.; TAFFAREL , C. . N. Z. A supressão da Educação Física nas matrizes curriculares do novo Ensino Médio. Revista Ponto de Vista, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 01–20, 2024. DOI: 10.47328/rpv.v13i2.17037. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/17037. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos Científicos